O retrato do câncer no Brasil em 30 anos

Neste estudo do Observatório de Oncologia, a projeção de mortalidade foi realizada ao longo do tempo entre os anos de 2000 e 2047

A partir de 2029, haverá mais brasileiros, entre homens, mulheres e crianças, que morrerão com algum tipo de câncer.

Desde 1975 até hoje, quando o Ministério da Saúde desenvolveu e implantou o Sistema de Informações sobre Mortalidade - conhecido como SIM -, as doenças do aparelho circulatório são a principal causa de óbitos no Brasil. 

>> Leia mais reportagens no DI Saúde <<

A taxa de mortalidade estima o risco de morte pela doença ou grupo de doenças. Dimensiona também a sua magnitude como problema de saúde pública, especificamente para os casos mais graves.

Expressa ainda as condições de diagnóstico e da assistência médica. A mudança no processo saúde-doença propicia ao Brasil um período de transição epidemiológica com predomínio das doenças crônicas não transmissíveis, dentre elas o câncer.

A melhor forma para mensurar o peso de uma causa de morte não é conferida pelo estudo de suas características nos indivíduos, mas sim quanto ao processo que ocorre na coletividade humana.

Este estudo comprova que a história, a cultura e os hábitos de vida explicam como um povo adoece e morre. Todos os dias estamos expostos a fatores de risco como alimentação inadequada, inatividade física, sobrepeso, tabagismo, uso excessivo de drogas e fatores externos ao nosso corpo como violência, acidentes, problemas ambientais e desigualdades sociais.

Neste estudo do Observatório de Oncologia, a projeção de mortalidade foi realizada ao longo do tempo entre os anos de 2000 e 2047. Assim, a pergunta que desafia a todos os cidadãos brasileiros é: daqui a 30 anos teremos vencido a guerra contra o câncer?

"As estimativas alertam que, em 2047, nos estados do Amapá, Ceará, Maranhão, Goiás, Paraíba, Rio Grande do Norte, Roraima, Sergipe e Tocantins, as principais causas de morte serão oriundas das causas externas, como acidentes, suicídios, agressões, complicações médicas", destaca o pesquisador do Observatório de Oncologia, Tiago Cepas Lobo.

Nos estados de Goiás, Roraima e Tocantins, o câncer será a segunda maior causa de morte 

Em Alagoas e Mato Grosso do Sul, as doenças do aparelho circulatório seguem como principal causa de morte em 2047. Entretanto, no segundo estado, as neoplasias seguem como a segunda maior causa de morte.

No Paraná, o câncer será a principal causa de morte em 2030, porém as doenças do sistema nervoso ultrapassarão esse índice para se tornar a primeira causa de morte em 2044. Em 2031, o câncer se tornará a maior causa de morte em Minas Gerais. Mas, em 2044, as doenças do aparelho geniturinário se tornarão a primeira causa de morte neste estado.

De acordo com as estimativas, se não houver medidas efetivas na prevenção e controle do câncer, os seguintes estados enfrentarão as neoplasias como principal causa de morte: Acre (2028), Amazonas (2047), Espírito Santo (2042), Mato Grosso (2044), Rio Grande do Sul (2029), Rondônia (2046), Santa Catarina (2025) e São Paulo (2041).

Observatório de Oncologia

O Observatório de Oncologia, iniciativa do Movimento Todos Juntos Contra o Câncer, é uma plataforma online e dinâmica de monitoramento de dados abertos e compartilhamento de informações relevantes da área de oncologia do Brasil 

As principais bases de dados são do Ministério da Saúde, do Instituto Nacional do Câncer (INCA) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São utilizadas informações sobre incidência de câncer, atendimentos ambulatoriais, internações hospitalares e mortalidade.

Os dados apresentados abrangem dimensões demográfica, epidemiológica, de assistência à saúde, de rede assistencial, entre outras.

SAIBA MAIS http://observatoriodeoncologia.com br


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Você sabe o que causa as dores nos ombros?
Exercícios ajudam na prevenção do câncer de próstata
Mais de 20 milhões de brasileiros sofrem com pedra na vesícula
Você segura na esteira quando corre ou caminha?
Dietas para o verão podem trazer riscos à saúde
Uma a cada dez brasileiras tem endometriose
Conheça os direitos do homem portador do câncer de próstata
Quando a ansiedade vira um problema para as empresas
Você já ouviu falar em Tristeza Materna? Conheça os sintomas
Aplicativos lembram você de tomar água