64 macacos morreram com suspeita de febre amarela em SC em 2020

Mortes foram notificadas nos 20 primeiros dias de 2020, concentradas na região do Planalto Norte e médio vale

- Publicidade -
 

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (DIVE/SC), informou que nos primeiros 20 dias do ano de 2020, já foram notificadas 64 mortes de macacas suspeitas de febre amarela.


As notificações dos óbitos desses macacos estão concentradas nas regiões de saúde do Planalto Norte (nos municípios de São Bento do Sul, Campo Alegre e Rio Negrinho) e Médio Vale do Itajaí (Pomerode, Blumenau e Timbó).


No ano passado, foram notificados 20 óbitos ao longo do mês de janeiro, porém nenhum deles foi confirmado para a doença. As mortes deste ano ainda estão em análise no Instituto Carlos Chagas Fiocruz do Paraná, laboratório de referência para SC.


Devido a esse cenário e os números preocupantes, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio da DIVE/SC, divulgou uma nota de alerta. No documento, a diretoria pede que os profissionais de saúde fiquem atentos aos casos suspeitos da doença, orienta sobre a importância da vacinação e a notificação da morte ou adoecimento dos primatas.


“Em 2019, Santa Catarina registrou a expansão da febre amarela em seu território, com a confirmação de dois óbitos humanos e seis primatas acometidos pela doença. É fundamental a manutenção das ações de controle da doença, especialmente a vacinação das pessoas, já que estamos no período sazonal” alerta João Fuck, gerente de zoonoses da DIVE/SC.

 

Vacinação


A febre amarela é uma doença grave, transmitida por mosquitos em áreas silvestres e próximas de matas. A única forma de se proteger é através da vacinação. Maria Teresa Agostini, diretora da DIVE/SC, explica que todas as pessoas com mais de nove meses devem receber a dose da vacina.


“No estado, até o momento, a cobertura vacinal está em 84%. Mas ainda é uma cobertura muito heterogênea nos municípios. Muitos ainda não atingiram bom índice. O ideal é o estado imunizar, ao menos, 95% da população dentro do público-alvo”, afirma.

 

Febre amarela em SC


No dia 28 de março de 2019, Santa Catarina confirmou o primeiro caso de febre amarela autóctone (contraída dentro do estado) em humano. O paciente era um homem, de 36 anos, que não havia se vacinado e morreu. Ele morava na localidade de Pirabeiraba, em Joinville, no Norte do Estado.


O segundo óbito em humano por febre amarela em SC foi registrado no final de junho do ano passado. O paciente era um homem, de 40 anos, residente em Itaiópolis, no Planalto Norte. Ele também não tinha registro de vacina no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI).


Com relação aos primatas, foram notificadas, no ano passado, 353 mortes de macacos em 77 municípios. Dessas, seis tiveram a causa da morte confirmada por febre amarela (Garuva, Joinville, Indaial e Jaraguá do Sul). “É importante que quem encontre um macaco morto ou doente notifique a secretaria municipal de saúde. São os macacos os primeiros a adoecerem por febre amarela e por isso sinalizam a presença do vírus na região e norteiam o trabalho das equipes de vigilância”, explica Renata Gatti, bióloga da DIVE/SC.

 

O que é a febre amarela


De acordo com o Ministério da Saúde, a febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos vetores, e possui dois ciclos de transmissão: silvestre (quando há transmissão em área rural ou de floresta) e urbano. O vírus é transmitido pela picada dos mosquitos transmissores infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa.


Os sintomas iniciais da febre amarela são:

início súbito de febre;

calafrios;

dor de cabeça intensa;

dores nas costas;

dores no corpo em geral;

náuseas e vômitos;

fadiga e fraqueza.

 

Quais são as complicações da febre amarela?

Em casos graves, a pessoa infectada por febre amarela pode desenvolver algumas complicações, como:

 

febre alta;

icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos);

hemorragia (especialmente a partir do trato gastrointestinal);

eventualmente, choque e insuficiência de múltiplos órgãos.


 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Como o tabagismo pode afetar voz, boca e garganta?
Osteopatia pediátrica: método contribui na qualidade de vida dos recém-nascidos
Entenda a relação entre a asma e o novo coronavírus
7 dicas para cuidar da saúde mental em meio à pandemia
Gestantes e mulheres que deram a luz há pouco tempo precisam ter cuidado com o coronavírus
Profissionais da saúde pública podem receber atendimento gratuito
População deve procurar atendimento médico para outras doenças durante pandemia
Por que o Coronavírus é mais perigoso para os idosos?
No Dia Mundial do Enfermeiro, o nosso muito obrigado!