Buligon diz que é preciso deixar um legado além de obras

Prefeito de Chapecó fala sobre os R$ 100 milhões que o município financiará e as ações previstas, em especial, a Praça da Família

- Publicidade -
 

Bruno Pace Dori
politica@diariodoiguacu.com.br

A prefeitura de Chapecó vai contratar três operações de crédito que somam R$ 100 milhões. Dois destes financiamentos são junto à Caixa Econômica Federal: R$ 92 milhões para obras de infraestrutura e aquisições de bens de capital e R$ 3 milhões para revitalização de iluminação pública dos superpostes; e outros R$ 5 milhões, no Banco do Brasil, para georreferenciamento.

Os pedidos de autorização para contrair os financiamentos já estão em avaliação na Câmara de Vereadores e a expectativa é que seja aprovado ainda neste mês. O prazo de pagamento é de dez anos, com dois anos de carência, e o custo dos juros e encargos será de 10% ao ano. O prefeito de Chapecó, Luciano Buligon (DEM), confia que o dinheiro será liberado neste ano.

Em entrevista exclusiva ao jornal Diário do Iguaçu, Buligon disse que o município estava sem capacidade de endividamento, por isso, somente agora conseguiu a sinalização positiva para a operação de crédito. O prefeito ressalta que nos últimos quatro anos, a administração adotou medidas que agora resultaram no financiamento junto à Caixa Econômica e o Banco do Brasil.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região :::

Com o dinheiro estão previstas obras especialmente na área da Mobilidade Urbana, como a duplicação da avenida Leopoldo Sander, a construção das primeiras ciclovias, e o asfaltamento de 40 quilômetros de vias públicas. Porém, também, investimentos em saneamento básico, na troca das lâmpadas de 559 superpostes, e na implementação de levantamento imobiliário.

Mas Buligon aponta a construção mais importante que vai fazer. “Tem que ficar um legado além da obra. A Praça da Família, por exemplo, é uma forma de o poder público se aproximar da comunidade, de reconhecer a importância da região Leste para nossa cidade. Vai trazer serviços públicos para aquela área, que hoje não existem. Significa mais dignidade”, explica.

Prefeitura de Chapecó confirma financiamento de R$ 100 milhões

Corte de gastos foi importante

Luciano Buligon diz que 42% dos cargos comissionadas foram reduzidos; as Secretarias Municipais foram reduzidas de 14 para oito; 88,95% dos precatórios foram quitados, o que representa R$ 34,5 milhões; não houve atraso no pagamento da folha dos servidores, a revisão dos salários dos servidores foi acima da inflação; além da revisão e negociação de contratos.

“Gostaríamos de realizar essas obras e investimento antes, porém, não era possível conseguir financiamento. Adotamos uma série de medidas de redução de gastos públicos, que culminou na abertura de linhas de créditos”, explica Buligon. Ele lembra que anunciou um pacote de medidas de contenção de despesas, ainda em 2016, com objetivo de ampliar os serviços.

O prefeito de Chapecó salienta que após as medidas adotadas, aliada a instalação de empresa em no município, com investimento na ordem de R$ 1 bilhão e a criação de cerca de quatro mil empregos diretos e indiretos, gerando também, receitas como ISSQN, IPTU e retorno de ICMS, garantindo que a administração municipal tenha condições de pagar o financiamento.

::: Participe do nosso grupo de WhatsApp :::

Outras ações em andamento

O prefeito Luciano Buligon explica que além dos R$ 100 milhões que serão acessados através de financiamentos, outras obras estão em execução ou previstas, somando mais de R$ 33 milhões. São R$ 5,7 milhões da outorga do edital do transporte coletivo, que será usado na construção dos abrigos de passageiros, e ao menos R$ 2,6 milhões da concessão do aeroporto.

Ainda, o Governo do Estado investirá R$ 25 milhões na construção do Contorno Viário Extremo Oeste, ligando a BR-282, na altura da Colônia Bacia, à SC-283, na linha Simonetto. São 11,2 km de extensão. Buligon diz que, ao contrário do Contorno Viário Oeste, que fica em área urbana, este novo Contorno será uma rodovia. O município deve dar R$ 8 milhões de contrapartida.

Por fim, outra obra bastante aguardada e que está em construção é o Elevado, que dará maior fluidez no entroncamento do Contorno Viário Oeste e as avenidas São Pedro, Atílio Fontana e Leopoldo Sander. O custo é de R$ 15 milhões e a previsão é que a obra seja concluída até março de 2020. Os pilares de sustentação já foram finalizando, assim como oito das 16 vigas.


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Bolsonaro anuncia Milton Ribeiro como novo ministro da Educação
Digitalização acelera análise de obras em Pinhalzinho
Deputados cobram mais leitos de UTI nos hospitais de Santa Catarina
Governo catarinense pede autorização para abertura de crédito de R$ 75 milhões para a covid
Comissão Gestão de Águas realiza encontro com moradores do loteamento Zanrosso
Morre Nelso Foralosso, ex-vereador de Xavantina
Luciane Stobe confirma sua pré-candidatura a prefeita de Chapecó
CPI dos Respiradores encaminha 15 perguntas ao governador Carlos Moisés
Governo do Estado anuncia Enio Parmeggiani no comando da SCPar
Douglas Borba e advogado deixam a prisão após conseguirem habeas corpus