Epagri ajuda na recuperação das perdas rurais e pesqueiras após passagem de ciclone

Mais da metade dos municípios catarinenses tiveram famílias rurais ou pesqueiras com perdas principalmente na pecuária, olericultura, fruticultura, tabaco, reflorestamentos e flores ornamentais.

- Publicidade -
 

O governo do Estado, através da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural e da Epagri, já está providenciando meios de recuperar as perdas nos meios rural e pesqueiro, causadas pelo temporal que atingiu Santa Catarina nesta terça-feira, 30.


Segundo levantamento preliminar, mais da metade dos municípios catarinenses tiveram famílias rurais ou pesqueiras afetadas pelo ciclone, com perdas principalmente na pecuária, olericultura, fruticultura, tabaco, reflorestamentos e flores ornamentais. O vendaval também provocou acamamento nas culturas de inverno e danos na infraestrutura geral, como destelhamentos de residências e galpões, além de bloqueio de estradas. A pesca teve afundamento de embarcações e danos aos cultivos de moluscos.


O levantamento foi feito pelos extensionistas da Epagri em parceria com as Defesas Civis municipais para embasar ações de reconstrução. A Epagri está orientado os produtores que têm cultivos financiados via Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) a acessarem o Programa de Garantia de Atividade Agropecuária (Proagro), que é uma iniciativa do Governo Federal que garante o pagamento de financiamentos rurais de custeio agrícola quando a lavoura amparada tiver sua receita reduzida por causa de eventos climáticos ou pragas e doenças sem controle.


Humberto Bicca Neto, diretor de extensão da Epagri, acrescenta que também estão sendo estudadas formas de usar as políticas públicas existentes para a reabilitação da infraestrutura, aproveitando o Plano Safra 2020/21.


Para produtores rurais que possuem seguro para a infraestrutura danificada, a orientação é procurar as instituições para comunicar o sinistro. “A Epagri já está providenciando os laudos meteorológico e de determinação de perdas na propriedade para embasar os resgates de seguros e acesso ao Proago”, esclarece Humberto.

 

Prejuízos


Com a passagem do vendaval, a bovinocultura de leite enfrentou problemas relacionados à falta de energia elétrica, entre eles dificuldade de resfriamento do produto e para realização da ordenha e captação de água. O setor também foi afetado com danos em estábulos, cercas e estruturas, e queda de árvores que impediram a coleta do leite.

 

Na bovinocultura de corte, os principais danos foram em estruturas, cercas, saleiros e estábulos. A suinocultura e a avicultura sofreram com destruição de estruturas e falta de energia para acionar os alimentadores, a captação de água e a ventilação. Na piscicultura, a falta de energia impediu acionamento de aeradores e alimentadores.


Na olericultura os produtores rurais sofreram danos em abrigos protegidos e nos cultivos em geral. A cultura do tabaco enfrentou tombamento de plantas em lavouras mais adiantadas e cobertura arrancada em canteiros protegidos. Nas áreas de reflorestamento os principais problemas foram com quebra ou tombamento de árvores nos cultivos.


Os pomares de maçã tiveram suas coberturas de tele antigranizo arrancadas pelo vento, além de destelhamentos e danos em câmaras frigoríficas de armazenagem de frutas e de mudas. Os bananais tiveram plantas tombadas e desfolhadas, principalmente aquelas com cachos bem formados, além de galpões de classificação destelhados e danificados. O levantamento da Epagri identificou perdas de 20 a 100% nos cultivos de banana e palmito no Litoral Norte do Estado. As culturas de inverno foram prejudicadas com acamamento.


Além de prejuízos nos cultivos, o levantamento da Epagri também aponta perdas na infraestrutura e residências do meio rural. Foram identificados danos, às vezes totais, outras vezes parciais, de casas, galpões para maquinários, depósitos temporários e galpões de classificação de frutas e olerícolas. Destelhamentos, quedas de árvores, bloqueios de estradas e danos à rede elétrica também aparecem no relatório da Epagri.

 

Solidariedade


Edilene Steinwandter, presidente da Epagri, lembra que estruturas da Empresa, como escritórios municipais, gerências regionais, estações experimentais e centros de treinamento sofreram prejuízos materiais, principalmente destelhamentos e quedas de árvores.


Em alguns casos, os estragos podem prejudicar os atendimentos ao público, por isso, antes de se deslocar a qualquer unidade da Epagri, o interessado precisa se informar sobre as condições do local. Os contatos das unidades podem ser conferidos aqui.


A presidente destaca que este levantamento é preliminar e segue em atualização, já que existem comunidades rurais que ainda estão com acesso dificultado, e algumas unidades da Empresa ainda estão com problemas de comunicação.


Ela reforça o conteúdo da nota distribuída pela Epagri na quarta-feira, se solidarizando com o sofrimento dos catarinenses atingidos pelo temporal, especialmente aqueles que tiveram perdas de entes queridos, e lembra que o momento é de força e união para reconstrução do Estado.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

SC chega a mais de 100 mil casos e 1,4 mil mortes por coronavírus
Amanda Soave é sorteada e receberá o medicamento Zolgensma para o tratamento da AME
Motociclista fica preso embaixo de caminhão em acidente em Saltinho
Veículo tem danos de grande monta após acidente em Descanso
Senai lança desafios para alunos dos cursos de aprendizagem
Enem 2020: diferente maneiras de estudar ajudam a fixar conteúdo
Segunda etapa do Ciclo de Estudos reúne 300 professores da Unochapecó
Polícia recupera máquina de sorvete que foi produto de estelionato em Chapecó
Ônibus pega fogo na SC-283 em Caibi
1,5 km da Rua Mascarenhas de Moraes receberá em melhorias em Chapecó