Seu filho tem problemas respiratórios?

Pediatra dá algumas dicas especiais para driblar os sintomas em épocas de baixa umidade relativa do ar

Muitas cidades brasileiras sofrem com a baixa umidade relativa do ar, e isso afeta principalmente pessoas com problemas respiratórios.
 
Em Brasília, por exemplo, já chegou a registrar 10% de humidade do ar, quando o nível aceitável é de 30% segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Para piorar, quem tende a sofrer ainda mais com o problema são as crianças.

>> Últimas notícias

Mesmo com todo o sofrimento, algumas dicas básicas podem aliviar os sintomas. Segundo Priscilla Moraes, pediatra e alergista do Docway, apesar de muitos pais usarem umidificadores de ar para ajudar nessa tarefa, ele nem sempre é eficaz.

“Se usado corretamente, ajuda. Caso contrário, piora. A umidade do ambiente, quando excessiva, aumenta a proliferação de fungos e ácaros”, explica. 

Esse tipo de aparelho requer alguns cuidados especiais para ter eficácia. A médica aconselha usá-lo por períodos curtos. “Ele não pode ficar ligado a noite inteira. Além disso, a umidade do ar deve se manter em no máximo 60% para evitar a proliferação de fungos e ácaros no ambiente. O fluxo do vapor deve estar sempre voltado para o lado oposto da cama da criança. A manutenção e higienização devem ser realizadas com frequência”, detalha a especialista. 

Outra opção caso os pais não tenham o umidificador do ar, é a utilização de uma tolha molhada no quarto dos pequenos. “O umidificador de ar pode ser substituído por uma toalha molhada ou por uma bacia com água próximas à cama”, explica.

Ainda segundo a pediatra, existem coisas simples que podem ser feitas para evitar complicações como manter o ambiente limpo, arejado e com boa exposição solar. 

Para completar, a Priscila Moraes sugere a higienização das narinas com soro fisiológico várias vezes ao dia. Além de limpar as vias respiratórias, o soro age como um fluidificante e descongestionante nasal.

“É bom evitar, também, contato direto das crianças com pessoas que estejam com alguma doença infecciosa respiratória e aglomeração de pessoas. E por último, mas não menos importante, mantenha a vacinação dos pequenos em dia, assim eles estarão protegidos e livres de complicações”, finaliza. 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Para uma boa saúde bucal invista em uma alimentação saudável
Conheça os efeitos do álcool na saúde sexual
Cuidados no verão podem evitar câncer de pele
Sábado é dia de prevenção contra o câncer de pele em Chapecó
Homens também podem desenvolver câncer de mama
Aprenda a identificar os tipos de fome e perca peso sem sacrifícios
Câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens
HPV: 25,47% dos meninos tomaram as duas doses da vacina em Chapecó
Benefícios do Treino Funcional para a saúde
Unimed Chapecó lança campanha de conscientização para o câncer