Bares e restaurantes: 5 dicas para organizar o estabelecimento na pandemia

Com o afrouxamento do isolamento social, estabelecimentos do setor de food service, como bares e restaurantes, podem funcionar respeitando regras de saúde e segurança em combate ao covid-19

- Publicidade -
 

O setor de Alimentação Fora do Lar (AFL) foi um dos mais afetados pela crise do coronavírus. Segundo estimativas do IBGE, o ano de 2019 foi marcado por mudanças nos hábitos de consumo. Prova disso é o crescimento do percentual dos recursos destinados à alimentação, que subiu de 31,1% em 2008-2009 para 32,8% no ano passado.

Com a maioria dos estabelecimentos fechados ou operando apenas por meio de entregas ou até mesmo drive-thru, os pequenos e médios empresários precisam se organizar para funcionar em época de pandemia. 

A expectativa para recuperar o prejuízo é grande. Leonardo Almeida, CEO da Menu - startup que abastece os restaurantes conectando os principais distribuidores e indústrias do mercado food service -, alerta para a necessidade de negociar.

“Para minimizar os impactos causados pelo fechamento de bares, pizzarias e restaurantes, os estabelecimentos precisam enxugar as suas contas. É importante que o comerciante busque por concessões de crédito e, principalmente, renegocie seus custos fixos como o aluguel. Ele pode pedir ao locatário para adiar o pagamento do mês atual. Após esse período, as pessoas voltarão a comprar, em consequência o fluxo de caixa vai aumentar”, comenta.

1. Entenda a real situação das suas dívidas

Durante a crise é comum ter contas atrasadas e gastos inesperados. Com isso, logo as dívidas se acumulam.Por isso, o controle efetivo do fluxo de caixa é essencial e capaz de evitar um cenário ainda pior. Organize-se, coloque no papel quanto você está devendo, há quanto tempo e para quem, incluindo até mesmo os pequenos débitos.

2. Aumente a preocupação com a higiene
O segmento de alimentação fora do lar já possui uma série de cuidados relacionados à alimentação segura, que compreendem o manuseio e a higiene de alimentos. Reforce isso ainda mais no seu estabelecimento, na utilização de álcool em gel na entrada e saída de clientes, na limpeza de mesas, cadeiras e balcões. Evite também o uso de suportes, como saleiros e outros itens que ficam sobrepostos à mesa.

3. Garanta serviços futuros 
Receber antecipadamente pelos serviços pode ser extremamente útil neste momento em que você precisa aumentar seu capital. Construir uma estratégia de voucher, cartão-presente e até cartão fidelidade pode ser uma saída interessante para o seu negócio. Pense em formas criativas de chamar atenção do cliente para a causa em si e se organize para realizar esses atendimentos futuramente de forma a não impactar sua estrutura.

4. Continue vendendo por meio de delivery 
Mesmo com a reabertura dos estabelecimentos, muitas pessoas não se sentirão seguras em frequentar esse tipo de espaço público. Por isso, as entregas são fundamentais para garantir o atendimento daqueles que ainda vão preferir pedir comida de casa. 

5. Controle seu estoque de insumos 
Invista em tecnologias que agilizam processos e libere seu tempo para dedicar a outras atividades.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Custo da construção tem alta de 0,49% em julho
Anfavea: produção de veículos cai 32% em julho em relação a 2019
Tecnologia no varejo: 4 dicas de como usar o troco digital
Lojistas esperam atenuar crise com as vendas de Dia dos Pais
5 perguntas de ouro antes de abrir um negócio na pandemia
Idosos terão horário preferencial nos caixas dos supermercados de Chapecó
BRDE libera quase R$ 20 milhões para obras viárias em Rio do Sul
Saque emergencial do FGTS pode injetar R$ 86 milhões na economia de Chapecó
Aurora Alimentos é a marca que mais conquistou consumidores neste ano
BNDES contrata R$ 3,3 bilhões em créditos para empresas