Deputados reagem à decisão do STF que reduz repasse para a saúde

Corte declarou inconstitucional a lei que aumentou de 12% para 15% os valores destinados em SC

- Publicidade -
 

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de declarar inconstitucional a Emenda à Constituição catarinense que aumentou de 12% para 15% da receita os recursos destinados à saúde foi duramente criticada pelos deputados na Assembleia Legislativa de SC (Alesc).

“O governo venceu no STF, mas faltou o complemento, o povo perdeu. Não quero ser alarmista, mas se o governo voltar a aplicar só 12% vai ser o caos, ano passado foi 14% e ficou devendo quase R$ 1 bilhão”, advertiu Neodi Saretta (PT), presidente da Comissão de Saúde.

O parlamentar fez um apelo para que o governo não retorne ao patamar de 12%. “Mesmo são sendo obrigatório aplicar, que aplique 15%”. Ismael dos Santos (PSD), Laércio Schuster (PSB), Marlene Fengler (PSD) e Padre Pedro Baldissera (PT) concordaram com a fala do colega.

Últimas notícias

“É dia para lamentar, o STF tem proporcionado ao Brasil uma sucessão de decepções, foi uma atitude unilateral, não se escutou a voz da rua, [o Estado] passa a depender da boa vontade política do governador”, afirmou Ismael, que ponderou o aumento da receita em 2019.

“Um retrocesso, mesmo que tenha vício de iniciativa, mas tendo em vista que os municípios investem no mínimo 15% e a gente sabe que não fica nos 15%, investem 24%, 25%, até 30% dos recursos próprios na saúde, quem perde é o povo”, sentenciou o deputado Padre Pedro.

Avanços

Coronel Mocelin (PSL) minimizou a participação do governador Carlos Moisés no julgamento do STF, haja vista que Saretta contou na tribuna que o atual governador pediu liminar ao ministro relator. “Mesmo que quisesse retirar [a ação], não poderia”, declarou Mocelin.

Ele ressaltou o desafio que será pagar os R$ 600 milhões das dívidas de governos passados com fornecedores e que por este motivo a Secretaria da Saúde está tendo dificuldade de adquirir os produtos por falta de crédito. “Dos 656 credores da Secretaria de Saúde, o atual governo reduziu para 222 credores”, informou Ricardo Alba (PSL).

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Cadastro imobiliário será revisto em Chapecó
Revisão do eleitorado termina em 11 cidades do estado na próxima sexta (30)
Obras de Mobilidade Urbana são confirmadas em Chapecó
Bolsonaro diz que imprensa regional é importante para a Nação
Governador recua e defensivos agrícolas permanecem sem impostos até o fim do ano
Pedro Uczai defende recomposição de R$ 56 milhões para Santa Catarina
Praça da Família estará concluída até o fim de 2020
Representantes da mídia regional do Sul do país são recebidos por Jair Bolsonaro
PSL avaliará postagens de deputados contra governador
Câmara de Vereadores de Chapecó lança concurso público