Ex-prefeito de Nova Itaberaba perde direitos políticos por três anos

Antônio Ferrarini é acusado de tentar utilizar verbas públicas na implantação de loteamento particular

- Publicidade -
 

Depois de incluir a infraestrutura de um loteamento de sua propriedade em uma licitação do município, o ex-prefeito de Nova Itaberaba, Antônio Domingos Ferrarini, foi processado pelo Ministério Público do Estado (MPSC) e condenado por ato de improbidade administrativa. As sanções aplicadas pelo Poder Judiciário foram a suspensão dos direitos políticos por três anos e multa de cinco vezes o valor da remuneração que recebia na época dos fatos.

A Ação Civil Pública foi ajuizada pelo promotor de Justiça Jackson Goldoni, então titular da 10ª Promotoria de Justiça da Comarca de Chapecó, após apurar que em 2012, quando exercia o mandato de prefeito, Ferrarini incluiu duas ruas de um loteamento particular, que ele mesmo estava construindo, em licitação do município para pavimentação de vias públicas.

::: Participe do nosso grupo de WhatsApp :::

Após tomar conhecimento da apuração da ilegalidade pelo MPSC, as duas ruas do loteamento foram retiradas da licitação e, conforme informado pelo município, foi o próprio loteador – o ex-prefeito – quem acabou pagando pelo serviço. No entanto, a Promotoria destaca que não é necessário o dano ao erário ou o enriquecimento ilícito para configurar o ato de improbidade, mas tão somente a violação aos princípios da moralidade administrativa.

No caso, argumenta o Ministério Público, a conduta ímproba de Ferrarini se consumou com o lançamento da licitação que incluiu as obras particulares e assim afrontou os princípios da legalidade, da honestidade, da imparcialidade e da lealdade às instituições. O ex-prefeito apelou da decisão e o recurso, que foi contra-arrazoado pela 10ª Promotoria de Justiça, está pendente agora de julgamento pelo Poder Judiciário.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região :::

“A administração pública deve se pautar pela supremacia do interesse público. Quando essa lógica é invertida, ou seja, quando as satisfações pessoais dos agentes públicos preponderam sobre a busca pelo bem comum, aí haverá um ato de improbidade a ser reprimido pelo Poder Judiciário”, considerou o promotor de Justiça Diego Barbiero, que atualmente responde pela 10ª Promotoria de Justiça. (ACP n. 0004456-42.2013.8.24.0018)

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Bolsonaro anuncia Milton Ribeiro como novo ministro da Educação
Digitalização acelera análise de obras em Pinhalzinho
Deputados cobram mais leitos de UTI nos hospitais de Santa Catarina
Governo catarinense pede autorização para abertura de crédito de R$ 75 milhões para a covid
Comissão Gestão de Águas realiza encontro com moradores do loteamento Zanrosso
Morre Nelso Foralosso, ex-vereador de Xavantina
Luciane Stobe confirma sua pré-candidatura a prefeita de Chapecó
CPI dos Respiradores encaminha 15 perguntas ao governador Carlos Moisés
Governo do Estado anuncia Enio Parmeggiani no comando da SCPar
Douglas Borba e advogado deixam a prisão após conseguirem habeas corpus