MPF mantém pedido de condenação de Cleidenara Weirich, Paulo Utzig e mais quatro

Segundo a promotoria, os seis réus devem devolter R$1,4 milhão aos cofres públicos

- Publicidade -
 

Audrey Piccini

politica@diariodoiguacu.com.br

Depois de mais de sete meses da primeira operação da Manobra de Osler, em novembro de 2016, o processo se aproxima da sentença da juíza Priscilla Wickert Piva, da 1ª Vara da Justiça Federal de Chapecó. Na noite de ontem (10), o Ministério Público Federal (MPF) protocolou as Alegações Finais onde sustenta o pedido inicial de condenação dos envolvidos no caso e a restituição solidária de R$1.472.810,00 com correção de juros e atualização monetária.

São réus no processo a ex-secretária de Saúde e vereadora afastada, Cleidenara Weirich, o marido e empresário Josemar Weirich, ex-diretor do CIS-Amosc Paulo Utzig, o médico Carlos Machado, a ex-coordenadora do CIS-Amosc Geísa Muler de Oliveira e a ex-funcionária da secretaria de Saúde Gilvana Schneider.

Crimes

O Ministério Público reafirma que Cleidenara Weirich, Paulo Utzig e Geísa Muller de Oliveira cometeram aos crimes de Formação de Quadrilha, Peculato e crimes da Lei de Licitações; Gilvana Schneider foi arrolada como Formação de Quadrilha e Peculato; Josemar Weirich e Carlos Machado nos crimes de Formação de Quadrilha, Falsidade Ideológica, Peculato e crime da Leis de Licitação.

O MPF tem convicção de que os seis réus formavam uma quadrilha para desviar recursos públicos. “O esquema criminoso arquitetado pelos denunciados Cleidenara, Josemar, Carlos Machado, Gilvana, Paulo e Geísa teve por objetivo desviar recursos públicos do Sistema Único de Saúde, repassados pela Secretaria Municipal de Saúde de Chapecó à Clínica de Ortopedia e Medicina Hiperbárica Dr. Machado S/S, por intermédio do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste de Santa Catarina (CIS-AMOSC), tendo como beneficiários dos valores a ex-secretária municipal de saúde de Chapecó Cleidenara, seu marido Josemar e o sócio da clínica Carlos Machado”, afirma nas Alegações Finais.

Prazos

Na terça-feira (11) os advogados de defesa foram notificados para apresentar as suas Alegações Finais. O prazo é o mesmo que o MPF teve, são dez dias para que a certificação do prazo seja realizada, com mais cinco dias para apresentação das alegações. São 15 dias para que sejam protocolados os documentos junto a Justiça Federal.

A Sentença, que será proferida pela juíza Priscilla Wickert Piva, será anunciada depois que a defesa se manifestar nas alegações finais. A magistrada terá até 60 dias para estudar todo o processo e formar decisão com relação a todas as provas, tanto de acusação quanto de defesa, que foram anexadas ao processo.

 

MPF afirma que tudo estava interligado

O Ministério Público Federal afirma que os seis réus agiam em conjunto e define, nos pontos abaixo, como a suposta organização criminosa funcionava.

1 – A Clínica Hiperbárica foi criada por Josemar e o médico Carlos Machado, mas formalmente figuram como sócios apenas Carlos Machado e seu filho, em período imediatamente anterior à posse de Cleidenara no cargo de secretária municipal de saúde de Chapecó;

2 – O prédio onde estava sediada a Clínica Hiperbárica é de propriedade da família de Josemar e Cleidenara, e a câmara hiperbárica e os equipamentos utilizados para o funcionamento da Clínica Hiperbárica foram adquiridos por Josemar através de sua empresa Santa Sul Comércio e Importação de Equipamentos Médicos e Hospitalares Ltda (da qual Cleidenara foi sócia até 2011), mas, a fim de dissimular o vínculo existente entre, de um lado, Cleidenara e Josemar e, de outro, Carlos Machado, foram criados supostos contratos de aluguel do prédio e dos equipamentos, com pretensos pagamentos mensais por Carlos Machado;

3 – A Secretaria Municipal de Saúde de Chapecó não contratou diretamente a Clínica Hiperbárica, por meio de imprescindível processo de licitação ou de dispensa/inexigibilidade, mas sim por intermédio do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste de Santa Catarina (CIS-Amosc), entidade de caráter público, da qual Paulo e Geísa eram os administradores, e que apresentava clara blindagem em relação à fiscalização pelos órgãos de Controle – nesse sentido: não tem havido qualquer fiscalização pelos Tribunais de Contas ou pela Controladoria Geral da União (CGU);

4 – A Clínica Hiperbárica efetuou os serviços de oxigenoterapia como um prestador credenciado ao CIS-Amosc, funcionando este como um “intermediário” de pagamentos de serviços de média e alta complexidade, pelos quais a Prefeitura de Chapecó paga mensalmente uma cota global, não individualizada, de valores ao consórcio;

5 – Criou-se uma demanda até então inexistente para esse tipo de tratamento e a Secretaria Municipal de Saúde de Chapecó passou a contratar quantidades elevadas de serviço de oxigenoterapia logo após a Clínica Hiperbárica ter sido credenciada no CIS-Amosc (com o correspondente aumento de repasses àquele Consórcio), diminuindo a contratação logo depois do surgimento de denúncias de irregularidades perante o Conselho Municipal de Saúde, até interrompê-la totalmente;

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Prefeitura apresenta R$ 10 milhões em obras
TRE-SC firma parceria para cobertura das eleições 2018
Alesc homenageia o Celeiro Supermercados
Alesc debate contorno viário sul de Pinhalzinho
Roberto Amaral quer disputar cadeira na Alesc em 2018
TSE lança canal no Twitter para tirar dúvidas do eleitor
Feijoada do PSD reúne filiados em Xanxerê
João Amin quer regulamentar produção de queijo
Está em dúvida se precisa fazer a revisão do eleitorado?
Mesmo com recusa, internautas pedem Prates ao Senado