Gilmar Mendes remete decisão de empossar João Rodrigues ao TSE

Ministro indeferiu o pedido para o ex-deputado assumir imediatamente o cargo

- Publicidade -
 

Bruno Pace Dori

politica@diariodoiguacu.com.br


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), remeteu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o pedido da defesa do ex-deputado federal João Rodrigues (PSD) para empossá-lo na Câmara dos Deputados. Embora tenha concedido um habeas corpus a Rodrigues, em 12 de abril, Mendes destacou nesta decisão que “limitou-se a afastar a inelegibilidade que decorria da condenação criminal por pena prescrita e sem comprovação de dolo específico”. Deste modo, ele indeferiu o pedido para empossar imediatamente o ex-deputado.

Últimas notícias

Para o ministro, em relação à eleição de 2018, o deferimento da candidatura de Rodrigues deve ser analisado pela Justiça Eleitoral, uma vez que “a diplomação e posse do paciente demanda a análise de diversas outras questões e requisitos eleitorais não diretamente relacionados ao processo penal e à condenação imposta ao paciente. Em relação ao pleito eleitoral de 2018, devem ser analisadas pela Justiça Eleitoral, especialmente pelo TSE, onde tramita o recurso do paciente contra o indeferimento do registro de candidatura”, escreve.

TRE/SC

Após o habeas corpus concedido por Mendes, a defesa de João Rodrigues ingressou com pedido de diplomação e posse no Tribunal Regional Eleitoral de SC (TRE/SC), porém, o desembargador Ricardo Roesler negou o pedido. Ele alegou que a liminar concedida pelo ministro não alterava o registro de candidatura, que “permanecia indeferida e sub judice”. Roesler argumenta que o habeas corpus tem validade para futuras eleições, mas não altera o indeferimento que a candidatura do ex-deputado sofreu processo eleitoral de 2018.

O caso

Com base na decisão do ministro Gilmar Mendes, o advogado Marlon Bertol agora apresentou pedido de posse de João Rodrigues junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Entrou também com recurso sobre o acórdão do julgamento realizado pelo TSE que indeferiu a candidatura do político. Em 2018, João Rodrigues teve seu pedido de registro de candidatura à reeleição indeferida pelo TSE, com base na Lei da Ficha Limpa. Na ocasião, o ex-deputado argumentou que a condenação estava prescrita, mas a tese não foi acatada pela Justiça Eleitoral.

Rodrigues foi condenado pela segunda instância da Justiça Federal a 5 anos e 3 meses de prisão por dispensa irregular de licitação, quando ocupou o cargo de prefeito em exercício de Pinhalzinho, no Oeste. Rodrigues concorreu “sub judice”, fez quase 68 mil votos, que lhe daria uma vaga na Câmara dos Deputados, mas não assumiu o cargo. “O Ministério Público Federal diz que a condenação prescreveu e o ministro Gilmar Mendes sustenta no habeas corpus que não houve danos ao erário público. Fui vítima de uma injustiça história”, diz Rodrigues.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

PSDB de Chapecó trabalha de olho em 2020
Mourão participa de evento em Florianópolis
Governo do Estado paga primeira parcela do 13º salário
PSC se reestrutura e cresce em Chapecó
Sicom de Chapecó recebe homenagem da Câmara Municipal
Vereadores de São Lourenço do Oeste aprovam alteração no Plano Diretor
Câmara de São Miguel do Oeste aprova projetos
Projetos dos incentivos fiscais são aprovados na Alesc
Lei permitirá a regularização de imóveis irregulares e clandestinos em Chapecó
Ex-prefeito de Abelardo Luz tem bens bloqueados