Camila Silveira
58 ARTIGOS
Compartilhe conosco o amor pelos bichinhos. Envie fotos, vídeos e histórias. Nos ajude a construir esse espaço, participe redacao@diariodoiguacu.com.br ou pelo whatsApp (49) 99967-2258.

Os pets vão viajar também?

- Publicidade -
 

Focinho na janela e pelos ao vento! Férias! Devagar, não comece as férias com o pet desse jeito. Parece fofo, mas é sobretudo perigoso. Quando ficam com a carinha na janela do carro, os pets podem se assustar e, em algum momento, pular. E o vento forte até produz um certo charme, mas compromete a saúde do bichinho.

"Ao tomar fortes correntes de ar, o pet pode contrair inflamação no conduto auditivo e úlceras de córnea. É possível baixar um pouco os vidros ou ligar o ar-condicionado, mas expô-lo ao vento forte, definitivamente, não é recomendável", adverte a Gerente Técnica de Clínicas da Petz, a veterinária Karina Mussolino.

Prevenção

Durante o percurso da viagem, os animais, como os humanos, podem sentir enjoo. Não é indicado alimentar o bicho poucas horas antes do deslocamento nem durante o percurso.

"O movimento e os solavancos do carro repercutem nos canais internos da área responsável pelo equilíbrio dos animais, causando esse tipo de sintoma. Existem produtos, como os palitos, que garantem mais tranquilidade durante a viagem, mas sempre é importante procurar o veterinário e pedir algo para atenuar o sintoma. Vale lembrar que toda e qualquer medicação ministrada aos pets deve ter a orientação de um médico veterinário" alerta Mussolino.

Vão à praia?

"Ambiente litorâneo exige atenção especial com alguns tipos de parasitas como a leishmaniose, leptospirose e dirofilariose, conhecida como verme do coração. Coleiras repelentes ajudam a proteger o pet de picadas de mosquitos transmissores de doenças. É imprescindível garantir que o animal esteja com a vacinação em dia e vermifugado. Recomendo sempre um check-up básico antes de qualquer viagem", orienta o médico do Centro Veterinário Seres do Grupo Petz, Ítalo de Oliveira.

É preciso ficar atento também à temperatura do solo. O piso quente pode queimar as patas e causar ferimentos graves. O clima quente e seco é bastante nocivo para os cachorros de focinhos curtos e achatados. Mantenha água limpa e fresca à disposição do pet.

Gatos

Os gatos são mais sensíveis ao estresse quando saem do habitat de costume. Para evitar que a ideia do descanso e diversão se torne um problema, converse com um veterinário antes de colocar os pés e patas na estrada.


"Não é difícil em uma rotina clínica nos depararmos com um paciente obstruído ou com cistite desencadeada por um quadro de estresse. Problema que pode ser grave, exigindo internação e até mesmo intervenção cirúrgica. Por isso é importante entender o perfil do felino. Se ele é sociável ou não e se pode reagir mal à mudança de ambientes. O veterinário pode orientar condutas para evitar ou diminuir o risco de estresse", pondera o veterinário do Seres, Ítalo de Oliveira.

Viagem sem turbulência

O animal não pode viajar solto no carro nem no colo. O cinto de segurança é obrigatório para a família humana e também para a família pet. Sem ele, no caso de freada, pessoas e bichos são arremessados e podem se machucar. Animais pequenos devem ser transportados presos por fivelas ou em caixas.

Vale lembrar que o Código de Trânsito Brasileiro considera infração média dirigir com o pet à direita ou no colo e infração grave transportar animais na caçamba de carros abertos. A legislação também considera infração e prevê multa ao motorista que se "distrair" na direção por causa do transporte de pets.

DEIXE SEU COMENTÁRIO