Comunidade LGBT lota avenida principal de Chapecó

2ª Parada de Luta realizada no sábado reuniu 1,5 mil pessoas que pediam por visibilidade e lutavam contra o preconceito

- Publicidade -
 

A principal avenida de Chapecó ficou pequena na tarde de sábado (17) com tamanha diversidade.

Confirmando expectativas, a 2ª Parada de Luta LGBT do Oeste Catarinense reuniu em um mesmo espaço diferentes orientações sexuais e identidades de gênero que buscavam o respeito a lutavam contra todas as formas de preconceito.

>> Últimas notícias <<
 
Rostos de todas as cores e classes sociais, de diferentes cidades da região, se uniram pelo bem comum.

A União Nacional LGBT Chapecó (UNA Chapecó), entidade que promoveu a parada, contabiliza a participação de 1,5 mil pessoas no evento, demonstrando um aumento significativo de público em relação a primeira edição no ano anterior.
 
"Com a edição deste ano percebemos que a Parada LGBT em Chapecó vem se popularizando cada vez mais. Isso repercute e ajuda na consolidação do município como também referência na luta contra o preconceito e a favor das minorias sexuais", afirma a presidenta da UNA Chapecó, Karla Muniz.
 
A programação iniciou com a concentração na praça central de Chapecó. Após uma homenagem às 343 pessoas assassinadas no Brasil em 2016, vítimas da LGBTfobia, houve também a leitura dos nomes das 71 travestis e transexuais mortas no país neste ano, exclusivamente, por crimes de ódio.
 
Os dados serviram de motivação para que a comunidade de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais se unisse ainda mais.

Antes da caminhada pela avenida Getúlio Vargas acontecer, houve também apresentações com artistas drag queens da região que prenderam a atenção não somente dos participantes, mas também daqueles que passavam pelo local. 
 
Durante a caminhada, LGBTs e apoiadores lotaram a avenida Getúlio Vargas.

Com bandeiras com as cores do arco-íris e cartazes de protesto, os participantes oscilaram o momento entre a animação com músicas e danças e gritos de ordem, pedindo por visibilidade e revelando os números da violência contra a comunidade. 
 
"Encerramos a segunda edição da parada com um saldo totalmente positivo, acreditando que, anualmente, com as diversas ações em prol da comunidade LGBT, vamos sensibilizar o restante da população e avançar em busca da igualdade", conclui Karla.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Projeto incentiva a leitura para crianças e adolescentes na Unochapecó
20 mil maços de cigarros são apreendidos em Guaraciaba
Funcionários encontram homem morto na rodoviária de Chapecó
Carnaval da Melhor Idade de Chapecó está sendo preparado
Semana será de aberturas de sol e chuva a tarde em todo o Estado
Deslizamento interdita a BR-158 em Cunha Porã
Parte de casa desaba em Chapecó
Homem morre atropelado em Maravilha
Fogo destrói casa em São Miguel do Oeste
Acidente é registrado em Cordilheira Alta