Alesc instala grupo de trabalho de apoio aos imigrantes e refugiados

Dados oficiais registram a chegada de uma média de 80 imigrantes por dia a Santa Catarina

- Publicidade -
 

Marcelo Santos

Agência AL

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado (PSD) instalou, nesta quinta-feira (16), o Grupo de Trabalho de Apoio aos Imigrantes e Refugiados (GTI). Coordenado pelo deputado Fabiano da Luz (PT), o GTI reúne entidades, órgãos públicos municipais, estaduais e federais e grupos de apoio espalhados pelo Estado. As reuniões do GTI serão sempre na segunda sexta-feira do mês, às 14h, na Alesc.

Dados oficiais registram a chegada de uma média de 80 imigrantes por dia a Santa Catarina – o maior grupo é de venezuelanos. Na rede pública estadual de ensino, são 1,6 mil estudantes. “Nosso trabalho é ver como a gente vai atender essas pessoas, como vai mostrar que Santa Catarina está aberta a receber e não apenas deixá-los por aí, mas dar um acompanhamento para que eles possam iniciar uma nova vida como catarinenses”, explicou o deputado.

Últimas notícias

Normalmente, o litoral é o principal destino, mas o estado todo tem dado uma boa resposta às necessidades dos imigrantes. É o caso de Saudades, município de 8 mil habitantes no extremo-oeste. “Como tem várias empresas que precisam, eles abriram as portas para que até 150 venezuelanos pudessem ir até lá”, revelou o parlamentar. “É um pouco desse olhar que a gente precisa ter, saber para onde estão indo, se estão trabalhando, se têm moradia”.

Centro de Referência

Em Santa Catarina, a questão imigratória tem um importante ponto de apoio, o Centro de Referência de Atendimento ao Imigrante (CRAI), em Florianópolis. O CRAI catarinense é um dos dois existentes no País – o outro fica em São Paulo. De acordo com o coordenador do CRAI, Luciano Leite, o centro articula políticas públicas para que a população de imigrantes tenha garantidos os atendimentos necessários em educação, saúde e assistência social.

O CRAI catarinense – fruto de convênio entre uma entidade privada e o Governo do Estado – tem um ano e meio de trabalho nesta articulação, mas, na visão de Leite, precisa avançar muito ainda. “Esses são os desafios: trabalhar de forma integrada as políticas públicas para que os imigrantes possam ter acesso e iniciar sua vida novamente nesse país”, afirmou.

Segundo ele, uma das dificuldades vividas por imigrantes e refugiados se refere à profissão. Muitos têm formação superior, mas, quando chegam ao Brasil, não conseguem exercer sua atividade por questões burocráticas. “Muitos não conseguem se inserir no mercado de trabalho, na sua formação de origem, porque precisa validar diploma, fazer outras disciplinas complementares, e a necessidade dele é imediata, como alimentação, moradia”, ressaltou.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Cadastro imobiliário será revisto em Chapecó
Revisão do eleitorado termina em 11 cidades do estado na próxima sexta (30)
Obras de Mobilidade Urbana são confirmadas em Chapecó
Bolsonaro diz que imprensa regional é importante para a Nação
Governador recua e defensivos agrícolas permanecem sem impostos até o fim do ano
Pedro Uczai defende recomposição de R$ 56 milhões para Santa Catarina
Praça da Família estará concluída até o fim de 2020
Representantes da mídia regional do Sul do país são recebidos por Jair Bolsonaro
PSL avaliará postagens de deputados contra governador
Câmara de Vereadores de Chapecó lança concurso público