Andréa Leonora
380 ARTIGOS
Jornalista com mais de 30 anos de experiência, passou pelos jornais A Notícia, Diário Catarinense, Gazeta Mercantil e Indústria&Com;ércio. Tem matérias publicadas também em O Globo e Folha de São Paulo. Atuou na Assessoria de Imprensa da Petrobras, no Rio de Janeiro, e, em Santa Catarina, na área de Comunicação da Celesc, da Eletrosul e da Assembleia Legislativa. É editora da Coluna Pelo Estado desde 2010 e coordenadora de Integração Editorial da ADI-BR

Esforço pela unidade

- Publicidade -
 

O deputado Luiz Fernando Vampiro foi confirmado ontem como líder da bancada do MDB, a maior do Legislativo estadual. Assume a posição com um grande desafio: reunificar os nove membros da bancada, hoje divididos em dois grupos. Valdir Cobalchini e Moacir Sopelsa estão no grupo dos insatisfeitos. Ada De Luca, Fernando Krelling, Jerry Comper, Mauro de Nadal, Romildo Titon e Volnei Weber são os que atuam em sintonia.

À Coluna Pelo Estado, Vampiro reconheceu a divisão - “pública e notória” - e adiantou que vai conversar com os dois e trabalhar no sentido de que tenham assento em comissões importantes, de temas com os quais tenham afinidade, como Agricultura para Sopelsa e Educação para Cobalchini. “Vou pedir a sensibilidade do outro grupo. Não podemos desperdiçar esses dois valorosos deputados. É preciso compensar de um lado e de outro para que todos fiquem satisfeitos. Minha missão é convencê-los a permanecer no partido”, disse o líder emedebista. A saída proposta por Vampiro se viabiliza no momento em que o MDB tem duas vagas em todas as comissões, inclusive nas que preside. “Quero fazer o papel de elo, de ponte, entre os dois grupos.”

Notas bônus para o SCPortais

"Pessoalmente" - Vampiro admitiu que Sopelsa e Cobalchini não foram convidados para as mais recentes reuniões da bancada. Mas, segundo ele, esta foi uma reação do grupo dos sete. "Eles foram convidados para uma reunião de votação e não apareceram. Em seguida foram convidados novamente para um um almoço e não vieram. Depois, mais uma reunião e eles novamente não vieram. Quando você é convidado a todo momento e não comparece, quem convida para de convidar. Eles são e serão sempre bem-vindos nas nossas atividades de bancada", explicou o novo líder do MDB na Assembleia. Por isso mesmo, completou, vai pessoalmente convidar os dois para que participem da reunião-almoço da bancada da próxima terça-feira (12). "Vai ser aqui no meu gabinete, para que haja um grau de isonomia."

Jantar com Moisés - Mesmo um tanto craquelada, a bancada do MDB compareceu completa ao jantar oferecido pelo governador Carlos Moisés aos emedebistas. O deputado Luiz Fernando Vampiro contou que todos foram ao jantar sem maiores expectativas, uma vez que na pauta constava que seria apenas um encontro de relacionamento. "O governador fez um agradecimento à presença de todos, falou das metodologias que pretende cumprir ao longo do governo, que deve ser austero e enxuto, capaz de equalizar finanças com quadro de pessoal e demandas." Segundo o líder da bancada do MDB, o governador anunciou o pagamento das emendas impositivas de 2018 e de 2019, apresentadas pelos deputados estaduais. Também pediu ajuda para a aprovação das mudanças que pretende implantar no Estado. "Eu respondi em nome da bancada, agradeci a deferência por ter sido a primeira bancada a ser recebida por ele. Isso mostra a importância do MDB na Assembleia. Somos, sim, hoje, uma bancada com divergências internas. Mas é inegável que sempre atuamos como fiel escudeiro tanto para o governador Raimundo Colombo quanto para o governador Eduardo Moreira. Mas, obviamente, também votamos contra eles em algumas posições onde a bancada interpretou que assim deveria ser, sem interferência de revanchismos ou de problemas pessoais. Ele entendeu que o nosso objetivo é construir o melhor para Santa Catarina, com autonomia e independência, depois de ponderar e analisar cada matéria. Não seremos empecilho, mas queremos um tratamento republicano por parte dos secretários, para que sejamos atendidos nas demandas regionais.

