Governador Carlos Moisés pode ser investigado na CPI dos Respiradores

Relator diz que assinatura do governador consta em um documento de proposta mais em conta para a compra dos equipamentos

- Publicidade -
 

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), pode passar a ser investigado dentro da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Respiradores, criada pela Assembleia Legislativa do Estado (Alesc) para apurar a compra de 200 respiradores, através de dispensa de licitação, por R$ 33 milhões. A informação foi confirmada pelo relator da CPI, deputado Ivan Naatz (PL), entretanto, ainda não é consenso entre os nove parlamentares que compõem a Comissão.

Na quinta-feira (21), Naatz apresentou documentos que comprovam que o governo de Santa Catarina tinha uma proposta mais barata para a aquisição de respiradores para o tratamento à covid-19. A proposta apresentada pela empresa Intelbras, sediada em São José (SC), era de R$ 7 milhões, para a entrega de 100 respiradores, ou seja, R$ 70 mil por aparelho. Os aparelhos comprados pelo Estado da empresa Veigamed, de Nilópolis (RJ), custaram R$ 165 mil cada um.

Deputado apresenta documento que mostra proposta mais barata por respiradores

Conforme Naatz, em um dos documentos do contrato com a Intelbras consta a assinatura do governador e, por isso, Moisés entra no rol de investigados da CPI. O documento em questão é o protocolo de intenção, de 24 de março, assinado pelo governador e pelo então secretário de Estado da Saúde, Helton Zeferino. O relator da CPI complementou que no dia 2 de abril, um funcionário do Fundo Estadual de Saúde autorizou a compra dos 100 respiradores da Intelbras.

“Então o governo do Estado, no dia 28 (de março), já tinha conhecimento que podia comprar 100 respiradores por R$ 7 milhões e ele insistiu na compra com a Veigamed. Tudo isso teve a participação direta do governador do Estado, porque ele tinha conhecimento do protocolo de intenções, que ele assinou no dia 24 de março”, disse Naatz. Com a Intelbras, a administração não concordou em fazer o pagamento antecipado, diferente do que houve com a Veigamed.

CPI sobre compra de respiradores pelo governo é instalada e elege presidente e relator

No caso da empresa fluminense, que recebeu R$ 33 milhões de forma antecipada sem dar nenhuma garantia de entrega dos respiradores, o procedimento com a empresa catarinense foi diferente. Para o deputado Milton Hobus (PSD), que faz parte da CPI, o procedimento feito com a Intelbras foi correto, uma vez que o pagamento será realizado só depois da entrega dos respiradores. “É preciso entender o motivo de o governo ter adotado ações diferentes”, disse.

Conforme Hobus, a Intelbras poderia trazer os 200 equipamentos pela metade do valor que foi pago à Veigamed. “Para a empresa fake, a Veigamed, que não tem expertise, foi paga R$ 33 milhões antecipadamente”. Segundo Naatz, a diferença de preço dos respiradores da Intelbras para os da Veigamed é de R$ 100 mil, e prejuízo chega a R$ 20 milhões. “Por que o governador preferiu pagar mais caro e adiantado, fora do procedimento administrativo correto?”, comentou.

Compra de respiradores gera grave denúncia contra governo de Santa Catarina

O protocolo de intenções assinado em 24 de março pelo governo do Estado com a Intelbras autorizou a importação de 100 respiradores modelo VG70, fabricados pela chinesa Aeonmed. Serão pagos R$ 7.147.387,50, sendo R$ 311.886,00 em despesas com a importação. Por nota, a Intelbras confirma o contrato para compra dos produtos, porém, “diante das dificuldades de confirmação da autorização para a importação, corre-se o risco de cancelamento da compra”.

O respirador modelo VG70 é o mesmo que foi oferecido pela Veigamed ao governo de Santa Catarina no início do processo de contratação. Mas, depois foi alterado para o Shangrila S510. Da compra de 200 respiradores, apenas o primeiro lote, com 50 unidades, foi entregue até o momento. Eles seguem retidos no aeroporto de Florianópolis. Existe ainda a suspeita de que o modelo Shangrila S510 pode não servir para ser usado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Processo licitatório do novo Contorno Viário de Chapecó já está homologado
Vereador de Chapecó pede retorno das atividades turísticas em Santa Catarina
Chapecó acata recomendação e anula estabilidade de servidor com irregularidades em estágio probatório
Empresário afirma à CPI dos Respiradores que queria apenas ajudar Santa Catarina
Atual secretário da Saúde nega participação na compra dos respiradores
Deputados estaduais cobram socorro para o setor leiteiro
TSE decide que convenções partidárias poderão ser realizadas por meio virtual
Comissão Especial de Gestão de Águas realiza sua primeira reunião em Chapecó
Ex-secretário da Saúde nega ter autorizado pagamento antecipado na compra dos respiradores
Polícia apreende drogas, dinheiro e rádios comunicadores em operação em Chapecó