Juíza autoriza transplante de fígado intervivos para adolescente em Chapecó

Doadora é amiga da família e pediu para doar parte de seu fígado para a menina

- Publicidade -
 

Em pouco mais de 24 horas, entre terça e quarta-feira desta semana, a juíza Maira Salete Meneghetti, titular da 4ª Vara Cível da comarca de Chapecó, decidiu autorizar um transplante de fígado intervivos que é quando retiram uma parte do fígado de uma pessoas perfeitamente sadia. O pedido foi feito voluntariamente pela doadora, amiga da família da paciente, de apenas 13 anos, acometida de leucinose.

A Justiça levou em consideração também que a doadora, de 45 anos, estava ciente sobre o método usado para retirada de parte do fígado e dos riscos inerentes ao procedimento. Ela assinou todos os termos de consentimento exigidos protocolarmente. A compatibilidade entre doadora e receptora também foi confirmada por meio de testes e exames exigidos, que foram realizados pelo hospital e médico responsáveis.

A doadora disse, em seu pedido, que acompanha o sofrimento da família há anos e por isso ofereceu ajuda.

Em sua decisão, a magistrada citou o artigo 9º da Lei n. 9.434/97, que diz que "é permitida à pessoa juridicamente capaz dispor gratuitamente de tecidos, órgãos e partes do próprio corpo vivo, para fins terapêuticos ou para transplantes em cônjuge ou parentes consanguíneos até o quarto grau, (...) ou em qualquer outra pessoa, mediante autorização judicial, dispensada esta em relação à medula óssea".

Na parte final da sentença, Maira demonstrou a sensibilidade da equipe com o caso: "(...) rogando-se, desde já, votos sinceros desta magistrada e de todos os servidores da 4ª Vara Cível desta comarca de pleno sucesso na transplantação, para uma vida saudável, bem como o reconhecimento e elogio à pessoa da doadora pelo gesto de solidariedade, humanidade e empatia". A cirurgia está marcada para segunda-feira (14) em um hospital de São Paulo.

 ::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó

A doença

De acordo com a Rede DXB, instituição brasileira pesquisadora da doença, a síndrome também é conhecida como Doença da Urina do Xarope do Bordo (DXB). Trata-se de uma anomalia genética rara que interfere no metabolismo. Com isso, ocorre acúmulo de alguns aminoácidos, o que afeta principalmente o sistema nervoso central. Em alguns casos, o paciente pode evoluir para convulsão, coma e óbito. Estima-se que, no mundo, a leucinose se manifesta em um a cada 185 mil nascidos.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Projeto do Ceom/Unochapecó é aprovado em edital estadual
Motorista sai de pista e bate em poste em Palmitos
MPSC requer interdição imediata de escola pública e ginásio de Seara
Acidente deixa duas pessoas feridas em Maravilha
Duas pessoas ficam feridas em acidente em Itapiranga
Motociclista fica ferido em saída de pista em Ipumirim
Motorista fica ferido em acidente com caminhão em Ponte Serrada
Igreja do interior de São Carlos é revitalizada
Homem que matou madrasta é condenado a 20 anos de prisão
Novo hospital da Unimed é inaugurado oficialmente em Chapecó