Rodrigo Goulart
1427 ARTIGOS
Jornalista da editoria de esporte, Rodrigo aborda os lances da rodada e o que acontece no esporte do Estado. Visão crítica e apurada de quem entende do assunto.

Virou e mexeu, deu a lógica no Campeonato Catarinense com decisão entre Avaí e Chape

Virou e mexeu, a Chapecoense está novamente na final do Catarinão. Comentei antes de o campeonato começar: era obrigação do clube verde-branco assumir uma posição de vanguarda no Estadual. Imaginava que teria força para terminar a primeira fase na liderança, o que daria direito de decidir o título na Arena Condá, em caso de classificação. Não teve, em função do baixo aproveitamento dos titulares. No rodízio de equipes, os reservas seguraram a parada.

>>Torcedores do Figueira zombam da tragédia da Chape<<

Enfim, agora não adianta chorar o leite derramado. O momento é de valorizar a classificação para o duelo que apontará o campeão de 2019. Em uma partida perigosa – confronto único é sempre tenso –, a Chape cumpriu com a sua missão diante do Figueirense neste domingo (14), ao vencer por 1 a 0 e carimbar a vaga. O Verdão disputará a taça pelo quarto ano consecutivo. Neste período, será a primeira vez que a competição não acabará em Chapecó. O último ato vai ser na Ressacada, em Florianópolis.

Time por time, o do Oeste é melhor que o da capital do Estado. Porém, o Avaí conta com o fator local. Em 2017, a Chapecoense ganhou na ida lá. Que isso sirva de inspiração. Em tempo: no fim das contas, deu a lógica, duas agremiações de Série A no encerramento do Catarinense.

Primeira etapa

A Chapecoense começou a partida com uma proposta conservadora demais. Sem velocidade, sem imposição. Não se aproveitou do fator local. O Figueirense só especulou o jogo. Chances claríssimas de gol, nenhuma. Um primeiro tempo pouco atrativo na Arena Condá. Ah! Não entendi o porquê de Everaldo ser deslocado para o lado direito, e Aylon, que entrou aos 11 minutos no lugar do lesionado Victor Andrade, atuar como centroavante.

Segundo tempo

O técnico Ney Franco corrigiu o erro de posicionamento do ataque no intervalo. A Chapecoense voltou para a segunda etapa com Everaldo centralizado e Aylon pela beirada. O Verdão criou duas situações claras de gol em menos de 10 minutos. As jogadas começaram a fluir, principalmente pelo lado esquerdo com Rildo. O gol estava maduro e veio com Everaldo. Que baita cabeceio. A Chape, corretamente, preocupou-se em não dar espaços.

>>Confira mais sobre a Chapecoense<<

DEIXE SEU COMENTÁRIO