Artesanato indígena é valorizado na Decorare

Objetos de decoração feitos por indígenas da Aldeia Condá estão em vários ambientes da mostra

- Publicidade -
 

Valorizar e preservar a cultura indígena, esse é o objetivo da Decorare ao trazer para a mostra o artesanato dos kaingangs da Aldeia Condá. Eles produziram objetos de decoração para vários ambientes. Um exemplo é o Restaurante Maluana, que resgata os costumes e a cultura dos povos indígenas que também participam e escrevem a história de Chapecó.

>> Últimas notícias <<

Logo na entrada do Restaurante, retratos que contam um pouco da história destes povos já estão nas paredes. Os balaios se transformam em luminárias que deixam o espaço ainda mais aconchegante. Colares também decoram o ambiente, assim como os porta guardanapos, tudo artesanal. Um trabalho minucioso, que exige dedicação e nesse caso, delicadeza.

“É um privilégio ver nosso trabalho aqui. Nos emociona ver que o homem branco dá valor ao nosso trabalho. Estamos vivos, nosso artesanato está sendo valorizado, reconhecido”, comentou o Cacique da Aldeia Condá, Valdir Sales do Nascimento.

Segundo o Cacique, hoje na Aldeia Condá, 480 famílias sobrevivem do artesanato, é a principal renda das famílias. Entre as matérias-primas mais utilizadas na produção estão a casca de cipó, sementes de açaí e madeira. Com os materiais eles produzem balaios, colares, flechas e outros acessórios.

Emoção ao ver o trabalho na mostra 

A artesã indígena Kelita Rodrigues não conseguiu conter as lágrimas ao ver que o artesanato produzido por eles recebeu um espaço de destaque na mostra. “Eu como artesã, que sobrevivo do artesanato, a gente sabe muito bem das dificuldades. As pessoas nos desvalorizam e agora nesse momento existe esperança para nós de mostrar a nossa cultura e o artesanato ser valorizado”.

Valdecir da Silva, que também é artesão, ficou encantado com os balaios na parede. Usando um cocar com penas vermelhas, estava orgulhoso em ver seu trabalho. “Ficou tudo muito bonito, estamos felizes em estar aqui e ver o nosso artesanato valorizado”, contou Valdecir.

O Vice Cacique, Samuel Candido, destaca que no artesanato eles conseguem manter viva a cultura indígena. “Vai passando de geração para geração, quando as crianças vão crescendo, elas já vão aprendendo para que não termine essa atividade”.

Projeto de extensão nas Aldeias 

Para fortalecer o artesanato nas comunidades indígenas, o Ministério Público Federal fez um pedido a Unochapecó, que em parceria com o Sebrae e a Funai, desenvolveram um projeto de extensão nas Aldeias. “A iniciativa visa melhorar o trabalho artesanal que é produzido hoje. Assim como apresentar novas técnicas e trazer inovação para os artesãos”, conta a Assistente Social Fabiane Roman, que coordena o programa de extensão da Universidade.

Por meio do projeto foi criada a Associação de Artesanato Kamé e Kanhru que vem para organizar os artesãos, profissionalizar o trabalho, e desta forma, permitir a comercialização em diferentes espaços, com produtos identificados, com embalagens, etiquetas, toda estrutura necessária para que o artesanato indígena ganhe mais espaço e valor na sociedade.

A designer e consultora credenciada ao Sebrae, Silvia Baggio, ministra as oficinas na Aldeia e traz novas técnicas de produção para os indígenas. "O trabalho tem o objetivo de trazer alguns elementos que se perderam na história. Buscar inovação no sentido de melhoria do material e do processamento deste em formas contemporâneas. Mas isso não quer dizer que a gente vai descaracterizar o trabalho do povo Kaigang, muito pelo contrário, queremos fortalecer ainda mais suas raízes", comenta. 

História, cultura e memória

Na Decorare, o artesanato indígena é um dos artigos de decoração que mais desperta a atenção dos visitantes. Inclusive o arquiteto Filipe Cardoso dos Santos, um dos responsáveis pelo projeto do Restaurante Maluana, contou que vários balaios já estão vendidos e que esse é apenas o primeiro passo. Os arquitetos pretendem dar continuidade a essa parceria e valorizar esse artesanato em outros projetos.

Eliel Inácio, professor na Aldeia Condá, ressalta a importância de trazer o artesanato indígena para a Mostra de Arquitetura, Decoração, Design e Paisagismo. “Vocês estão passando um pouco da nossa cultura kaingang para sociedade em geral. Para a sociedade ver que é uma cultura rica em artesanato, conhecimento, a gente fica bem emocionado nesse sentido”.

A inclusão dos povos indígenas na Decorare faz parte do contexto da mostra, que tem como tema História, Cultura e Memória: Chapecó Cidade das Rosas. “Receber estes artesãos aqui na Mostra é um momento muito importante e especial para todos nós. Porque queremos agradecer a eles, por todo trabalho, empenho e dedicação. Esse espaço também é deles, e ficamos felizes em ver que eles se sentiram valorizados e acolhidos com esta oportunidade de mostrar para todos, o que é produzido lá na Aldeia”, ressalta o organizador da Decorare, Thiago Freitas.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Caravana Iluminada de Natal da Coca-Cola chega em Chapecó
Livro "Simplifique-se: Dicas, listas e kits para organizar sua vida” será lançado nesta quinta-feira (5), em Chapecó
Programação especial do Natal de Caibi segue até o dia 27
Luzes de Natal serão acesas nesta sexta-feira em Chapecó
4ª Cedup Fashion Chapecó apresenta pluralidade na passarela nesta quinta-feira (28)
Projeto Bibliobike roda o Oeste para despertar a paixão pelos livros
Camerata Florianópolis realiza Concertos de Natal em Chapecó
Mário Motta representa SC na bancada do Jornal Nacional
Stand up com Cris Pereira será no sábado em Chapecó
Segunda temporada de “YOU” chega em dezembro na Netflix