Concórdia afirma que golpista pediu R$ 70 mil para o Almirante Barroso entregar jogo

Clubes registraram boletim de ocorrência e divulgaram nota oficial

- Publicidade -
 

Os bastidores estão agitados antes do jogo que pode levar o Concórdia Atlético Clube de volta à Série A do futebol catarinense. A direção do Galo registrou um boletim de ocorrência na Central de Polícia, alegando uma suposta tentativa de suborno.

Conforme o relato, uma pessoa se passando por jogador do Almirante Barroso, adversário dos concordienses na última rodada da fase classificatória da segunda divisão estadual, ligou para o presidente da equipe do Oeste, Jonas Guzzatto, pedindo R$ 70 mil para entregar o jogo.

O suposto atleta fez a ligação de um telefone do prefixo 73 (da Bahia) e se identificou com o nome de Rogério. A direção do Concórdia não acreditou que se tratava de um jogador do Almirante Barroso e fez um BO. Não há atleta algum da equipe de Itajaí com o nome de Rogério.

A assessoria jurídica do Galo do Oeste orientou a direção a não dar declarações. A agremiação divulgou nota sobre o caso. Segundo informações do repórter André Krüger, da Rádio Aliança, dirigentes do Almirante Barroso - clube que também se manifestou a respeito - e do Juventus, de Jaraguá do Sul, também receberam ligações e fizeram BOs.

O time do técnico Celso Rodrigues enfrenta o Almirante Barroso no próximo domingo (18), às 10h, no estádio Camilo Mussi, em Itajaí, e precisa vencer para se classificar à final da Segundona e conquistar o acesso ao Catarinão de 2020. O Concórdia tenta retornar à elite após o rebaixamento em 2018.

A primeira vaga para a decisão do título da Série B e à divisão de elite do Estado pertence justamente ao Almirante Barroso, que, portanto, joga apenas para cumprir tabela. Se o Galo não ganhar, o segundo classificado será o Juventus, que já finalizou a sua participação na fase classificatória.

 

Nota oficial do Concórdia

O Concórdia Atlético Clube vem a público informar que foi alvo de um golpista na noite desta segunda-feira (12), quando o mesmo através de mensagens de whatsapp solicitou o depósito do valor de R$ 70.000,00 (setenta mil reais) em troca da vitória concordiense no confronto contra a equipe do Almirante Barroso no próximo domingo.

O número utilizado é do estado da Bahia e acredita-se que seja o mesmo golpista que em maio utilizou o nome do coordenador técnico Tonho Gil, oferecendo vaga na equipe do Galo em troca de dinheiro.

O clube registrou boletim de ocorrência para que o caso seja investigado pelas autoridades competentes.

Nota oficial do Almirante Barroso

Golpista volta a usar o nome do Clube Almirante Barroso para aplicar golpes e tentar ganhar dinheiro pelo WhatsApp. 

O número utilizado no golpe ainda é o mesmo, com código DDD 73, da Bahia. Mas, desta vez os alvos do golpista passaram a ser o presidente de um clube de SC e um atleta do Almirante Barroso e com um valor bem mais alto: R$ 70 mil. Essa não é a primeira vez que o Clube Náutico Almirante Barroso, de Itajaí, registra boletim de ocorrência por ter o nome usado em tentativas de golpes pelo aplicativo de mensagem.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Após festa da torcida na chegada do time, Concórdia volta aos treinos para decidir a Segundona
Felipe Tozzo conquista segundo lugar em etapa do Mercedes-Benz Challenge
Parabéns, Galo do Oeste! Concórdia goleia Barroso e volta à Série A do Catarinense
Concórdia enfrenta o Almirante Barroso para buscar vaga à final da Segundona e à elite estadual
Xaxim está na contagem regressiva para receber a fase Oeste da Olesc
Pista onde ocorreu acidente com morte é vistoriada por comissão de automobilismo em Chapecó
Concórdia começa neste mês a defender a hegemonia na Liga Nacional de Handebol Feminino
Concórdia afirma que golpista pediu R$ 70 mil para o Almirante Barroso entregar jogo
Confederação Brasileira de Automobilismo vistoria pista de Chapecó após acidente fatal
Jogador de futsal do Corinthians é morto em Erechim. Suspeito pelo assassinato é preso