Abrir o próprio negócio é saída para desempregados

Eles aproveitam a indenização, o FGTS e a disponibilidade de tempo para se tornarem Microempreendedores Individuais (MEIs)

Nadia Michaltchuk
nadia@diariodoiguacu.com.br

Com a escassez de vagas de emprego, uma das alternativas para combater a crise é montar o próprio negócio. Para desburocratizar e agilizar o processo de abertura das empresas, na modalidade de Microempreendedor Individual (MEI), a Sala do Empreendedor e o Sebrae ajudam chapecoenses no processo.


As instituições também auxiliam na liberação do alvará e dão suporte na parte organizacional da microempresa individual, sem custos ao cidadão. 


Para ser um MEI, é necessário ter mais de 18 anos, faturar no máximo R$ 60 mil anualmente, não ser sócio ou titular de outra empresa, não possuir filial e possuir no máximo um empregado. A região Oeste, formada por 34 municípios, possui cerca de 8,5 mil microempreendedores formalizados. Somente em Chapecó estão cadastrados 6,2 mil MEIs.

>> Últimas notícias << 

>> Leia mais matérias de Economia <<

Uma delas é a Manoela Souza do Rosario, 23 anos. Em 2015, Manoela era estudante de enfermagem e estava desempregada. Em uma viagem a Curitiba, ela e o namorado trouxeram molhos fabricados por um amigo do casal. “Em um churrasco, os nossos amigos provaram e nós começamos a trazer para vender”, conta a jovem.

A demanda cresceu e Manoela sentiu a necessidade de formalizar o negócio. Foi quando realizou o cadastro online e, sem sair de casa, tornou-se MEI. “Eu precisei apenas entrar no site com um documento em mãos, escolher a atividade e finalizar o processo”, explica.

Não é necessário possuir um ponto fixo. Manoela, por exemplo, trabalha com entregas a domicílio. Atualmente, a MEI fatura cerca de R$ 2 mil por mês e vende molhos para pessoas físicas e jurídicas. Os molhos são vendidos no valor de R$ 8 a R$ 22.  

Os custos de abrir o próprio negócio

Ao abrir o negócio, o MEI não tem custos de alvará e demais obrigações impostas por outras modalidades empresariais. No entanto, é recolhido mensalmente um valor de acordo com a atividade exercida pelo MEI. Segundo o coordenador geral da Sala do Empreendedor, Arthur Badalotti, o valor máximo é de R$ 52,75.

Esse custo garante diversos benefícios previdenciários. “O MEI pode se aposentar por tempo de trabalho e em caso de acidentes de trabalho ou gravidez, recebem auxílio. Ainda, possui acesso a um crédito de R$ 3 mil, que pode ser parcelado em até sete vezes”, destaca o coordenador. No caso da Manoela, o custo mensal é de R$ 47.

Obrigações

A Declaração Anual Simplificada (DASN-SIMEI) é uma das obrigações do MEI e representa todo o seu faturamento no ano anterior. É necessário declarar o faturamento referente a todas as vendas, com e sem emissão de nota fiscal (Receita Bruta Total), em atividades de comércio, indústria ou serviço. Quem não cumpre o prazo estabelecido, paga multa de no mínimo R$ 25.

Manoela conheceu o Sebrae e a Sala do Empreendedor somente quando precisou realizar a Declaração Anual Simplificada. “Descobri que precisava declarar porque assisti uma propaganda. Até então, tinha apenas realizado o cadastro no site. Aí eu soube que havia preenchido alguns dados de forma errada. Eu me arrependo de não ter procurado orientação antes”, lamenta.

Dicas para manter o negócio aberto

O ideal é obter o máximo de informações possíveis para que não haja dúvidas ou prejuízos. Para a economista Giana de Varges Mores, aproveitar uma oportunidade de negócio requer vencer desafios. “Quanto mais conhecer sobre o seu negócio, mais bem preparado estará o MEI para atuar no mercado e ter maiores chances de sucesso”, aponta.


Para tanto, de acordo com a especialista, devem ser considerados aspectos relacionados à estruturação do negócio e à gestão. “Pode-se começar com um plano de negócios, para a análise de sua viabilidade. Conhecer o seu empreendimento, como, por exemplo: identificar qual será o diferencial do seu negócio, qual será a equipe de trabalho, o processo de venda, os possíveis clientes, concorrentes, fornecedores e como o negócio será administrado”, aconselha.


Além disso, Giana sugere que sejam analisados os gastos, preço de venda, margem de contribuição e retorno do investimento. Outra dica importante é saber diferenciar o dinheiro da família e o da empresa, para um melhor atingimento dos objetivos pessoais e profissionais.

 

Capacitações


Além de esclarecer dúvidas e orientar os MEIs, o Sebrae e a Sala do Empreendedor realizam gratuitamente oficinas de capacitação a quem tem interesse em expandir seus negócios. “Até agora eu participei de somente um curso oferecido, mas foi uma experiência bem bacana. Eu ganhei uma apostila e tirei proveito de várias dicas de vendas. Eles também disponibilizam oficinas online para MEIs ou pessoas que tenham interesse em se tornar um”, indica.


Até o final deste ano, serão oferecidas 41 oficinas, com temas variados e importantes para os microempreendedores. Entre eles, análise de mercado, plano de negócios e controles financeiros. O cronograma está disponível para consulta no Sebrae pelo fone (49) 3330-2800 ou na Sala do Empreendedor pelo fone (49) 3319-1027.


Vantagens de ser MEI 

  • Abertura rápida e gratuita.
  • Formalização e posse de CNPJ.
  • Emissão de nota fiscal.
  • Isenção de impostos federais e pagamento simbólico de ICMS e ISS.
  • Pagamento unificado e simplificado de impostos.
  • Pagamento unificado e simplificado de impostos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

159 vagas no Balcão de Emprego de Chapecó
Cooper A1 abre novo processo seletivo para jovens aprendizes
Sete motivos que levam as pessoas a gastarem mais do que ganham e se endividarem
Jonny Zulauf é eleito presidente da Facisc, Rebelatto é o vice
Aprenda a economizar combustível
ESTÁGIO: Mais de mil jovens são encaminhados ao mercado de trabalho em Chapecó
SC registra a menor taxa de desemprego do país segundo IBGE
CDL de Xaxim define campanha de prêmios do Natal Encantado 2017
Cai número de famílias endividadas em Chapecó
Previsão de salário mínimo para 2018 cai para R$ 969