Médico é condenado por cobrar para atender pelo SUS em Chapecó

Decisão judicial em ação penal do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) é do dia 9 de janeiro de 2019

O médico neurocirurgião Cleiton Piekala foi condenado a dois anos e quatro meses de prisão - pena substituída por serviços à comunidade e ao pagamento de 10 salários mínimos a uma entidade público com destinação social - por concussão e por crime continuado. Segundo denúncia do Ministério público, ele cobrava para realizar cirurgias pelo SUS, em Chapecó.

A decisão judicial em ação penal do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), de 9 de janeiro de 2019, determinou ainda que Piekala pagasse multa e reparasse danos causados às vítimas - R$ 3 mil para uma e R$ 5 mil para outra. O Promotor de Justiça Eduardo Sens dos Santos já recorreu da decisão requerendo o aumento das penas.

A redação do Diário do Iguaçu entrou em contato e o advogado de defesa do médico, Fábio Detoni, informou que eles já recorreram da decisão.

>>> Leia as últimas notícias de Chapecó e região

Na ação penal, o Ministério Público apresentou ao Judiciário que Piekala, se aproveitava da situação de vulnerabilidade das vítimas e de médico do Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, para exigir de pacientes dinheiro para furar a fila do SUS. Conforme o promotor, em depoimentos de duas vítimas e auditoria do próprio Hospital Regional detalharam a forma utilizada pelo médico para burlar o sistema.

Como ele fazia

Conforme denúncia entregue à justiça, o médico fazia o atendimento em seu consultório particular e cobrava do paciente - em um caso recebeu R$ 3 mil e em outro R$ 5 mil - para fazer o procedimento pelo SUS no HRO, onde trabalhava.

"Há uma "porta de entrada" ao sistema, que deve ser respeitada por todos, e que serve para dar concretude aos princípios do SUS. Não é justo que alguns pacientes utilizem outras entradas para acelerar seu tratamento enquanto atrasam o de outros pacientes. 100% público ou 100% privado: essas são as opções. Se o atendimento iniciou em um dos sistemas, deve manter-se nele, sob pena de ruptura de toda a estrutura", explica o promotor Eduardo Sens.

Sobre o SUS

O Sistema Único de Saúde (SUS) tem como princípios básicos a universalidade de acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência; a integralidade de assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema; e a igualdade sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie.

Atraso maior na fila

Na decisão, a Juíza Letícia Bodanese Rodegheri afirma que o delito denunciado está caracterizado e que além de ter recebido valores indevidos, o réu provocava um atraso maior na fila do SUS. "Os novos pacientes, que entravam pelo ambulatório do Hospital Regional do Oeste, desistiam de aguardar a realização de cirurgia gratuita e procuravam a rede privada para acelerar o processo", escreveu a Juíza.

No recurso para aumentar as penas, o Promotor de Justiça requer a majoração das penas de multa para o valor de R$ 78 mil, considerando o patrimônio do réu.



1 COMENTÁRIO(S)

  1. Tem ortopedista fazendo a mesma coisa , eu também fui atendida no consultório ,paguei as consultas e aguardo até hoje a cirurgia , que ele iria fazer pelo SUS e não fez o encaminhamento , me atendeu três anos e não fez a cirurgia e não estava mais no SUS ...

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Motociclista fica ferido após acidente em Chapecó
PRF apreende 7,5 mil maços de cigarro contrabandeado em Cunha Porã
Mais de 2,8 mil unidades sem luz em Chapecó
Alunos que tiveram a isenção no Enem negada podem entrar com recurso
Casa é destruída por incêndio em Dionísio Cerqueira
Delegacia Virtual registra mais de 180 mil ocorrências em 2018 em SC
Avianca cancela voos a partir desta terça-feira (23) em Chapecó
Mulher é atropelada no interior de Xanxerê
Frente fria muda o tempo a partir desta segunda-feira em Santa Catarina
Pai e filho ficam feridos em acidente em Concórdia