Economia empresarial: conheça as 6 principais crises das empresas

Para remediar o problema antes que ele se transforme em uma verdadeira crise, o especialista Milton Jaworski dá dicas empresariais para prevenção de riscos

- Publicidade -
 

Momentos de crise exigem cuidados redobrados em todos os aspectos da gestão corporativa, com foco na organização dos processos gerenciais e no planejamento de metas, objetivos e planos de ação para colocar a casa em ordem. Mas como proteger a rentabilidade da companhia quando os problemas chegam? Para se prevenir, é preciso prestar atenção nas 6 crises empresariais mais recorrentes no país.

De acordo com o especialista em administração Milton Jaworski, fundador da Jaworski Consultoria Empresarial, uma vez que a rentabilidade entra em queda, a competitividade e lucratividade tendem a seguir o mesmo destino. E tudo começa com a falta de planejamento. “É comum vermos gestores que não desenvolverem um planejamento estratégico – ou pior: até contam com o documento pronto, mas não o usam como o guia necessário. Sem uma estratégia bem definida, é impossível estabelecer os critérios certos para o crescimento”, afirma ele.

O segundo momento de crise está no mal uso do capital de giro, ou seja, aquele recurso usado para financiar o dia a dia das operações empresariais, seja para manter os estoques ou atender as despesas operacionais.

“A gestão desses recursos é um dos pontos mais complexos para os administradores e, em função de sua importância para a empresa, fazer ajustes com o apoio de uma consultoria empresarial pode ser fundamental, especialmente se a companhia começa a sofrer com falta de recursos e precisa recorrer à aportes externos, como empréstimos”, explica o especialista. Manter o capital de giro sadio é fundamental para que a empresa consiga dar conta de suas despesas. 

Já quando uma empresa começa a crescer, é natural que os empresários ou sócios-fundadores precisem delegar tarefas que antes eram executadas por eles mesmos, resultando, muitas vezes, em uma crise de delegação, que faz com que a empresa deixe de executar atividades com a mesma qualidade de antes.

“É importante lembrar que delegar não é abdicar, mas sim informar, capacitar e monitorar”, comenta Jaworski. Se há dificuldade neste quesito, as empresas podem contar com o apoio de uma consultoria de negócios, capaz de ajudar a identificar quais atividades devem ser prioridades para o empreendedor e o que deve ser distribuído.

Muito parecida com a crise de delegação está a crise de liderança. “Um bom líder sabe delegar e deixar que os colaboradores ou responsáveis executem as tarefas do jeito que entendem ser mais efetivo. Quando isso não é feito da forma correta, chega outra crise”, detalha ele.

Quando se obtém sucesso na divisão de tarefas, é necessário aprender a liderar e, sobretudo, motivar uma equipe em prol do crescimento empresarial. Ganhos financeiros e um bom salário são alguns dos fatores apontados para ter uma equipe motivada.

A quinta crise mais comum nas empresas é a da expansão. Afinal, toda empresa tem interesse em aumentar as receitas e o volume de negócios efetivados. No entanto, esse passo precisa ser feito de forma planejada e no momento adequado para que a companhia não seja obrigada a, no futuro, recolher suas operações. “Os empresários brasileiros já enfrentam uma série de desafios externos para expandir suas empresas, como a elevada carga tributária, dificuldade para crédito e os altos juros”, diz.

De acordo com o especialista, uma expansão bem sucedida é resultado de um planejamento estratégico bem executado. “Um dos grandes entraves é a elaboração de um planejamento que não leve em conta os novos custos reais, o contexto econômico, os novos concorrentes, entre outros aspectos importantes”, explica. 

Por último, mas não menos importante, está a crise da prosperidade. Assim como quando a economia do país não vai bem, as empresas são obrigadas a ter uma preocupação maior com seus custos, contenção de gastos e aumento da produtividade, o mesmo acontece com momentos de fartura.

“As épocas de prosperidade – de caixa cheio – precisam ser vividas com muita cautela”, complementa Jaworski. Para lidar com este momento, o especialista indica controlar custos, estar atento aos índices de produtividade e procurar melhorias constantes – seja na qualidade dos produtos, nos processos internos, no atendimento ao consumidor.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

BRDE libera quase R$ 20 milhões para obras viárias em Rio do Sul
Saque emergencial do FGTS pode injetar R$ 86 milhões na economia de Chapecó
Aurora Alimentos é a marca que mais conquistou consumidores neste ano
BNDES contrata R$ 3,3 bilhões em créditos para empresas
Sebrae abre inscrições para o Empretec Summit Brasil 2020
Brasil tem 12,2 milhões de pessoas sem trabalho, segundo IBGE
Correios apresentam proposta de acordo coletivo de trabalho
Dez dúvidas do brasileiro na hora de solicitar um empréstimo
Oeste recebe nove cursos gratuitos do Senar em agosto
Shopping de Chapecó altera horário de funcionamento