Concórdia afirma que golpista pediu R$ 70 mil para o Almirante Barroso entregar jogo

Clubes registraram boletim de ocorrência e divulgaram nota oficial

- Publicidade -
 

Os bastidores estão agitados antes do jogo que pode levar o Concórdia Atlético Clube de volta à Série A do futebol catarinense. A direção do Galo registrou um boletim de ocorrência na Central de Polícia, alegando uma suposta tentativa de suborno.

Conforme o relato, uma pessoa se passando por jogador do Almirante Barroso, adversário dos concordienses na última rodada da fase classificatória da segunda divisão estadual, ligou para o presidente da equipe do Oeste, Jonas Guzzatto, pedindo R$ 70 mil para entregar o jogo.

O suposto atleta fez a ligação de um telefone do prefixo 73 (da Bahia) e se identificou com o nome de Rogério. A direção do Concórdia não acreditou que se tratava de um jogador do Almirante Barroso e fez um BO. Não há atleta algum da equipe de Itajaí com o nome de Rogério.

A assessoria jurídica do Galo do Oeste orientou a direção a não dar declarações. A agremiação divulgou nota sobre o caso. Segundo informações do repórter André Krüger, da Rádio Aliança, dirigentes do Almirante Barroso - clube que também se manifestou a respeito - e do Juventus, de Jaraguá do Sul, também receberam ligações e fizeram BOs.

O time do técnico Celso Rodrigues enfrenta o Almirante Barroso no próximo domingo (18), às 10h, no estádio Camilo Mussi, em Itajaí, e precisa vencer para se classificar à final da Segundona e conquistar o acesso ao Catarinão de 2020. O Concórdia tenta retornar à elite após o rebaixamento em 2018.

A primeira vaga para a decisão do título da Série B e à divisão de elite do Estado pertence justamente ao Almirante Barroso, que, portanto, joga apenas para cumprir tabela. Se o Galo não ganhar, o segundo classificado será o Juventus, que já finalizou a sua participação na fase classificatória.

 

Nota oficial do Concórdia

O Concórdia Atlético Clube vem a público informar que foi alvo de um golpista na noite desta segunda-feira (12), quando o mesmo através de mensagens de whatsapp solicitou o depósito do valor de R$ 70.000,00 (setenta mil reais) em troca da vitória concordiense no confronto contra a equipe do Almirante Barroso no próximo domingo.

O número utilizado é do estado da Bahia e acredita-se que seja o mesmo golpista que em maio utilizou o nome do coordenador técnico Tonho Gil, oferecendo vaga na equipe do Galo em troca de dinheiro.

O clube registrou boletim de ocorrência para que o caso seja investigado pelas autoridades competentes.

Nota oficial do Almirante Barroso

Golpista volta a usar o nome do Clube Almirante Barroso para aplicar golpes e tentar ganhar dinheiro pelo WhatsApp. 

O número utilizado no golpe ainda é o mesmo, com código DDD 73, da Bahia. Mas, desta vez os alvos do golpista passaram a ser o presidente de um clube de SC e um atleta do Almirante Barroso e com um valor bem mais alto: R$ 70 mil. Essa não é a primeira vez que o Clube Náutico Almirante Barroso, de Itajaí, registra boletim de ocorrência por ter o nome usado em tentativas de golpes pelo aplicativo de mensagem.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Clube de Basquete Xaxim volta aos treinos após dois meses
Fesporte apresenta propostas para cumprir calendário 2020 a dirigentes do Oeste
Só três times do Catarinense de Futebol confirmaram volta aos treinos presenciais
Em processo de dissolução, Truck Clube Chapecó doa R$ 40 mil ao Hospital Regional
Ao contrário do governo de SC, prefeito de Concórdia veta retorno dos treinos esportivos
Após encontro com Moisés, FCF e SC Clubes apostam na volta do Catarinense até 5 de junho
Futebol: Fifa autoriza cinco substituições por jogo neste ano
Federação Catarinense de Futebol define data mínima para as disputas da base
Com flexibilização da quarentena, equipes de Chapecó retomam treinos normais
Morre Celso Sá, técnico e atleta da equipe de bolão 23 masculino de Chapecó