DNIT conhece terça-feira (12) propostas de empresas para retomar obras na BR-163

Recuperação da rodovia já deveria estar pronta, mas a empresa vencedora da licitação pediu recuperação judicial e abandonou as obras. Uma nova licitação está em andamento.

As obras já deveriam estar prontas e a situação de risco e problemas na BR-163 nem seria motivo de reportagem. Mas tudo pode estar próximo de uma solução. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) conhecerá e tornará público amanhã, terça-feira (12), as propostas das empresas que pretendem executar as obras de recuperação da BR-163.

O procedimento de abertura dos envelopes com as propostas está marcado para às 10h na superintendência do DNIT em Florianópolis, segundo informou a assessoria de imprensa do departamento.

A rodovia que liga São Miguel do Oeste até a divisa com o Paraná tem tirado a paciência do motorista e mexido no bolso de quem passa no local. O desgaste causado pelo fluxo de veículos, principalmente caminhões e carretas, e a falta de uma grande obra de revitalização no trecho, construído na década de 1980, vai se deteriorando com o passar dos meses. A cada chuvarada, mais danos são registrados na via e levam perigo aos motoristas.

Últimas notícias

Relembre o caso

A situação envolvendo a BR-163 se arrasta há alguns anos. Em 2013 foi assinado um contrato com a empresa Sul Catarinense para revitalização dos 62km da rodovia, entre São Miguel do Oeste e Dionísio Cerqueira. A obra tinha previsão de conclusão para 2015, mas foi abandonada pela empresa responsável. Conforme levantamento feito pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), apresentado no mês de junho de 2018, apontam que pouco mais de 36% da obra foi executada e com a paralisação dos serviços, houve a deterioração do trabalho feito.

O chefe da Unidade Local do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT) de Chapecó, Diego Fernando da Silva, explica que o contrato com a empresa responsável pela obra foi rescindido e que agora existem dois procedimentos administrativos para responsabilização dela.

“O primeiro por inexecução parcial do contrato, ou seja, pelo abandono e consequente descumprimento do cronograma de obras previstos. O outro se trata do ressarcimento aos cofres públicos de prejuízos relacionados ao abandono da obra, à sua inconclusão ou por decorrência da falta de proteção dos serviços já executados e que terão que ser refeitos a partir de uma nova contratação”, explicou o engenheiro. 

Obra em concreto

Entre as mudanças no projeto que passou por adequação, Diego destaca que o objetivo é fazer o novo pavimento da BR-163 a base de concreto de cimento, que traria maior durabilidade e menor custo de manutenção. Diego pontua que normalmente o pavimento é feito com camadas de asfalto que variam de 8 a 12 cm. “No estudo e levantamentos que fizemos, pretendemos usar placas de concreto com 22cm. O impacto financeiro não é tão diferente, o custo de manutenção é menor e temos um aumento gradativo em termos de durabilidade”, salienta. 

Segundo o chefe do DNIT de Chapecó, o objetivo do contrato é a adequação de capacidade da rodovia e a restauração do pavimento existente. “Está previsto também o alargamento da pista existente, para a implantação de acostamento e faixas adicionais (terceiras faixas), já que se trata de uma rodovia que foi implantada com uma plataforma mais estreita, portanto, sem acostamento”, explica Diego da Silva. O projeto também prevê a implantação das travessias urbanas e vias laterais nos municípios de São Miguel do Oeste, Guaraciaba, São José do Cedro, Guarujá do Sul e Dionísio Cerqueira, por onde a rodovia passa.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Lula tem pena reduzida pelo STJ
Gilmar Mendes remete decisão de empossar João Rodrigues ao TSE
Alesc discute reforma administrativa
MDB de Santa Catarina define convenção estadual
Ex-prefeito de Dionísio Cerqueira tem bens bloqueados
Governo federal garante R$10 milhões para início das obras da Macroadutora do Rio Chapecozinho
Vereadores querem que Fidelis renuncie à presidência
MP investiga se deputada usou diárias para promover livro
Antonini diz que nada muda na Câmara por enquanto
Fidelis pode perder presidência se não reassumir o cargo