Colaboradores da BRF aprovam suspensão de contratos em Chapecó

Centenas de funcionários da unidade de Chapecó participaram da assembleia promovida pelo Sitracarnes na tarde desta terça-feira (10). Suspensão começa a valer após as férias coletivas

- Publicidade -
 

Centenas de colaboradores participaram da Assembleia convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Indústrias de Carnes e Derivados (Sitracarnes) de Chapecó para discutir a suspensão dos contratos de trabalho de cerca de 1,4 mil trabalhadores do setor de frangos da unidade de Chapecó. A assembleia foi realizada na tarde desta terça-feira (10) no Salão Comunitário da Vila Mantelli.

A suspensão, chamada Lay-Off, foi aprovada e passa a valer assim que terminarem as férias coletivas que iniciam dia 30 deste mês.

Conforme o Sitracarnes, após apresentar uma contraproposta negociada pelo Sindicato, os trabalhadores presentes aprovaram a suspensão dos contratos. “Diante da aprovação da categoria, o Sitracarnes assinará o Acordo Coletivo de Trabalho com a BRF”, informou o Sitracarnes.

 

Férias coletivas

No dia 30 deste mês, começa o período de férias coletivas para os trabalhadores do setor de frangos que segue até o dia 28 de agosto. No dia 29 começará a valer a suspensão dos contratos por até cinco meses.


Auxílio

Durante o período do Lay-off, os trabalhadores vão receber um auxílio equivalente a 80% do seu salário, pagos pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). “E perderão benefícios como vale alimentação, auxílio creche, FGTS e INSS (os tempo de suspensão de contratos não conta para a aposentadoria)”, informou o sindicato.

Curso de capacitação

Entre outros itens estipulados na proposta, está a obrigatoriedade do colaborador participar de cursos de formação, com no mínimo 75% de frequência. Os colaboradores que já são aposentados ou que ainda não completaram 12 meses de atividade na empresa, a BRF pagará o valor equivalente a bolsa do FAT.

 Confira o que foi negociado entre BRF e Sitracarnes

 •             Vale alimentação: um kit de produtos da BRF no valor de R$ 60,00 mensal; e R$ 50,00 no cartão do vale alimentação, durante a vigência da suspensão dos contratos;

•             R$ 40,00 de ajuda de custos, sem natureza salarial;

•             Em caso de demissão após três meses do fim da suspensão dos contratos, a empresa pagará multa adicional de 100% do salário nominal, além da multa rescisória normal;

•             Vale transporte gratuito durante a suspensão dos contratos;

•             Os trabalhadores abrangidos pela suspensão do contrato devem participar do curso de formação. Se faltar sem justificativa pode perder o salário;

•             O curso acontecerá em dias consecutivos;

•             Os aposentados que estiverem na suspensão de contratos receberão pela empresa o mesmo valor da bolsa do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador);

•             Para o trabalhador que não tem doze meses de empresa a BRF pagará o valor da bolsa do FAT;

•             Manutenção do plano de saúde;

•             A empresa repassou ao sindicato o nome de todos os trabalhadores envolvidos na suspensão dos contratos.

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

206 vagas disponíveis no Balcão Municipal de Empregos de Chapecó
Como parcelar as férias? Tire essa e outras dúvidas sobre o tema
63% dos microempreendedores apostam no Natal para aumentar as vendas
Mercoagro começa nesta segunda-feira, em Chapecó, com prêmio Carne Forte
Santa Catarina amplia exportação de carnes no mercado internacional
Brasil exporta 396,9 mil toneladas de carne de frango em agosto
Número de novas empresas no primeiro semestre é o maior desde 2010
Um brinde ao vinho produzido no Oeste
Alunos inovam com aulas de empreendedorismo nas escolas de Concórdia
7 atitudes que ajudam a conquistar uma promoção no trabalho