Rodrigo Goulart
1614 ARTIGOS
Jornalista da editoria de esporte, Rodrigo aborda os lances da rodada e o que acontece no esporte do Estado. Visão crítica e apurada de quem entende do assunto.

Yann Rolim e Roberto devem ficar na Chapecoense. Confira notícias dos bastidores da bola

- Publicidade -
 

Fim de ano, competições terminando, momento em que os bastidores da bola fervilham. Na Chapecoense, a fotografia do time irá mudar drasticamente, por questão técnica e financeira. O clube do Oeste catarinense chega à última rodada do Brasileirão rebaixado e com aproveitamento inferior a 30%. Nem que tivesse caixa seria correto tentar manter uma base deste grupo, que levou o Verdão à Série B, né? O trabalho de montagem do elenco para 2020 está andando, mas, por enquanto, nada de definições. Levantamos algumas informações nesta sexta-feira (6). Confira:

- Em princípio, apenas Roberto e Yann Rolim (recupera-se de lesão no joelho), dos que têm contrato encerrando, devem permanecer. O departamento de futebol viu evolução no lateral na reta final da Série A. Quanto ao meia, o técnico Hemerson Maria acredita que poderá ser útil.

- O departamento de futebol listou cerca de 200 jogadores durante a temporada. Um deles é o atacante Moisés, 23 anos, do Concórdia, artilheiro da Segundona e da Copa Santa Catarina (neste, pelo Brusque). Já houve sondagem. Criciúma também entrou em contato com o Galo do Oeste.

- Alguns atletas que começam 2020 com contrato em vigor já disseram aos dirigentes que aceitam reduzir o salário para ficar na Arena Condá. Neste contexto, um que pode ficar é João Ricardo. O goleiro, 31 anos, é visto pela diretoria verde-branca como um líder no vestiário.

- Até por questão financeira, a direção terá que emprestar ou fazer acordos com jogadores que têm salários acima do novo patamar da Chapecoense. O meia argentino Diego Torres é um deles. Ponte Preta sondou. Times do Chile também, mas para lá, agora, não pretende retornar.

- O orçamento da Chape vai girar em torno de R$ 25 milhões. A folha mensal (jogadores e comissão técnica) deve ser de R$ 800 mil. Uma coletiva será realizada na próxima semana para mostrar o planejamento do futebol. Não haverá definições sobre montagem do grupo antes de terça.

- O grande problema do Verdão é se desfazer dos atletas com vínculos longos que não tem intenção de segurar e pagar os salários e direitos de imagem atrasados. Precisa dinheiro. Bruno Pacheco é sondado por vários times do Brasil e alguns do exterior. Venda ajudará no pagamento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO