Rodrigo Goulart
1820 ARTIGOS
Jornalista da editoria de esporte, Rodrigo aborda os lances da rodada e o que acontece no esporte do Estado. Visão crítica e apurada de quem entende do assunto.

Mais uma derrota. Desta vez para o Marcílio Dias. Como falta qualidade na Chapecoense!

- Publicidade -
 

Cinco jogos, nenhuma vitória e um gol marcado. Esta é a campanha da Chapecoense na Série A do futebol catarinense. Desempenho vexatório que não condiz com a grandeza do Verdão no Estado. Sabia-se que a Chape enfrentaria dificuldades neste início de temporada, mas nem o mais pessimista dos torcedores imaginava um rendimento tão pífio até o momento. Vergonha.

Sobre o jogo deste domingo (9), derrota por 1 a 0 para o Marcílio Dias, em Itajaí, a Chapecoense apresentou maior volume de jogo em relação ao Marcílio Dias no primeiro tempo. Criou algumas chances interessantes, mas não soube aproveitar. A falta de capricho no acabamento das jogadas continua sendo um problema (um dos, na verdade) no Verdão.

Daí o Aylon foi desarmado e proporciona o contra-ataque. Ninguém chegou para marcar o lateral direito Rodrigo Ferreira, que teve tempo para conduzir a bola, preparar o chute e mandar uma bomba. Foi feliz na finalização. Enquanto isso, os jogadores da Chape não acertam nada. Aí fica complicado.

A aposta do técnico Hemerson Maria para a Chapecoense buscar o empate, após o intervalo, foi Paulinho Moccelin. Bastante participativo, se for ver, pelos 13 minutos em ficou em campo. Marcou um gol, em minha opinião, legítimo. A arbitragem assinalou falta no lance.

Logo depois, o atacante deu uma cotovelada no adversário e recebeu cartão vermelho direto. Parabéns, Seu Paulinho Moccelin. Na sequência, o Marcílio Dias também teve um jogador expulso. O Verdão dominou na segunda etapa, mas a carência técnica da Chape é gritante. De chorar em grego. Time ruim.

Hemerson

Ah! Outra coisa. Pelo amor de Deus, Hemerson Maria, vamos simplificar. Esta história de abrir Aylon pelo lado – a exemplo do que ocorre com Ari Moura na direita – e posicionar o meia Yann Rolim como falso centroavante não dá. Também vem insistindo com algumas peças que merecem banco, em detrimento de outras. Muda alguns conceitos ou a diretoria, mais cedo mais tarde, muda o treinador.

Fora de campo

Aliás, o departamento de futebol da Chapecoense precisa ser mais firme. A torcida não aguenta mais conversa mole. É o mesmo filme de 2019. Pois é, 2019 não terminou no clube verde-branco. Muita desculpa, pouca ação. Sei lá com base em que mantiveram alguns atletas. A diretoria como um todo fala tanto em reconstrução. Que reconstrução é essa? O que estamos vendo não passa de uma reforma.

Inadmissível

Olho a tabela de classificação do Campeonato Catarinense e vejo a Chapecoense com um gol apenas. Sim! O tento de Paulinho Moccelin foi legítimo, em minha opinião. Se fosse validado, igual seriam dois gols apenas na competição e, provavelmente, três pontos marcados. Continuaram péssimo. Afinal, cinco rodadas já foram superadas.

DEIXE SEU COMENTÁRIO