Audiência pública da Alesc debate GTA e exames de mormo e anemia equina

Entidades tradicionalistas solicitam que o Estado amplie o prazo de realização dos exames de dois para seis meses e libere a circulação seu guia dentro do município

- Publicidade -
 

Bruno Pace Dori
politica@diariodoiguacu.com.br

A Assembleia Legislativa do Estado (Alesc), através da Comissão de Agricultura e Política Rural, realizou na noite desta quinta-feira (5) uma audiência pública em Chapecó, na Câmara Municipal, para debater a Guia de Trânsito Animal (GTA) e exames de mormo e anemia equina. Proposto pelo deputado estadual Fabiano da Luz (PT), a reunião contou com presença do deputado estadual Altair Silva (PP) e da médica veterinária da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de SC (Cidasc), Claudia Moita Zechlinski dos Santos, além de representantes de entidades.

A Anemia Infecciosa Equina (AIE) é uma doença que atinge cavalos, burros, mulas e jumentos, mas não tem incidência sobre os humanos. Entretanto, a ação humana tem uma enorme importância na contaminação dos animais. Já o mormo é uma doença causada pela bactéria Burkholderia mallei, que ataca os equídeos e felinos. É importante que se realizarem exames nos animais, especialmente quando novos equídeos entram na propriedade e durante as participações em eventos, porém, as entidades pedem maior desburocratização à Cidasc.

::: Participe do nosso grupo de WhatsApp :::

O coordenador do Bate Casco, Lenoires da Silva, explicou que em Santa Catarina os exames de mormo e anemia equina precisam ser feitos a cada dois meses, enquanto nos estados do Paraná e Rio Grande do Sul, por exemplo, os exames são realizados a cada seis meses. O custo médio para o exame em cada animal é R$ 150. “Além do gasto e burocracia desnecessária, isso dificulta a realização de eventos tradicionalistas. Essa audiência tem a finalidade de solicitar ao Governo do Estado maior flexibilização que, com certeza, vai facilitar muito para todos”, disse.

O representante da 12ª Região Tradicionalista do Movimento Tradicionalista Gaúcho de SC (MTG/SC) no Oeste, Diovane Pagnocelli, também realizou o pedido para que as regras para os exames em Santa Catarina se igualem as mesmas existentes no Paraná e no Rio Grande do Sul. Para ele, a medida é um desejo antigo do Centro de Tradições Gaúchas (CTG), principalmente, na realização de rodeios e outros tipos de eventos tradicionalistas. “Entendemos que exames são necessários e queremos seguir fazendo, mas do jeito que está é exagerado”, comentou.

Guia de Trânsito Animal

Sobre a GTA, entidades tradicionalistas solicitam que nos deslocamentos dentro do município não seja necessário a sua emissão. Eles argumentam que a medida é burocrática e dificulta a promoção de eventos locais. A GTA é o documento utilizado para a movimentação de animais vivos (exceto cães e gatos), ovos férteis e materiais de multiplicação. “Dentro do município é totalmente desnecessário. Queremos que o Governo nos libere disso. Se for para outra cidade, tudo bem, mas dentro de Chapecó, por exemplo, isso não é necessário”, ressaltou Lenoires.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região :::

Proponente do evento, Fabiano explicou que o objetivo da audiência pública foi o de colher as informações e subsídios para depois levar até ao secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, Ricardo de Gouvêa, que repassará aos técnicos da Secretaria para que façam uma análise sobre a viabilidade. “Já faz mais de três anos que nenhuma doença é registrada no Estado. Então, acreditamos que a Cidasc pode afrouxar um pouco a legislação. Ouvimos a análise técnica da funcionária do Cidasc e vamos aguardar a Secretaria”, destacou.

Para Altair, a cultura gaúcha é muitas vezes atrapalhada por excesso de exames e fiscalizações, que dificultam eventos como cavalgadas e rodeios. “As aglomerações facilitam a transmissão, principalmente quando existem bebedouros ou cochos coletivos. Mas temos que conciliar as atividades culturais com o que exige a legislação. A Cidasc precisam entender as necessidades e desburocratizar as medidas para não atrapalhar nossa cultura. Acredito que a audiência foi muito boa para esclarecer algumas questões e esperamos uma decisão positiva”, finalizou.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Prefeito busca apoio para agenda em Brasília sobre a BR-163
PSC de Chapecó confia na via alternativa para a eleição municipal
Ministério Público passa a monitorar contratação de segundo professor para 2020
Plano de Mobilidade Urbana segue em implementação em Chapecó
Partido NOVO não participará da eleição em Chapecó
Nova regra sobre taxas cobradas nos cartórios em SC entra em vigor em março
Lideranças costuram nova via para a eleição em Chapecó
Prefeito de Concórdia é o novo vice-presidente estadual do PSDB
Governador sanciona leis sobre benefícios fiscais em SC
Comissão Especial se reúne para avaliar Código de Posturas de Chapecó