Bancada federal se reúne com prefeitos para avaliar ações de apoio aos municípios atingidos pelo ciclone

O governador Carlos Moisés; o secretário da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior; e o presidente da Fecam, prefeito de Major Vieira, Orildo Severgnini, participaram da reunião

- Publicidade -
 

Os deputados federais e senadores que compõem o Fórum Parlamentar Catarinense estiveram reunidos, na tarde desta quinta-feira (2), através de reunião remota, com o governador Carlos Moisés; o secretário da Defesa Civil, João Batista Cordeiro Júnior; o presidente da Federação Catarinense dos Municípios (Fecam), prefeito de Major Vieira, Orildo Severgnini; além de diversos prefeitos. O objetivo da reunião foi avaliar e propor ações junto ao governo Federal para auxiliar o Estado e os municípios atingidos pelo ciclone.

Segundo o coordenador da bancada, deputado federal Daniel Freitas (PSL), que vem acompanhando junto aos órgãos estaduais o levantamento dos estragos, o governo Federal já sinalizou que ajudará Santa Catarina, principalmente, na parte estruturante que foi danificada, como patrimônios públicos e com as avarias em portos e estradas. “O secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves, chega ao nosso Estado na noite de quinta-feira e, a partir de sexta-feira, irá ver de perto a situação que o ciclone causou aos municípios catarinenses”, informou o parlamentar.

Ainda segundo o deputado, na próxima segunda-feira (6), já com os levantamentos e estimativa de prejuízos causados, a bancada deve criar um plano de trabalho para levar aos Ministérios as necessidades para recuperação e reconstrução das cidades atingidas, como escolas, rodovias, assistência às vítimas, restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução nas áreas atingidas por desastre. Além da liberação de recursos do governo Federal conforme o decreto nº 7.257/2010, que regulamenta a MP 494/2010 sobre o Sistema Nacional de Defesa Civil, quanto ao reconhecimento de situação de emergência e estado de calamidade pública.

Em sua fala, o governador Carlos Moisés informou que Santa Catarina decretará estado de calamidade pública ainda nesta quinta-feira. “Nosso maior apelo à bancada catarinense é que nos ajude a chegar, o mais rápido ao Governo Federal para que as medidas necessárias para minimizar o sofrimento dos catarinenses, possam chegar o mais breve possível”, ressaltou. Ele falou ainda, sobre a ação da Assembleia Legislativa de Santa Catarina que destinou na quarta-feira, R$ 30 milhões para socorro aos municípios afetados.

O secretário da defesa civil, João Batista Cordeiro Júnior, falou que até o momento, 152 municípios já foram afetados. “A defesa civil vem recebendo os relatos dos municípios onde foram registrados estragos. Muitos deles na área urbana e agrícola, além de estradas bloqueadas. O Corpo de Bombeiros e a Celesc vêm trabalhando para reestabelecer o atendimento aos municípios o mais rápido possível, pois muitos ainda estão sem energia, internet e sinal de telefonia, tendo dificuldade em enviar as informações dos danos causados”.

Ele frisou também que já estão sendo distribuídas telhas, cestas básicas, lonas e que há uma grande preocupação com a previsão para a próxima semana, que deve chover no Estado. O presidente da Fecam, prefeito de Major Vieira, Orildo Severgnini, agradeceu a bancada catarinense que vem atendendo todos os municípios junto ao governo Federal, referindo-se também às demandas desde o início da pandemia. “Sabemos que podemos contar com os nossos deputados federais e senadores que, mesmo com a divergências partidárias, quando o assunto é Santa Catarina, unem esforços para trabalhar em prol dos catarinenses”, elogiou.

Juliano Duarte Campos, prefeito de Governador Celso Ramos, município mais atingidos pelo ciclone, relata que a situação do município é assustadora e que, com 15 mil habitantes, registrou 11 embarcações afundadas, uma morte e mais de três mil famílias que tiveram suas casas danificadas. “Nossa cidade parece um cenário pós-guerra, jamais imaginamos presenciar uma situação como essa. Nesse momento de tristeza, precisamos muito da ajuda dos nossos representantes. Muitas escolas, ginásios, estruturas que não poderemos recuperar e teremos que começar do zero. Mas nesse momento, a maior urgência é em ajudar os moradores a restabelecer suas vidas, voltar a ter moradia e trabalho com dignidade”, enfatizou o prefeito.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

DEM define pré-candidatura à Prefeitura de Chapecó
Câmara Municipal de Chapecó retoma sessões após um mês de recesso
Prefeitos catarinenses pedem regionalização das ações do combate à covid-19
Deputado catarinense que tenta derrubar restrições da covid-19 tem liminar negada
Sem ajuda federal, salários dos servidores estariam atrasados em Santa Catarina
Leis sobre animais em hospitais e prevenção a acidentes com moto entram em vigor
Sancionada lei que dispensa cumprimento de 200 dias letivos em SC
Justiça levanta sigilo de Operação deflagrada em Major Vieira
Vice-governadora participa de reunião do Centro Empresarial de Chapecó
Mais de R$ 176 milhões são repassados pelo governo de SC para 281 municípios