BRDE repactua contratos e beneficia empresas catarinenses

O levantamento da área técnica do banco mostra que dos contratos elegíveis, 1.390 tiveram assegurada a suspensão das parcelas pelo período de seis meses.

- Publicidade -
 

Novo estudo do Banco de Desenvolvimento Regional do Extremo Sul (BRDE) divulgado na semana passada mostra que quase 1,2 mil empresas catarinenses foram beneficiadas pela repactuação de contratos e o alongamento de dívidas em função do coronavírus. Para o Diretor Presidente Marcelo Haendchen Dutra, a medida, efetivada ao longo dos meses de março e abril, teve a intenção de garantir um “suporte financeiro importante para as empresas catarinenses em um momento crítico para a manutenção dos negócios”.

O levantamento da área técnica do banco mostra que dos contratos elegíveis, 1.390 tiveram assegurada a suspensão das parcelas pelo período de seis meses.

“Somadas, as parcelas postergadas, correspondem a R$ 112,2 milhões e representam um fôlego significativo para 1.186 empresas, prefeituras e produtores rurais catarinenses”, complementa Dutra. Os financiamentos em questão utilizam recursos próprios do BRDE ou são operados pelo banco, tendo como origem o BNDES e fundos como o FUNGETUR, que financia projetos turísticos.

>>> Últimas notícias

Os beneficiados pelo adiamento dos contratos são das mais diversas regiões do estado, e das mais variadas áreas de atuação: 540 micro e pequenas, 93 médias e 39 grandes empresas; 481 pessoas físicas; 24 prefeituras e 9 produtores rurais com propriedades de diversos portes. Juntas essas operações de crédito somam mais de R$ 1,2 bilhão. 

Segundo Dutra, o trabalho de postergação dos contratos envolveu a equipe técnica do banco em Santa Catarina que, proativamente, entrou em contato com os correntistas elegíveis, oferecendo o benefício. “Foi um verdadeiro mutirão, realizado com muita competência pela equipe do BRDE. Muitos clientes se surpreenderam positivamente com essa mobilização. E, com a garantia do congelamento temporário das parcelas, tiveram tranquilidade para se preparar para a pandemia ou focar em outros aspectos importantes deste período”. 

O Diretor de Acompanhamento e Recuperação de Crédito, Vladimir Arthur Fey reforça que o mutirão para postergação da dívida dos clientes catarinenses do BRDE teve outros diferenciais importantes.

“O banco decidiu não aumentar taxas de juros, além de não cobrar tarifas adicionais para encaminhar a postergação” explica. Outro ponto importante, segundo ele, foi a redução da burocracia com a dispensa do reconhecimento de firma em cartório, um procedimento comum em situações dessa natureza.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Economia empresarial: conheça as 6 principais crises das empresas
Pequenos negócios apresentam sinais de lenta reação diante da pandemia, diz pesquisa do Sebrae
Bons preços compensaram perdas da safra de verão em SC
BRDE abre inscrições para apoio a projetos por meio de incentivos fiscais
72% das exportações catarinenses foram do agronegócio
Índice de confiança do consumidor chapecoense aumenta 9,60% de junho para julho
Planos de telefonia móvel reduzem custos das empresas em até 80%
Bares e restaurantes: 5 dicas para organizar o estabelecimento na pandemia
Fapesc prorroga inscrições para programa de pré-incubação de ideias
Concórdia quer ser um dos principais destinos turísticos do interior catarinense