Ex-prefeito e ex-secretário de Saltinho são condenados por improbidade

Eles foram acusados por compras sem licitação na empresa da filha do ex-secretário

- Publicidade -
 

O ex-prefeito e o ex-secretário de Agricultura do município de Saltinho, no Extremo-Oeste, ambos com mandatos entre 2011 e 2014, foram condenados por improbidade administrativa. Eles foram acusados por compras sem licitação na empresa da filha do ex-secretário. Ela também foi condenada, assim como a empresa.

Na denúncia apresentada, estão 69 notas fiscais emitidas entre 2013 e 2014. Os valores somam R$ 43.457,40 em tinta, pincel, rolo de espuma, solvente, broxa para pintura, tijolos, alvenarite, mangueira, cimento, areia, fita isolante, piso cerâmico esmaltado, argamassa, dentre outros itens correlatos. De acordo com o art. 24, II, da Lei n. 8.666/1993, compras acima de R$ 8 mil feitas pelo poder público necessitam de licitação.

::: Participe do nosso grupo de WhatsApp :::

O ex-secretário, a filha dele e a empresa da família foram condenados, individualmente, ao pagamento de multa civil no valor de cinco vezes o último salário recebido pelo parlamentar, em 2014, corrigido até a data da publicação da sentença. Eles também estão proibidos de contratar com o poder público por três anos.

Ao ex-prefeito também foi imputada multa civil no valor de cinco vezes o último salário recebido em 2014, corrigido até a data de publicação da sentença. Ele e o ex-secretário tiveram suspensos os direitos políticos por quatro anos. Os recursos oriundos das multas civis serão destinados ao município de Saltinho.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região :::

O processo tramita na Vara Única da comarca de Campo Erê. O juiz responsável destacou, na sentença, que a configuração da improbidade no caso concreto independe de qualquer indagação quanto ao valor global das compras e da viabilidade de licitação. “Ainda que correta a dispensa, o município jamais poderia ter optado por contratar pessoa jurídica de propriedade do secretário municipal e de seus familiares em razão da manifesta ofensa ao princípio da impessoalidade”, explica.

O argumento da defesa foi de que os acusados optavam por contratar fornecedores do próprio município para fomentar o comércio local e que, nesse ramo, não havia outro fornecedor. “Ainda que esta alegação fosse verdadeira, a opção por conceder preferência a fornecedores locais por si só configuraria ato de improbidade administrativa por inviabilizar a competição e pelo fato de pulverizar os custos entre os moradores, mas concentrar os ganhos entre os mais prósperos”, ressalta o magistrado. Cabe recurso da decisão.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Pedido de criação da CPI do Nepotismo ganha força em Chapecó
Ex-prefeito e ex-secretário de Mondaí são condenados por cobrança de “dízimo” de comissionados
Deputados se reúnem no Dnit para tratar sobre rodovias federais do Oeste
PP de Chapecó elege nova comissão executiva
Promotores conversam com estudantes sobre corrupção
Acamosc elege nova diretoria para a gestão 2020
Prefeito Glauber Burtet assume presidência da Amosc
PP de Chapecó realiza convenção municipal neste sábado (7)
Governo do Estado libera R$ 8 milhões para obras na região do Alto Uruguai
Luciano Buligon faz balanço das ações deste ano e projeções para 2020