Rodrigo Goulart
1484 ARTIGOS
Jornalista da editoria de esporte, Rodrigo aborda os lances da rodada e o que acontece no esporte do Estado. Visão crítica e apurada de quem entende do assunto.

Em time que está perdendo se mexe, Emerson Cris. Mudanças pra já na escalação da Chape

- Publicidade -
 

Se em time que está ganhando não se mexe, em time que está perdendo se mexe sim. A Chapecoense estará na Série B do futebol brasileiro em 2020 se continuar vivendo de jogos de exceção. Uma mudança radical na equipe precisa acontecer enquanto há tempo. Este é um dever do técnico Emerson Cris.

O primeiro passo é fortalecer o meio de campo, tanto defensiva quanto ofensivamente. Foram sete gols sofridos em duas partidas. O Verdão é o clube mais vazado da Série A nacional. Não basta mudar a dupla de zaga, embora esta seja uma decisão inadiável, e o goleiro – Tiepo ainda faz por merecer a titularidade –, se o sistema de proteção for deficiente.

Pediu-se tanto o 4-4-2 na Chape até que o esquema, enfim, fora adotado. A equipe verde-branca passou ilesa contra o Bahia, mas fez água diante de Grêmio e Ceará. Então, por que não experimentar o 4-5-1? Isso mesmo, 4-5-1. Priorizar a marcação.

Primeiro, reconhecer que não se pode pensar em ter uma estratégia ofensiva antes de acabar com a fragilidade atrás. Isso vale já para o jogo diante do Avaí, na Arena Condá, neste domingo (18), às 19h. Esqueça que vencer o lanterna é fácil. Com esse futebol, nada é fácil.

Atrás

Tiepo teve erros contra São Paulo e Grêmio, mas continua com crédito. Nas laterais, sem razão para mudanças: Eduardo e Bruno Pacheco. Na zaga, 100% de alteração: saem Gum e Maurício Ramos para rejuvenescer a dupla com Douglas (na dele, a direita) e Hiago (de quem se fala maravilhas).

No meio

Três volantes: Augusto pela direita (encontrou-se por ali), Tharlis centralizado (para ter mais pegada e melhorar a bola aérea) e Elicarlos pela esquerda. Se este último não se recuperar em tempo, pode-se optar por Gustavo Campanharo ou Márcio Araújo, de quem se cobra mais protagonismo.

Ataque

Calma! Mais um pouco sobre o meio de campo. Como armadores, Camilo e Diego Torres, que sempre entra bem nos jogos, mas não recebe sequência. São dois camisas 10 natos. Potencialize esta qualidade do time da Chapecoense, Emerson Cris. No ataque, logicamente, o artilheiro Everaldo.

Time

A escalação do técnico Rodrigo ficaria assim: Tiepo; Eduardo, Douglas, Hiago e Bruno Pacheco; Augusto, Tharlis e Elicarlos; Camilo e Diego Torres; Everaldo. Um 4-3-2-1. No formato básico, 4-5-1. Dois meias para municiar o centroavante e volantes para dar liberdade para os laterais.

DEIXE SEU COMENTÁRIO