Justiça autoriza afastamento de secretário que teria feito campanha em serviço

Ilco Franken, titular da pasta da Saúde de Cunhataí, nega as acusações e diz que vai se manifestar no processo

A pedido do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), a Justiça determinou o afastamento de Ilco Franken, Secretário de Saúde de Cunhataí. A decisão liminar também proíbe que Franken seja nomeado para qualquer outro cargo de direção no Município. Para o MPSC, o secretário teria utilizado o cargo público para fazer campanha na Unidade Municipal de Saúde.

A ação foi ajuizada pela Promotoria de Justiça da Comarca de São Carlos e de acordo com a Promotora de Justiça Silvana do Prado Brouwers, o secretário teria abusado da função pública exerce, na semana anterior ao primeiro turno das eleições deste ano, em horário de expediente interno e externo, ao supostamente fazer propaganda política partidária nas dependências da Unidade de Saúde Municipal.

Segundo apurou a Promotora de Justiça, Franken distribuiu santinhos e fez pedidos verbais de voto a servidores e pacientes. Ressalta, também, que o Secretário ainda constrangia e assediava moralmente os servidores de sua pasta, mediante a utilização de palavras injuriosas para desqualificar quem se manifestava contrário às candidaturas que ele apoiava.

Para o Ministério Público, se comprovados os atos do Secretário configuram improbidade eleitoral. A promotora destaca ainda, que, os fatos foram levados ao conhecimento do Prefeito de Cunhataí, que se limitou a afastar de Ilco a responsabilidade pela remuneração e pelo controle da jornada de trabalho dos servidores da saúde, repassando a atribuição ao setor de recursos humanos, sem, contudo, adotar quaisquer medidas administrativas correlatas.

Últimas notícias

Contraponto

O Diário do Iguaçu entrou em contato com o secretário Ilco Frankem que disse não ser sido citado da decisão da Justiça. Afirmou ainda que a Justiça teria decidido afasta-lo do cargo sem ter sido ouvido em audiência, que estava marcada para o final do dia desta quinta-feira (8).

Garantiu que não cometeu crimes durante o período eleitoral e utilizou ditado popular para explicar o momento que está vivendo. “Ninguém atira pedras em árvore que não da frutos”.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Alesc discute reforma administrativa
MDB de Santa Catarina define convenção estadual
Ex-prefeito de Dionísio Cerqueira tem bens bloqueados
Governo federal garante R$10 milhões para início das obras da Macroadutora do Rio Chapecozinho
Vereadores querem que Fidelis renuncie à presidência
MP investiga se deputada usou diárias para promover livro
Antonini diz que nada muda na Câmara por enquanto
Fidelis pode perder presidência se não reassumir o cargo
João Rodrigues tem diplomação negada pelo TRE/SC
Acaert, ACI, SJSC e Fenaj denunciam Ana Campagnolo por quebra de decoro parlamentar