Donos de food trucks protestam em Chapecó

O principal objetivo da ação foi reforçar o desejo de continuar nos pontos onde já atuam

Um grupo de donos de Food Trucks promoveram na manhã de ontem, uma carreata na avenida Getúlio Vargas, em Chapecó. O objetivo do protesto segundo uma das organizadoras do evento e dona do Food Truck Dona Florinda Churros Gourmet, Jaqueline Maia, é chamar a atenção das pessoas que não sabem sobre a situação dos food trucks na cidade e reforçar a vontade de permanecer nos locais onde atuam.

“Nós queremos uma vaga reservada a partir das 18 horas, tipo essas dos Idosos, por que antes desse horário não podemos em função dos parquímetros. Aí já chegamos e estacionamos, sem precisar procurar um local”, explica. Jaqueline relata que o ponto que ela ocupa é em frente a Havan, na Avenida Getúlio Vargas, mas não há nada que demarque isso ou uma calçada, é na rua.

“A gente quer uma regularização, um documento que valide que diga quem a gente é. A gente não está se opondo a fazer pagamento de impostos, de taxa de coleta de lixo, mas queremos um valor justo. Não podemos pagar o mesmo que uma pessoa que tem uma estrutura maior, que seja um valor condizente”, reforça.

O protesto foi motivado pela reunião realizada no último dia 11, no plenário da Câmara de Vereadores de Chapecó pelo vereador Valmor Scolari. Esta foi a terceira sobre o assunto. No encontro foram levantadas questões que vão integrar o projeto de lei que deverá regulamentar a atividade de Food Truck em Chapecó e deve entrar no legislativo nos próximos dias.

Ainda de acordo com informações da Câmara de Vereadores, toda a regulamentação dessa atividade deverá atender ao Plano de Mobilidade e ao Plano Diretor.

Para dar agilidade na regulamentação da atividade, o executivo deverá encaminhar ao legislativo o projeto de lei.

Depois disso, as comissões apreciarão o projeto e será discutido e votado em plenário.Além da Prefeitura de Chapecó, participaram desta reunião representantes do Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, Sebrae, Associação Comercial e Industrial de Chapecó, Sindicato do Comércio Varejista de Chapecó e Sindicato dos Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares.

Segundo Jaqueline, o grupo de Food Trucks decidiu por pegar a Lei dos Ambulantes, fazer as emendas que eles considerem necessárias dentro desta lei, e entregar na Câmara de Vereadores.

“Tirar a gente da Getúlio Vargas não é regularização”, reforça.

Números

A legislação em vigor para esse tipo de empreendimento é a lei municipal de 2006 que regulamenta o comércio ambulante.

Segundo dados da Prefeitura de Chapecó, hoje a cidade tem 101 ambulantes cadastrados, e estima que em torno de 45% destes se enquadrariam como food trucks. E são cerca de 90 pedidos para novos pontos, destes em torno de 65 são considerados food trucks.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Prazo para alistamento militar encerra nesta sexta-feira
50 anos dedicados à arte da alfaiataria
Mais de 300 pessoas participam do 1º Arraiá do Ruah em Chapecó
Unochapecó está entre as melhores universidades do país
Alunos da Escola Cyro Sosnosky criam nova modalidade esportiva
Obras do Contorno Viário concentradas no acesso a Xavantina
Vigilância Epidemiológica descarta surto de meningite em SC
Etapa de Chapecó classifica mais 16 conjuntos à final do Freio de Ouro
Lista do vestibular da Udesc sai nesta segunda-feira
Policiais do SaerFron fazem treinamento de resgate com rapel