Conselho de Ética arquiva pedido de cassação de João Rodrigues

Por unanimidade, doze deputados aprovaram voto do relator que pedia o arquivamento do processo

Preso há cinco meses, o deputado federal João Rodrigues (PSD) teve a primeira vitória nesta quarta-feira (11). Em análise no Conselho de Ética, o pedido de cassação do mandato parlamentar foi votado e arquivado durante sessão que iniciou de manhã, teve pausa em função da ordem do dia no Plenário e foi retomada no final do dia.

Por meio de votação eletrônica, doze deputados aprovaram o relatório do deputado Ronaldo Lessa (PDT) que pedia o arquivamento da denúncia contra João Rodrigues no Conselho de Ética.

João Rodrigues

O deputado João Rodrigues, que foi autorizado pela Justiça para retomar o mandato, respeitando as regras do semiaberto, participou da sessão no Conselho de Ética. “Eu sou fruto de um equívoco e espero ser absolvido, primeiro pelos meus colegas que fazem leis, depois pelo Supremo Tribunal Federal”, afirmou João Rodrigues.

A principal argumentação da defesa do deputado é de que o processo não tem trânsito em julgado – cabe apresentação de recursos e alguns não foram julgados – mas principalmente que os crimes teriam ocorrido antes do deputado assumir o mandato atual, fato que impede a cassação via Conselho de Ética.

Relator

O deputado Ronaldo Lessa (PDT), relator do pedido de cassação, se posicionou pelo arquivamento do pedido alegando que o pedido de cassação prescreveu porque a condenação tem mais de cinco anos. Concordou com a defesa de que não cabe cassação quando o suposto crime ocorreu antes do período do mandato.

“Contratei um escritório de advocacia para dar o melhor de mim para essa casa. É importante frisar que o deputado João Rodrigues foi representado pela suposta pratica de crimes que teriam ocorrido antes da legislatura, mais precisamente em 1999”, disse.

Lessa entende ainda que o deputado se elegeu duas vezes ao cargo demonstrando que os eleitores sabiam do processo e confiando na inocência de Rodrigues o elegeram. Na eleição de 2014 ele foi o segundo mais votado de Santa Catarina. “Dessa maneira mostra-se inaceitável que se promova o afastamento da soberania popular no caso concreto”, completou Lessa.

“Se é certo que não se pode subtrair o fatos, não menos é certo que em um estado de direito não é possível aceitar que atos cometidos no passado estejam indefinidamente sujeitos a sanções. Assim, os trabalhos da comissão de ética encontram limite de cinco anos da prescrição do crime de quebra de decoro. Encontra-se prescrito o prazo para que esse órgão promova eventual sanção contra o deputado João Rodrigues. Voto pela improcedência da representação”, finalizou.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Vereadores rejeitam projeto de horário livre para o comércio em São Miguel do Oeste
Vereadores fazem requerimentos de informação em São Miguel do Oeste
Legislativo aprova obrigatoriedade de cardápios em Braille em estabelecimentos de Chapecó
Acamosc tem novo presidente do Fórum dos Secretários e Diretores
Auto Viação Chapecó tem proposta financeira aprovada em licitação
Grande Oeste unido para destravar gargalos de infraestrutura
Reunião de trabalho debate proibição de canudos plásticos em Chapecó
Governo federal confirma R$ 10,6 milhões para aeroporto de Chapecó
Empresa fez um projeto básico, algo que a SAC não aceita mais, diz Hassler
Regulamentação do transporte por aplicativo segue em discussão em Chapecó