Fecam diz: presidente destoa, desinforma e deve ser ignorado

Entidade que representa os municípios catarinenses emite nota pedindo lucidez e responsabilidade frente à pandemia de coronavírus

- Publicidade -
 

Através de nota, a Federação Catarinense de Municípios, Associações de Municípios e Consórcios (Fecam), diz estar preocupada com o pronunciamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, em rede nacional na noite desta terça-feira (24). Ela se manifestou em relação aos riscos causados na fala de Bolsonaro ao se referir à situação do coronavírus (Covid-19) no País.

A Fecam escreve que “tal pronunciamento inadequado gera graves conflitos político-institucionais, riscos à população, falta de unidade institucional e prejuízo à consolidação de estratégias nacionais para enfrentar a pandemia e proteger a vida e a saúde da população brasileira. Ainda, a entidade ressalta que manterá sua posição de ouvir as autoridades sanitárias.

“Espelhando-se no que as instituições públicas, entidades e a maioria das lideranças brasileiras propõe e implementam: o isolamento social e a tomada de medidas preventivas, em esforços conjuntos para preparar a nação brasileira no enfrentamento da pandemia que ameaça toda a sociedade, a economia e nosso futuro”.

A entidade ressaltou ainda que estados e municípios tomam medidas, com coragem e protagonismo, na função de cumprir medidas estaduais e locais. “No Brasil, em posição inaceitável, o presidente destoa, desinforma e deve ser ignorado. A gestão pública catarinense, unida, continua agindo determinada em proteção à população. A Fecam pede que o Estado de Santa Catarina se mantenha firme e reafirme sua posição de restrições”.

Para a Fecam, as medidas de isolamento social devem ser asseguradas. “As restrições de circulação são ações responsáveis e ainda precisam ser mantidas. O posicionamento do governo do Estado de Santa Catarina, preditivo, antecipatório e precursor, merece apoio do municipalismo e a mesma posição deve ser assumida pelas forças produtivas e a sociedade em geral”.

“Em um Estado produtivo e pujante como Santa Catarina, com equilíbrio, as autoridades têm ajustado critérios e limites de forma responsável em defesa da população. Que toda a sociedade tenha paciência e firmeza para sustentar mais alguns dias de medidas duras e necessárias para abreviar a duração da pandemia, pois os entes públicos e sistema de saúde precisa desse tempo para enfrentar adequadamente o que vem pela frente”.

Saulo Sperotto, pelo Conselho Executivo da Fecam

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Governo do Estado registra a segunda morte pelo novo coronavírus em Santa Catarina
Ministérios vão agir de forma integrada durante a crise do novo coronavírus
Casos de coronavírus sobem para 219 em Santa Catarina
Com escolas em quarentena, Startup leva simulado do ENEM on-line a estudantes
Senado aprova benefício de R$ 600 a autônomos e informais
Câmara Municipal de Chapecó realiza sessão ordinária virtual
Centro de Triagem para pacientes com sistemas respiratórios já funciona em São Miguel do Oeste
Como se comportar nas compras para diminuir risco de contrair o novo coronavírus
Sobe para 159 o número de mortes por causa do coronavírus no Brasil
Senai oferece 100 mil vagas gratuitas em cursos à distância durante pandemia do coronavírus