Coleta de esgoto alcança apenas 21% da população de Santa Catarina

Catarinenses alcançaram quase 88% de cobertura de abastecimento de água, e chegaram a 90% de tratamento do esgoto coletado.

- Publicidade -
 

Clara Sasse
Agência do Rádio Mais

De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a coleta de esgoto alcança apenas 21% da população de Santa Catarina.

Contudo, os outros dados do estado para o setor de saneamento básico estão acima da média nacional. Os catarinenses alcançaram quase 88% de cobertura de abastecimento de água, e chegaram a 90% de tratamento do esgoto coletado.

De acordo com a especialista em infraestrutura da CNI, Ilana Ferreira, no Brasil, o setor com maior déficit de atendimento e com maiores desafios de expansão é o de saneamento básico.

>> Últimas notícias

“A modernização do setor de saneamento é muito importante porque ela vai permitir o aumento dos investimentos e o aumento da expansão da crede, principalmente nas áreas mais carentes. Permite que haja uma competição entre os setores público e privado. Permite que o setor observe realmente onde há deficiência. Toda ação que for modernizar o saneamento brasileiro vai causar impacto direto na população, no meio ambiente e no setor produtivo”, disse.

>> Bairro Efapi, em Chapecó, terá esgoto sanitário

Nesse sentido, especialistas ligados ao setor acreditam que a aprovação da Medida Provisória 844/2018, que tramita no Congresso Nacional, vá melhorar a situação de localidades que ainda sofrem com a baixa qualidade dos serviços de saneamento básico.

A MP 844/2018 prevê que a Agência Nacional de Águas (ANA) tenha competência para elaborar normas nacionais para os serviços públicos voltados à área de saneamento básico. Anteriormente, as decisões relacionadas ao setor eram de responsabilidade do Ministério das Cidades.

Serviços oferecidos

Para o professor de Direito da Infraestrutura e da Regulação da FGV, Rafael Véras, empresas privadas aumentam a competitividade entre as instituições que trabalham no setor e, consequentemente, melhoram o serviço oferecido.

“Abrindo o setor de saneamento às empresas privadas, você vai gerar por meio da competição estímulos para que a qualidade do serviço do saneamento seja implementada. Se tenho a disputa entre agentes de mercado e entre esses agentes e as companhias estaduais de saneamento tende a ter um resultado mais favorável para os usuários”, afirmou.

Como se trata de uma Medida Provisória, as normas previstas no texto já estão em vigor desde a publicação no Diário Oficial da União, em julho de 2018. Com vencimento no dia 19 de novembro, a medida será analisada no plenário da Câmara dos Deputados. Se aprovada, segue para o Senado.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

R$ 18 milhões liberados para começar obras da BR-282 de Chapecó a São Miguel
OAB terá eleições na próxima quarta-feira (28)
Biblioteca Neiva Maria Andreatta Costella completa 78 anos em Chapecó
Projeto promove inclusão social de pessoas com deficiência em Chapecó
Jovem de 24 anos morre em acidente em Pinhalzinho
Homem que matou mecânico em Chapecó é condenado a 12 anos de prisão
Polícia procura donos de bicicletas furtadas em Chapecó
Terça–feira será de tempo seco e sol em Santa Catarina
Verde Vida é parceiro do projeto Pátio Verde de Chapecó
Cavalo morre após acidente em Ponte Serrada