Amenidades As conversas entre os deputados e o governador não se restringiram à política. Vampiro e Moisés relembraram o período em que fizeram faculdade juntos. Entre as amenidades, a grande guinada na vida de Moisés desde que foi eleito governador.

----------

Descaminhos

Foto: Eduardo Gomes de Oliveira/Agência AL

No melhor estilo “assim não dá para continuar”, o deputado Volnei Weber (MDB) estreou na Tribuna da Assembleia Legislativa para expor a situação de três ligações importantes de sua região, o Sul catarinense. Serra do Rio do Rastro e Serra do Corvo Branco estão interditadas por falta de segurança para os usuários. E as obras da Serra da Rocinha, que liga Timbé do Sul (SC) a São José dos Ausentes (RS), anda a passos de formiga. As alternativas aos três trechos são muito mais longas, causando prejuízos e perda de competitividade ao setor produtivo, além de desestímulo ao turismo. Weber fez uma comparação interessante: a Serra do Rio do Rastro é um ícone tão importante para a região quanto a Ponte Hercílio Luz é para a Capital. Ele propôs a criação de uma frente parlamentar, preferencialmente com deputados que representem o Sul catarinense, para elencar soluções e encontrar formas de obtenção dos recursos necessários.

Corrida contra o tempo

Foto: Marcelo Tolentino

No melhor estilo “assim não dá para continuar”, o deputado Volnei Weber (MDB) estreou na Tribuna da Assembleia Legislativa para expor a situação de três ligações importantes de sua região, o Sul catarinense. Serra do Rio do Rastro e Serra do Corvo Branco estão interditadas por falta de segurança para os usuários. E as obras da Serra da Rocinha, que liga Timbé do Sul (SC) a São José dos Ausentes (RS), anda a passos de formiga. As alternativas aos três trechos são muito mais longas, causando prejuízos e perda de competitividade ao setor produtivo, além de desestímulo ao turismo. Weber fez uma comparação interessante: a Serra do Rio do Rastro é um ícone tão importante para a região quanto a Ponte Hercílio Luz é para a Capital. Ele propôs a criação de uma frente parlamentar, preferencialmente com deputados que representem o Sul catarinense, para elencar soluções e encontrar formas de obtenção dos recursos necessários.

CPI de Brumadinho Os três senadores catarinenses, Dário Berger (MDB), Esperidião Amin (PP) e Jorginho Mello (PR), assinaram o pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as responsabilidades do que ocorreu em Brumadinho (MG). No final dos trabalhos, a comissão pode propor mudanças na legislação, que deve se tornar mais rigorosa. O colegiado pode, ainda, encaminhar suas conclusões ao Ministério Público e propor a responsabilidade civil ou criminal dos infratores. O requerimento deverá ser lido nesta quinta-feira no Plenário do Senado.

Está virando regra dentro da Assembleia os cortes de gastos. Antes que as determinações venham de cima para baixo, os próprios deputados estão tomando a iniciativa com a dispensa de comissionados, devolução de celulares e de máquinas de café. Um dos pioneiros e mais contundentes nessas decisões é o deputado Milton Hobus (PSD).

Bancada Feminina Além de responder pela Comissão de Direitos Humanos, a deputada Ada de Luca (MDB) foi escolhida pelas colegas para coordenar a Bancada Feminina, composta pelas deputadas Ana Caroline Campagnolo (PSL), Luciane Carminatti (PT), Marlene Fengler (PSD) e Paulinha (PDT). Combate à violência contra as mulheres e atuação em áreas como desenvolvimento social, saúde da mulher e educação, estão entre as metas de Ada, que também quer atuar por uma maior representatividade feminina na política.

Curso de Medicina O processo seletivo para ingresso no primeiro semestre de 2019 do Curso de Medicina da Estácio em Jaraguá do Sul está com inscrições abertas até o dia 10 de fevereiro. O edital está disponível no site www.estacio.br/medicina. A seleção será feita via notas do ENEM e as aulas terão início em 25 de fevereiro.

DEIXE SEU COMENTÁRIO