Idosa de 107 anos e moradora de Chapecó revela os segredos da longevidade

Considerada a mulher mais velha de Chapecó, Placedina dos Santos Padilha também recomenda dançar bastante, ter fé em Deus e comer caldinho de feijão

- Publicidade -
 

Nadia Michaltchuk

nadia@diariodoiguacu.com.br


Sentada em uma poltrona reclinável, dona Placedina me aguardava no quintal da casa onde vive. Ao me aproximar da centenária, estendi a mão para que ela apertasse. Sorrindo, puxou-me para perto, envolveu-me sob seus pequeninos braços e beijou a minha bochecha com seus lábios enrugados. – Qual o seu nome?  Me chamo Nadia, dona Placedina! Desconfiada, a cuidadora interveio – Por que a senhora quer saber o nome dela, dona Pláceda?  Porque eu quero orar por ela.

 

Aos 107 anos de idade, Placedina dos Santos Padilha, ou Pláceda, como gosta de ser chamada, esbanja saúde e bom humor. Natural de Chapecó, a idosa mora no loteamento Thiago, no bairro Efapi.


Desde 2010, é cuidada por Elza da Fonseca Bueno, de 49 anos. A anciã também divide a casa com o marido de Elza, Setembrino Ferreira de Castro, outros três idosos e três cães de estimação.   

 

Dona Placedina não costuma receber visitas. Já não tão lúcida, recorda ter perdido o marido há muitos anos. Questionada em relação aos atuais namorados, a idosa respondeu de forma bem humorada que não gosta de homem. Ela conta que não teve filhos, pois não podia engravidar.


Já sem nenhuma família biológica, é extremamente apegada em Deus. “Meus únicos amigos são Deus e a Elza. Eu tenho muito respeito por ela”, diz, enquanto Elza busca o chimarrão.

 

Ao longo da entrevista, dona Placedina segurou a minha mão em diversos momentos. Entre uma cuia de chimarrão e outra, estendeu seus curtos dedos sob a minha cabeça e começou a rezar. “Ela é muito devota, faz pelo menos três orações por dia: quando acorda, antes de almoçar e ao dormir”, conta a cuidadora.

 

Seus 54 quilos distribuídos 1,53 m de pura meiguice não carregam anéis, colares ou outras jóias. Suas principais bagagens são as marcas de uma mulher que trabalhou na roça durante muitos anos.

 

Cuidados especiais


O silêncio do rádio não é motivo para dona Placedina deixar de dançar. Elza conta que toda a vez que recebe visita, a idosa fica tão contente que não consegue conter o quadril e, mesmo sem música, começa a dançar. Recentemente, porém, um acidente doméstico lesionou sua perna direita.


“Há dez dias recebemos a visita do meu cunhado. Ela ficou tão animada que caiu enquanto dançava”, conta a cuidadora. Apesar disso, a idosa se recupera bem.   

 

A casa de Elza tem muitos cômodos. Cada integrante da família possui um quarto. Para evitar quedas, o local de repouso de dona Placedina é equipado com grades nas laterais da cama. Além disso, a cuidadora dorme em um colchão na sala. Assim, se algum idoso acordar no meio da noite, ela levanta para atender suas necessidades.

 

Entre as características da centenária, destaca-se a independência. Dona Placedina é muito ativa. Ainda que não tenha dentes, a idosa se alimenta sozinha e, se precisar, até ajuda a secar a louça. Apesar de reclamar, passou a utilizar fraldas descartáveis após o acidente doméstico. Antes disso, ela usava o banheiro sem a ajuda de terceiros.

 

Amor às crianças e aos animais


Antes de ser resgatada, dona Placedina vivia sozinha em um casebre de madeira, no bairro Saic. Lá, seus únicos companheiros eram os cães. Até hoje a idosa lamenta a falta deles. Elza diz que dona Placedina demorou a se adaptar sem os antigos animais.


“Ela chorou por dias, não queria tomar banho e era teimosa”, lembra. Com o passar dos anos, a idosa adotou os animais de Elza e passou a amá-los tanto quanto os antigos. Alimentar os animais fazia parte das tarefas destinadas à dona Placedina antes do acidente doméstico.

 

Além dos bichinhos, dona Placedina é muito apegada aos netos de Elza. Um de seus passa-tempos prediletos é assistir desenho com as crianças. “Felicidade pra mim é viver junto aos animais e às crianças”, revela.

 

Segredos da longevidade


Alimentação saudável, prática de exercícios físicos e qualidade de vida têm contribuído com o aumento da expectativa de vida no Brasil. Em Chapecó, a estimativa de vida para homens era de 67 anos em 1997 e para mulheres era de 74,6 anos.


Atualmente, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), as mulheres vivem em média 7,2 anos a mais que os homens, com uma expectativa de 78,8 anos, contra 71,6 anos para eles.

 

Para dona Placedina, o segredo da longevidade é tão simples quanto ela: evitar fofocas, dançar bastante e não dispensar um delicioso caldinho de feijão. Além disso, a idosa cita como fonte de longevidade, o trabalho duro e a fé em Deus. “Se você quiser viver bastante, não faça fofocas. Faça o bem e seja feliz”, aconselhou.

 

Abrigo Domiciliar


Chapecó possui 209.553 habitantes, conforme apontam dados do IBGE. A estimativa é de que até 2020, 15% da população seja idosa. O município possui apenas um asilo. O Centro de Convivência do Idoso tem capacidade para somente 18 internos. De acordo com a auxiliar Sirlei Bonomo, atualmente 17 quartos estão ocupados.

 

Para atender aos demais, a Fundação de Ação Social de Chapecó (FASC) desenvolve um projeto chamado Abrigo Domiciliar. O programa beneficia 30 idosos do município. Entre eles a dona Placedina e a dona Catarina. O trabalho passou a ser realizado a partir de 2010, após a aprovação da lei municipal 5.630, de 2009.

 

O Abrigo Domiciliar é aplicado através de uma família acolhedora. Os interessados devem se cadastrar na FASC, localizada no bairro Saic.


Em seguida é realizada uma entrevista. Se aprovado, o idoso é encaminhado à família selecionada. O processo é semanalmente acompanhado psicólogos e assistentes sociais. “Uma vez por ano eu recebo a visita de um promotor de justiça para fiscalizar as condições dos idosos”, conta Elza.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Escola ensina os numerais de forma divertida em Chapecó
Caixa antecipa pagamento da 3ª fase do calendário das cotas do PIS
PM de Chapecó procura dono de teclado suspeito de ser objeto de furto
Equipe de robótica de Chapecó disputa torneio no Maranhão
Homem fica gravemente ferido ao ser atropelado em Iraceminha
PM de Chapecó recebe viatura nova
Idosa com AVC hemorrágico é transferida para Chapecó
15 mil pessoas são esperadas para o Natal Luzes, em São Domingos
Motociclista atropela cachorro na BR-282 em Chapecó
Rede Quero-Quero traz grupo Os Serranos a Chapecó