Fecam diz: presidente destoa, desinforma e deve ser ignorado

Entidade que representa os municípios catarinenses emite nota pedindo lucidez e responsabilidade frente à pandemia de coronavírus

- Publicidade -
 

Através de nota, a Federação Catarinense de Municípios, Associações de Municípios e Consórcios (Fecam), diz estar preocupada com o pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, em rede nacional na noite desta terça-feira (24). Ela se manifestou em relação aos riscos causados na fala de Bolsonaro ao se referir à situação do coronavírus (Covid-19) no País.

A Fecam escreve que “tal pronunciamento inadequado gera graves conflitos político-institucionais, riscos à população, falta de unidade institucional e prejuízo à consolidação de estratégias nacionais para enfrentar a pandemia e proteger a vida e a saúde da população brasileira. Ainda, a entidade ressalta que manterá sua posição de ouvir as autoridades sanitárias.

“Espelhando-se no que as instituições públicas, entidades e a maioria das lideranças brasileiras propõe e implementam: o isolamento social e a tomada de medidas preventivas, em esforços conjuntos para preparar a nação brasileira no enfrentamento da pandemia que ameaça toda a sociedade, a economia e nosso futuro”.

A entidade ressaltou ainda que estados e municípios tomam medidas, com coragem e protagonismo, na função de cumprir medidas estaduais e locais. “No Brasil, em posição inaceitável, o presidente destoa, desinforma e deve ser ignorado. A gestão pública catarinense, unida, continua agindo determinada em proteção à população. A Fecam pede que o Estado de Santa Catarina se mantenha firme e reafirme sua posição de restrições”.

Para a Fecam, as medidas de isolamento social devem ser asseguradas. “As restrições de circulação são ações responsáveis e ainda precisam ser mantidas. O posicionamento do governo do Estado de Santa Catarina, preditivo, antecipatório e precursor, merece apoio do municipalismo e a mesma posição deve ser assumida pelas forças produtivas e a sociedade em geral”.

“Em um Estado produtivo e pujante como Santa Catarina, com equilíbrio, as autoridades têm ajustado critérios e limites de forma responsável em defesa da população. Que toda a sociedade tenha paciência e firmeza para sustentar mais alguns dias de medidas duras e necessárias para abreviar a duração da pandemia, pois os entes públicos e sistema de saúde precisa desse tempo para enfrentar adequadamente o que vem pela frente”.

Saulo Sperotto, pelo Conselho Executivo da Fecam

DEIXE SEU COMENTÁRIO

SC registra mais 39 mortes nesta terça-feira
32 pacientes com coronavírus estão internados em UTIs em Chapecó
23ª morte por coronavírus é confirmada em Chapecó
Mais 21 mortes por coronavírus são registradas no estado
Imunologista explica o que o coronavírus faz com o nosso corpo
Pesquisa quer voluntários para saber relação entre genética e covid-19
Coronavírus: 34 pessoas estão internadas na UTI em Chapecó
Coronavírus deixa 135 mortos em três dias em Santa Catarina
Fiocruz vai produzir 100 milhões de doses de vacina contra covid-19
Mais três mortes por coronavírus são registradas e Chapecó chega a 22 mortes