Bolsonaro assina decreto que acaba com horário de verão

Decisão foi baseada em recomendação do Ministério de Minas e Energia, que apontou pouca efetividade na economia energética e estudos sobre o quanto o horário de verão afeta o relógio biológico das pessoas.

- Publicidade -
 

Agência Brasil

Brasília

 

O presidente Jair Bolsonaro assinou, na manhã desta quinta-feira (25), em cerimônia no Palácio do Planalto, o decreto que extingue o horário de verão que deixará de ser adotado no país a partir deste ano.


A decisão foi baseada em recomendação do Ministério de Minas e Energia, que apontou pouca efetividade na economia energética e estudos da área da saúde, sobre o quanto o horário de verão afeta o relógio biológico das pessoas.


“As conclusões foram coincidentes. O horário de pico hoje é às 15 horas e [o horário de verão] não economizava mais energia. Na saúde, mesmo sendo só uma hora, mexia com o relógio biológico das pessoas”, disse, ressaltando que não deve haver queda na produtividade dos trabalhadores nesse período. A medida já havia sido anunciada pelo presidente no dia 5 de maio.

 

Menos economia


De acordo com o secretário de Energia Elétrica do MME, Ricardo Cyrino, a economia de energia com o horário de verão diminuiu nos últimos anos e, neste ano, estaria perto da neutralidade. “Na ótica do setor elétrico, deixamos de ter o benefício”, disse.


Cyrino afirmou que o horário de verão foi criado com o objetivo de aliviar o pico de consumo, que era em torno das 18 horas, e trazer economia de energia na medida em que a iluminação solar era aproveitada por mais tempo.


“Com a evolução da tecnologia, iluminação mais eficiente, entrada de ar-condicionado – que deslocou o pico de consumo para as 15 horas – e também a substituição de chuveiros elétricos [por aquecimento solar, por exemplo], que coincidia com a iluminação pública às 18 horas, deixamos de ter a economia de energia que havia no passado e o benefício do alívio no horário de ponta, às 18 horas”, explicou.


O horário de verão foi criado em 1931 e aplicado no país em anos irregulares até 1968, quando foi revogado. A partir de 1985, foi novamente instituído e vinha sendo aplicado todos os anos, sem interrupção.


Normalmente, o horário de verão começava entre os meses de outubro e novembro e ia até fevereiro do ano subsequente, quando os relógios deveriam ser adiantados em uma hora em parte do território nacional.


O secretário afirmou ainda que nos últimos 87 anos de instituição do horário de verão, por 43 anos o país ficou sem adotar a medida e que ela pode ser instituída novamente no futuro.


“Tivemos muitas alternâncias. Vamos continuar fazendo avaliações anuais e nada impede que, no futuro, caso venha a ser conveniente na ótica do setor elétrico, vamos sugerir novamente a introdução do horário de verão. Por hora, ele não faz mais sentido.”

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Empresários são condenados por tentativa de fraude à licitação em Chapecó
Sete cidades do Oeste vivem epidemia de Dengue
Pacientes com Covid-19 agora irão receber visitas virtuais no Hospital de Xanxerê
Unochapecó faz capacitação para professores da região
Empresa levanta 80% de valor bloqueado por conta da Covid-19 em recuperação judicial
Acidente com caminhão e carreta é registrado em Cordilheira Alta
Mercadorias importadas ilegalmente são apreendidas em Chapecó
Acidente entre dois veículos deixa um ferido em Seara
Xanxerê tem primeira morte por coronavírus
São Miguel do Oeste tem 13 novos casos de coronavírus