Artur Moraes de bem com a vida em Chapecó: A família tem adorado

Acostumado com grandes cidades, o goleiro da Chapecoense se adaptou rápido. O seu filho, Luca, treina na escolinha do clube

Artur brinca com o filho Luca após treino na escolinha da Chape (Rodrigo Goulart)

Artur Moraes trocou capitais européias por Chapecó. O goleiro da Chapecoense viveu em Roma (Itália), Lisboa (Portugal) e Ankara (Turquia). Embora acostumado com a vida em metrópoles, ele diz estar feliz com a nova rotina no Oeste catarinense.

>>Confira mais sobre a Chapecoense<<

>>Confira o Blog Resenha Esportiva<<

O experiente jogador, 36 anos, não veio sozinho. A mulher Karina e o filho Luca, cinco anos, o acompanham neste retorno ao futebol brasileiro depois de nove anos. A adaptação foi rápida. O garotinho, inclusive, treina duas vezes por semana na escolinha do clube e já começa a fazer novos amigos. “Nessa volta, o Luca é quem tem aproveitado mais”, afirma Artur Moraes. “Quero ser atacante”, diz Luca, posição bem diferente em relação a do pai.

Luca participou das escolinhas do Benfica e do Galatasaray, mas em Chapecó existe uma diferença: a presença frequente do pai nas aulas, algo que nas cidades grandes ficava difícil por causa do tempo de deslocamento. “Quando estou em casa, consigo levar o Luca. Em poucos minutos se chega ao destino. Dá para levá-lo e depois ir para o treino”, compara Artur. A escolinha do Verdão funciona no F7 Society, no bairro Pinheirinho.

A distância menor entre um ponto e outro é apenas um dos itens que fez os Moraes se apaixonar por Chapecó. “A família tem adorado. Quando você chega de uma cidade maior, sente um pouco a diferença, mas é uma diferença positiva. Há qualidade de vida e segurança. É uma cidade tranquila e organizada. Dá para ir a uma sorveteria e sentar nas mesas da calçada, voltar do treino a pé. Coisas que há muito não fazia”, conta Artur, que nasceu em Leme, cidade de 100 mil habitantes, no interior paulista.

A torcida verde-branca também impressionou Artur. “É um torcedor receptivo, carinhoso. A cidade gira em torno da Chape, respira futebol. Isso ajudou para termos um time competitivo em tão pouco tempo. Estamos satisfeitos em todos os pontos com Chapecó” disse Artur. Elogio de um atleta que defendeu clubes de massa como Cruzeiro, Roma e Benfica.


Carreira de sucesso em Portugal e período de tensão na Turquia

O goleiro construiu uma carreira de sucesso na Europa, principalmente em solo português. Pelo Benfica, conquistou duas vezes o Campeonato Português e a Taça da Liga e uma Taça de Portugal. Foram quatro anos no Estádio da Luz, de 2011 a 2015. Após boas atuações na Liga dos Campeões Europeus, Artur Moraes chegou a ser cogitado como reforço do Barcelona.

Artur deixou o Benfica no fim de 2015. “O contrato estava no fim e eu queria novos desafios”, lembra. E o novo desafio surgiu no Osmanlispor. “Sou muito amigo do Alex (ex-meia de Coritiba, Cruzeiro, Palmeiras e o turco Fenerbahce). Ele me disse que um clube da Turquia estava atrás de goleiro. Já havia jogado uma partida lá, contra o Fenerbahce, e gostei do ambiente de jogo. Aceitei”, recorda-se.

Mas Artur Moraes jogou pouco no Osmanlispor. “Sete ou oito partidas”, disse. Ele conta que sofreu uma lesão no ombro, precisou passar por cirurgia e fez tratamento no Brasil. Praticamente não foi aproveitado após a recuperação. O clima de tensão na Turquia, provocado pela tentativa de golpe militar, contribuiu para que o goleiro pensasse em voltar ao Brasil. “Ouvi de casa a bomba que atingiu o parlamento”, disse.

O convite para atuar pela Chapecoense partiu do técnico Vagner Mancini e, depois, foi formalizado pelo diretor executivo Rui Costa. “Por tudo o que aconteceu (referência à reconstrução do clube provocada pela tragédia aérea de novembro na Colômbia), era impossível dizer não. Não é só jogar, é uma missão. Tem que ter um valor humano muito grande”, declara. Artur foi apresentado na Arena Condá no dia 19 de janeiro.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Ercílio e o bar do Chapecó pertinho da Ressacada
Chapecoense vence Avaí e fica muito perto do título estadual
Detalhes que você precisa saber sobre a final do Catarinão
Chapecoense vira a chave para a final contra o Avaí
Chapecoense joga mal, tem dois expulsos e leva goleada do Nacional
Mais experiente na catimba, Chape reencontra Nacional no Uruguai
Definidos os árbitros para os jogos da final entre Chape e Avaí
Mancini estuda mudanças na Chapecoense para enfrentar o Nacional
Sem espaço no Palmeiras, João Pedro mostra suas qualidades na Chape