Novidade da Chape, Renato fala sobre a negociação. Família pesou na escolha

Jogador diz que havia possibilidade de ir para o exterior

Um dos quatro novos jogadores da Chapecoense para 2019 tem a polivalência como virtude. Apresentado oficialmente na tarde desta terça-feira (8) como reforço do Verdão, Renato pode atuar como lateral direito, meia e atacante.

O jogador de 28 anos também tem faro de gol. Em 2018, ele marcou 12 gols na Série B do futebol brasileiro e foi o artilheiro do Avaí na campanha do acesso à Série A. Renato firmou contrato de dois anos com o clube do Oeste catarinense.

O alagoano de Maceió começou a carreira profissional no Corinthians de Alagoas, em 2009. Também defendeu o São Luiz (AL), Sport, ABC, Fluminense e Ceará. Em entrevista coletiva na Arena Condá, o atleta comentou sobre a chegada à Chape e as expectativas para a temporada.

Além de Renato, as novidades da equipe verde-branca para este ano são o goleiro João Ricardo, o zagueiro Joílson e o atacante Aylon. A Chapecoense estreia no Campeonato Catarinense no dia 17 de janeiro contra o Marcílio Dias, às 21h, em Chapecó.

POLIVALÊNCIA

"Prefiro atuar na parte da frente. Atuei bastante nessa posição com o Claudinei (Oliveira, atual técnico da Chapecoense, no Avaí), mas também já ajudei bastante no meio, de volante, e acho que onde ele precisar tenho que estar preparado para ajudar da melhor forma possível. Tenho característica de voltar e buscar jogo. Consigo encarar meus adversários de frente e isso é melhor pra mim".

NEGOCIAÇÃO

“Durante a Série B, eu tive a oportunidade de assinar pré-contrato com outros clubes, mas, por respeito ao clube em que eu estava atuando, o Avaí, optei por dar prioridade a eles. Só que no decorrer das férias não houve acordo e dei prioridade a jogar fora. Acho que não só eu, mas todos os jogadores têm esse sonho de jogar fora do país. O Claudinei me ligou, falou do interesse da Chape e eu falei a ele o que estava acontecendo, das especulações de fora. Ele pediu o nome do meu agente e eu dei. Fiquei surpreso com o interesse da Chapecoense e feliz também. Acabamos acertando aqui por conta da minha família, tenho filha pequena, então achamos melhor vir pra cá. Essa decisão pra mim foi fundamental”.

ADAPTAÇÃO

"Acertei na escolha. A cidade é muito boa, fui muito bem acolhido aqui. Fico feliz com a recepção de meus companheiros, vi que realmente aqui é uma família, a Chapecoense é uma família. Então, estou muito feliz. Espero dar o meu melhor e ajudar a Chapecoense da melhor maneira possível. Não só no Avaí, mas em outros clubes tinha informações boas da Chape. Já trabalhei com jogadores que hoje estão no clube em outros times e acho que isso também foi fundamental para a minha escolha".

AVAÍ EM 2018

“Sem dúvida, foi uma das minhas melhores temporadas. Fui feliz em mais uma vez ter conseguido junto aos meus companheiros o objetivo do clube, que era o acesso. Agora o Avaí já passou, tenho meus objetivos pessoais, e junto com o grupo, agora na Chapecoense, espero da melhor maneira possível conseguir esses objetivos e dar seguimento aqui na Chape”.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Reservas da Chape levam duas bolas na trave e ficam no empate com o Metrô fora
Calendário cheio para o futebol feminino da Chapecoense
Começa o rodízio na Chapecoense. Reservas encaram o Metropolitano
Luciano Gusso valoriza entrega da Chape e projeta evolução da equipe
Avaí larga na liderança do Catarinense. Chape e Figueira dividem o 2º lugar
Wellington Paulista salva a Chapecoense! Vitória na estreia: 1 a 0
Nenén pendura chuteiras, vai trabalhar na base da Chape e terá jogo de despedida
Missão da Chape no Catarinense: buscar neste ano o que perdeu em 2018
Dois empates abrem o Catarinense. Primeira rodada termina nesta quinta
Rodízio de time, estreia, objetivo, contratações. Confira o que diz o técnico da Chape