Cezar da Luz
207 ARTIGOS
Cezar da Luz é gaúcho de São Gabriel, aquerenciado há 40 anos em Chapecó. Na imprensa é colunista do Diário do Iguaçu/Folha de Chapecó e há 16 anos apresenta o programa Chama Nativa na Rádio Super Condá Am 610. Também é pesquisador e palestrante da história e cultura gaúcha.

Confira as últimas notícias do Bate Casco

- Publicidade -
 

Está aí uma ótima iniciativa que pode ser copiada, adaptada e desenvolvida pelos CTGs da nossa região. O projeto é de Caxias do Sul (RS), iniciativa do amigo poeta e grande incentivador da cultura gaúcha Alberto Salles. Ele propõe aos tradicionalisas da sua cidade que contribuam produzindo vídeos para a Secretaria de Cultura. O objetivo é montar acervo de vídeos para ficar à disposição das escolas do município. Será um suporte de “palestras” durante a Semana Farroupilha. O tempo máximo do vídeo é de três minutos e meio. Os temas são história, causos, contos, Revolução Farroupilha, batalhas, mitos, lendas, símbolos, poetas e músicos. Com um celular podemos produzir excelentes vídeos. A expectativa de Salles é alcançar 400 gravações. Para minha satisfação recebi o convite para participação especial, gravando um trabalho.

DIA NACIONAL DO QUADRILHEIRO

Estamos em pleno mês de comemoração dos três santos católicos: Santo Antônio (13), São João (24) e São Pedro (29). As festas juninas expressam a força cultural que temos em nosso país. Além das fogueiras, as quadrilhas têm grande e importante papel na expressão cultural destes festejos. Esta importância foi reconhecida pela criação do Dia Nacional do Quadrilheiro Junino.

LEI: Mediante todo o envolvimento das quadrilhas juninas desenvolvidas pelas diversas regiões do Brasil a lei que institui o dia 27 de junho como o Dia Nacional do Quadrilheiro Junino (Lei 12.390/2011) foi sancionada em 2011. De acordo com a lei, é considerado quadrilheiro junino todo profissional que utiliza meio de expressão artística cantada, dançada ou falada transmitido por tradição popular nas festas juninas.

AÇÃO MULHER

Como é bom presenciar a qualificação dos projetos apresentados pelo Sicredi. Já havia presenciado uma iniciativa que revertia recursos a entidades beneficentes e sem fins lucrativos – inclusive para os CTGs. Desta feita, tomei conhecimento do Ação Mulher aplicado no Sicredi Região da Produção. Uma iniciativa focada no desenvolvimento do público feminino com abordagem no empreendedorismo feminino, educação financeira, comunicação e liderança.

DEIXE SEU COMENTÁRIO