Dislexia dificulta identificação de palavras

Psicopedagoga explica que o distúrbio se manifesta na fase de alfabetização

- Publicidade -
 

A Dislexia é um distúrbio de aprendizagem que se manifesta normalmente na fase da alfabetização, período em que os pequenos têm contato com tarefas escolares que incentivam a leitura e formação de vocábulos. Uma de suas características principais é a dificuldade em identificar palavras ou símbolos

Segundo a psicopedagoga do Instituto NeuroSaber Luciana Brites, muitos pais confundem a dislexia com preguiça ou um simples problema na aprendizagem, o que é bem diferente de um distúrbio. “Os distúrbios de aprendizagem afetam a capacidade da criança de receber, processar, analisar ou armazenar informações. Trata-se de uma disfunção neurológica, que é uma questão de neurônios, de conexão”, explica.

Luciana diz que a dislexia é algo que está presente em um número considerável de crianças. Pesquisas apontam que a taxa de incidência esteja entre 0,5% e 17% em todo o mundo. Ela comenta que todo profissional da educação, provavelmente, já teve algum aluno que demonstrou uma dificuldade acima do normal para sua idade.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região

As crianças com dislexia podem manifestar características como, por exemplo, dificuldades para ler, compreender, escrever, expressar-se, realizar operações matemáticas e cálculos. “Estes dois últimos se relacionam mais para a discalculia – o que também é distúrbio de aprendizagem. Outros sintomas são alteração brusca de humor e um ligeiro desinteresse por alguma tarefa”.

“Há diferentes graus do distúrbio. Em casos severos, o pequeno necessita de uma ajuda maior de seus pais e professores. Já quando vem mais brando, a pessoa apresenta certa autonomia para as tarefas pedagógicas”, comenta.

A importância do professor

 Luciana ainda explica que os educadores costumam ser os primeiros profissionais a terem contato com as dificuldades originadas pela dislexia. Por isso, é importante que o educador chame os pais para uma reunião na escola ao notar a dificuldade. “O próximo passo é a procura por especialistas que podem oferecer tratamentos específicos aos pequenos”.

“O diagnóstico e tratamento são feitos por meio de uma análise realizada por uma equipe que pode variar entre psicopedagogos, psicólogos, neuropsicólogos, psiquiatras e oftalmologistas. É importante ter esse acompanhamento com a proposta de proporcionar à criança uma intervenção eficaz para a sua vida pedagógica e social. Nos casos que forem necessários o uso de medicamentos, os profissionais da saúde irão auxiliar os pais”, conclui.

::. Participe do nosso grupo de WhatsApp .::

DEIXE SEU COMENTÁRIO

WhatsApp apresenta instabilidade nesta terça-feira (14)
Comarca de Itapiranga registra nova tentativa do golpe do falso juiz
Ministério mantém recomendação para extinguir horário de verão
Live solidária em prol da pequena Amanda arrecada R$ 50.448 mil
Acidente deixa uma pessoa gravemente ferida em Chapecó
Pinturas dão cores e vida ao elevado da BRF
Idosa com traumatismo craniano é transferida para Chapecó pelo Sara/SaerFron
Trânsito no Contorno Viário Oeste terá mudanças até a sexta (17) em Chapecó
Carro que foi levado em assalto é recuperado pela Polícia Militar em Chapecó
Mercado é arrombado em Caxambu do Sul