Bolsonaro assina decreto que acaba com horário de verão

Decisão foi baseada em recomendação do Ministério de Minas e Energia, que apontou pouca efetividade na economia energética e estudos sobre o quanto o horário de verão afeta o relógio biológico das pessoas.

- Publicidade -
 

Agência Brasil

Brasília

 

O presidente Jair Bolsonaro assinou, na manhã desta quinta-feira (25), em cerimônia no Palácio do Planalto, o decreto que extingue o horário de verão que deixará de ser adotado no país a partir deste ano.


A decisão foi baseada em recomendação do Ministério de Minas e Energia, que apontou pouca efetividade na economia energética e estudos da área da saúde, sobre o quanto o horário de verão afeta o relógio biológico das pessoas.


“As conclusões foram coincidentes. O horário de pico hoje é às 15 horas e [o horário de verão] não economizava mais energia. Na saúde, mesmo sendo só uma hora, mexia com o relógio biológico das pessoas”, disse, ressaltando que não deve haver queda na produtividade dos trabalhadores nesse período. A medida já havia sido anunciada pelo presidente no dia 5 de maio.

 

Menos economia


De acordo com o secretário de Energia Elétrica do MME, Ricardo Cyrino, a economia de energia com o horário de verão diminuiu nos últimos anos e, neste ano, estaria perto da neutralidade. “Na ótica do setor elétrico, deixamos de ter o benefício”, disse.


Cyrino afirmou que o horário de verão foi criado com o objetivo de aliviar o pico de consumo, que era em torno das 18 horas, e trazer economia de energia na medida em que a iluminação solar era aproveitada por mais tempo.


“Com a evolução da tecnologia, iluminação mais eficiente, entrada de ar-condicionado – que deslocou o pico de consumo para as 15 horas – e também a substituição de chuveiros elétricos [por aquecimento solar, por exemplo], que coincidia com a iluminação pública às 18 horas, deixamos de ter a economia de energia que havia no passado e o benefício do alívio no horário de ponta, às 18 horas”, explicou.


O horário de verão foi criado em 1931 e aplicado no país em anos irregulares até 1968, quando foi revogado. A partir de 1985, foi novamente instituído e vinha sendo aplicado todos os anos, sem interrupção.


Normalmente, o horário de verão começava entre os meses de outubro e novembro e ia até fevereiro do ano subsequente, quando os relógios deveriam ser adiantados em uma hora em parte do território nacional.


O secretário afirmou ainda que nos últimos 87 anos de instituição do horário de verão, por 43 anos o país ficou sem adotar a medida e que ela pode ser instituída novamente no futuro.


“Tivemos muitas alternâncias. Vamos continuar fazendo avaliações anuais e nada impede que, no futuro, caso venha a ser conveniente na ótica do setor elétrico, vamos sugerir novamente a introdução do horário de verão. Por hora, ele não faz mais sentido.”

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Espaço de arquiteta chapecoense é destaque na Casacor 2019
Chapecó e São Miguel do Oeste receberão novas ambulâncias para o Samu
Aves chapecoenses são premiadas em campeonato brasileiro
Homem é flagrado transportando casa com máquina agrícola em Caibi
Mulher que matou a irmã mais nova por ciúme tem condenação mantida pelo TJ
Moradores reclamam de barro em rua do Bairro Palmital
Mulher é condenada a 2 anos de prisão em regime aberto por torturar a filha em Chapecó
Operador de guincho fica ferido em acidente perto da obra do elevado em Chapecó
Rede Catarina promove 1º encontro para orientar e ouvir agressores em Chapecó
Incêndio destrói casa no bairro Vila Mantelli em Chapecó