Saiba como evitar lesões nos quadris

Problema afeta muitos adultos que praticam esportes amadores e profissionais e chega a atingir esportistas infantis

Os quadris têm como função sustentar todo o peso do corpo e possuem grande capacidade de carga, mas mesmo assim, podem sofrer lesões. O problema afeta muitos adultos que praticam esportes amadores e profissionais e chega a atingir esportistas infantis.

>> Últimas notícias <<

“Esta situação ocorre porque as pessoas estão buscando mais qualidade de vida e, com isso, praticam mais esporte”, destaca o médico ortopedista e traumatologista de Chapecó (SC), Joaquim Reichmann. 

Conforme Reichmann quanto mais os quadris forem forçados, maior será a chance de sofrer uma lesão. Por isso, é fundamental que a musculatura da pessoa que inicia a prática de determinado esporte ou que aumenta a intensidade da modalidade praticada esteja fortalecida. Também é importante a orientação de um profissional de educação física, pois em caso de dores ou desconforto, a recomendação é parar a atividade imediatamente e fazer repouso.

“Se a dor persistir por mais de uma semana, deve-se procurar um especialista para que o problema seja diagnosticado e tratado de forma adequada. A dor pode ser consequência de lesões musculares, tendíneas ou de problemas mais graves, como o impacto fêmero-acetabular (IFA) – contato anormal da cabeça do fêmur (osso da coxa) com o acetábulo (osso da bacia)”, explica o médico.

O IFA acontece em pessoas que praticam esportes de alta performance, que incluem movimentos repetitivos, como por exemplo, as lutas, futebol, tênis, atletismo, entre outros. Quando não tratado, pode causar a osteoartrose do quadril, que ocorre com a degeneração da cartilagem, tendo como consequência fortes dores que comprometem a qualidade de vida.

Estas dores costumam ser profundas no quadril ou virilha e, geralmente, pioram quando o paciente permanece muito tempo sentado ou ao realizar movimentos como flexão e rotação do quadril. “Quando a doença não melhora com métodos conservadores, é tratada com a substituição da articulação por uma prótese”, realça Reichmann.

O médico salienta, ainda, que o tratamento inicial não deve ser cirúrgico. A orientação é medicação, fisioterapia com analgesia e, se necessário, reeducação no esporte para evitar os movimentos que forçam a articulação. Se a dor persistir, recomenda-se a intervenção cirúrgica, que pode ser feita por meio da Artroscopia.

“Com pequenas incisões e o auxílio de uma câmera, tratamos todas as lesões existentes, retirando as possíveis saliências ósseas. Dessa forma, o procedimento, além de tratar as lesões, retira o fator de risco, prevenindo novos problemas de cartilagem”, finaliza Reichmann.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Insônia na infância pode ser sintoma de TDAH
Saiba como evitar lesões nos quadris
Sesi e Simec realizam campanha de vacinação contra a gripe
Hormônio do crescimento atua para evitar perda de peso, diz pesquisa
Hormônio do crescimento atua para evitar perda de peso, diz pesquisa
Mãe de Xanxerê vira sensação na web ao comemorar parto normal
Procura por exames de DSTs pode aumentar até 20% após o Carnaval
7 dicas para estimular a independência das crianças
Saúde lança campanha para conter avanço do HIV entre homens jovens
OMS enumera dez principais ameaças à saúde em 2019