Celesc segue proibida de ligar luz sem habite-se

Companhia esclarece situação devido a informações repassadas através das redes sociais

- Publicidade -
 

Em nota enviada aos meios de comunicação, no fim da tarde desta sexta-feira (12), a Celesc informa que, em cumprimento à decisão judicial expedida pelo Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ/SC), continua proibida de realizar ligações de unidades consumidoras sem alvará de construção ou habite-se, nos municípios de Chapecó e Nova Itaberaba.

Conforme a Celesc, desde o dia 28 de maio, a exceção se dá apenas para o fornecimento de energia elétrica às famílias de baixa renda localizadas em assentamentos irregulares que configurem área urbana já consolidada. Neste caso, cabe aos interessados apresentarem, à Celesc, documento expedido pelas respectivas prefeituras, que ateste essa condição.

Por fim, a Celesc informa que aguarda, no momento, novos posicionamentos legais para garantir o benefício da energia elétrica a todos os cidadãos, em resguardo ao ambiente ecologicamente equilibrado e à ordem urbanística desejada. Desde outubro de 2018, a Celesc está proibida de ligar energia elétrica em locais sem alvará de construção ou habite-se.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região :::

A explicação da Celesc vem a público após o vereador de Chapecó, Cleiton Fossá (MDB), informar, através de suas redes sociais, que a companhia teria que voltar a fazer a ligação de luz em residências localizadas em áreas consolidadas cujas famílias são de baixa renda, atendendo a uma determinação do TJ/SC, em julgamento de agravo de instrumento.

Ministério Público obteve liminar em outubro passado

O imbróglio iniciou após a 9ª Promotoria de Justiça de Chapecó, através de uma Ação Civil Pública, com pedido liminar, ter conseguido junto ao Tribunal de Justiça (TJ/SC) que Celesc não faça ligações de unidades consumidoras sem alvará de construção ou habite-se. O objetivo do Ministério Público é proteger o meio ambiente e evitar a proliferação de ocupações irregulares.

Na ocasião, o promotor Eduardo Sens dos Santos disse que foram identificados inúmeros casos de ligações de energia em construções clandestinas, em áreas de preservação ou loteamentos irregulares e até mesmo em imóveis públicos invadidos. A Celesc teria se negado a atender a recomendação do MP/SC para que as novas ligações fossem feitas apenas com o habite-se.

::: Participe do nosso grupo de WhatsApp :::

Com base nisso, o MP/SC ingressou com o pedido de liminar que, em um primeiro momento, foi negado pela 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Chapecó. Então, através do promotor Douglas Dellazari, o MP/SC recorreu da decisão ao TJ/SC. Lá teve o pedido deferido por decisão do desembargador Vilson Fontana, ainda em outubro do ano passado.

Comissão Especial da Câmara analisa a situação

Na Câmara Municipal de Chapecó, uma Comissão Especial foi criada para discutir o assunto e outros, como habite-se Rural, lei específica para regulamentação, desmembramento rural, ações de divulgação para a não aquisição de terrenos/imóveis em loteamentos clandestinos, fazendo papel de construir um marco regulamentário e fazer a interlocução com o Executivo.

A Comissão apresentará nesta próxima terça-feira (16), o relatório final, que servirá como anteprojeto de lei sobre regularização de imóveis em Chapecó. Depois, o documento será debatido em audiências públicas e, por fim, será votado no Legislativo. A Comissão é formada por Cleiton Fossá (presidente), Delvino Dall Rosa (vice-presidente) e Valmor Scolari (relator).

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Fecam aponta prejuízos com a retirada de incentivo fiscal
Marlene Fengler defende pautas da região Oeste
HRO precisa de R$ 2,5 milhões por mês para viabilizar trabalhos na nova ala
Bolsonaro se reúne com parlamentares catarinenses
Vice-governadora defende o setor produtivo catarinense
Governador de SC recebe deputados na Casa d’Agronômica
Organização de fórum de agronegócio pede apoio da Bancada do Oeste
PL planeja ações em Santa Catarina de olho em 2020
Bancada catarinense define pauta para reunião com Bolsonaro
Deputados pedem audiência com governador sobre suspensão de isenção de ICMS