Jornal impresso: segurança no manuseio das páginas e garantia de credibilidade na informação

Em tempos de coronavírus o Diário do Iguaçu incorporou a sua rotina medidas preventivas para garantir a saúde e segurança de funcionários, leitores e continuar levando conteúdo sério e verdadeiro até você

- Publicidade -
 

Em meio à pandemia de coronavírus onde a recomendação é evitar o contato, higienizar as mãos e superfícies, o jornal impresso se mantém como um meio seguro para a população. Além de informar com credibilidade, a segurança chega também no momento de folhear cada página. Utilizando materiais que esterilizam e não fazem mal à saúde, o Diário do Iguaçu implementou em sua rotina medidas preventivas para enfrentar essa pandemia de coronavírus e entregar a cada assinante e cliente um produto de qualidade e seguro.

“Em 30 anos de profissão no meio impresso, passando por esse momento de dificuldade devido ao coronavírus ainda entendemos que o jornal impresso é o meio de maior confiabilidade entre os veículos de comunicação, é seguro no manuseio, no transporte e na chegada da informação”, reforça o presidente da Associação de Diários do Interior de Santa Catarina (ADI/SC) e do Diário do Iguaçu, Lenoires da Silva.

Escalas de trabalho

Todos os setores do DI receberam medidas de segurança para manter o jornal entregue todos os dias na casa de leitores, assinantes e clientes. Escalas de trabalho foram montadas para que o contato fosse o mínimo possível. Álcool em gel, luvas e orientações de higiene das mãos e superfícies são feitas pelas equipes durante a permanência na empresa e fora dela também.

“Nos setores administrativo e comercial não há atendimento ao público externo, o fluxo de funcionários circulando na empresa também foi reduzido, de acordo com a necessidade, pensando na segurança de todos. Uns vêm no período da manhã e outros à tarde. Os materiais são separados e higienizados sempre antes de começar a trabalhar. Álcool em gel sempre, tanto para as mãos quanto nas superfícies. Cada um usa o seu material de trabalho como teclados e mouses.  Maçanetas e banheiros recebem higienização todos os dias e a cada uso”, afirmou a gerente administrativa do DI, Daiana Bianchi.

Redação

Na redação, a equipe se dividiu, uns na redação, respeitando a distância correta e reforçando a higienização do espaço e outra parte trabalha em home office. Sempre em contato direito com a redação e a editora-chefe, para alinhar a produção do conteúdo que chega todos os dias até você.  

Setor gráfico e de circulação

A gráfica é o local onde o jornal é impresso para depois ser encartado e montado para ser entregue. O número de profissionais que trabalham na gráfica foi reduzido para evitar aglomerações. Como já seguiam um protocolo de segurança com luvas e máscaras, reforçaram os cuidados e também a higienização das mãos e do ambiente. Para a impressão do jornal é usada tinta à base de óleo e álcool isopropílico 100% – que é aplicado nos rolos de impressão e, automaticamente, esteriliza o papel.

Após esse processo é a vez dos entregadores. Divididos em escalas de horários diferentes, cada um segue para seus roteiros da cidade. De acordo com o gerente de Logística do DI, Valdecir Bertolo, cada colaborador ao chegar higieniza as mãos e as motocicletas. Após o retorno das entregas, higieniza as mãos novamente com álcool em gel.

“Nós da entrega temos uma equipe de 12 a 15 pessoas, incluindo o pessoal da gráfica, e estamos vindo em horários diferentes para evitar aglomerações. Estamos nos cuidando, não dividimos materiais e alguns entregadores também usam máscaras”. O gerente reforça que o manuseio do jornal tanto pelos entregadores quanto por quem recebe em casa ou nas empresas é seguro.

Credibilidade na hora de informar

Em uma realidade onde as fake news se espalham de forma rápida, manter a confiança dos leitores e clientes é fundamental. Mas isso só é possível quando se busca a informação correta, a verdade dos fatos, apurando, investigando e ouvindo todos os lados. Uma informação de credibilidade e que chega direta ao consumidor do DI.

Quem lê jornal é alguém que busca a informação completa e com um conteúdo de credibilidade. Lenoires afirma que o trabalho desenvolvido pelos jornais impressos é reconhecido pelos poderes públicos e também no mundo, tendo seguidamente citadas suas manchetes que trazem assuntos de interesse mundial como é o caso da pandemia do novo coronavírus.

“O jornal impresso é um grande líder na opinião pública, referência para os demais veículos de comunicação, que informa e orienta a população. A Associação de Diário do Interior de Santa Catarina (ADI-SC) tem um trabalho fundamental junto aos órgãos públicos, levando a integração editorial com os jornais do Estado para todas as regiões de SC, fazendo um trabalho integrado com as comunidades, levando informação com assuntos relevantes e de credibilidade”, salienta.

“Pedimos aos catarinenses que usem o jornal impresso como meio de propaganda para seus produtos, que associem suas marcas ao veículo impresso. Isso é levar a sua marca e seu produto com seriedade”, finaliza Lenoires da Silva.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Ansiedade: como lidar com ela no cenário em que vivemos?
Santa Catarina confirma 10.532 casos e 156 mortes por covid-19
Hospital de Xanxerê está com 90% da UTI ocupada
Frigoríficos começam a se adequar à proteção de indígenas no Oeste
Reunião debate novas medidas de enfrentamento a covid-19 em Chapecó
Um mês sem morte por coronavírus: O que Floripa fez?
548 pacientes estão recuperados do coronavírus em Chapecó
De 16 países, Brasil é o que mais sofre com ansiedade por causa da pandemia
SC passa de 10 mil casos de coronavírus e mortes chegam a 152
36 mil testes rápidos são entregues no Oeste