Justiça do trabalho tenta novo acordo entre chapecoense e famílias das vítimas de acidente aéreo

Crise financeira associada à suspensão das partidas fez com que clube atrasasse parcelas de acordos firmados em anos anteriores

- Publicidade -
 

Advogados da Chapecoense e de seus credores trabalhistas participaram na quinta-feira (2) de uma audiência por videoconferência, mediada pela Justiça do Trabalho, para tentar renegociar parcelas em atraso de acordos firmados em 28 processos. A maior parte deles refere-se ao acidente aéreo que vitimou 71 pessoas em novembro de 2016, entre atletas, demais empregados do clube, dirigentes, profissionais de imprensa e tripulantes.

O clube fez uma proposta, as partes debateram e, depois de três horas de reunião, foi formulada uma segunda proposta. Os credores ficaram de dar uma resposta no dia 14 de julho, em nova audiência já agendada pelo juiz Roberto Nakajo, gestor da Execução no TRT-SC.

A Chapecoense vem enfrentando problemas financeiros desde o ano passado, com a má campanha na Série A do campeonato brasileiro e a consequente queda para a Série B. Além de perder receita com a debandada de sócios, entrou 2020 com R$ 11 milhões a menos no orçamento, equivalente a direitos de transmissão de partidas e outros patrocínios, conforme informação de seu próprio presidente, Paulo Magro, em entrevista concedida ao Yahoo Esportes.

Com a pandemia e a suspensão das partidas, a situação se agravou. Conforme informações que constam no site do próprio clube, fechou o primeiro trimestre com déficit de R$ 4,3 milhões. Em relação aos acordos trabalhistas, foram pagos até agora R$ 11 milhões, cerca de 30% da dívida negociada.

De acordo com Roberto Nakajo, as partes se mostraram dispostas ao entendimento, levando o magistrado a agendar uma segunda audiência. “É um caso que requer uma atenção especial da Justiça do Trabalho. Envolve um dos principais clubes do futebol catarinense e famílias que passaram por aquela que é considerada a maior tragédia do futebol brasileiro. Por isso entendo que a conciliação é a melhor solução que podemos alcançar, principalmente neste grave momento de pandemia”, afirma Nakajo.

Esta é a terceira vez que a Justiça do Trabalho de Santa Catarina é chamada para uma conciliação global de dívidas de clubes de futebol. Em 2014, foi a vez do Avaí e, neste ano, o Figueirense - ambas realizadas com sucesso.

O que diz a Chapecoense:

 “A respeito das informações divulgadas na última quinta-feira (2), que dão conta da tentativa de acordo, por parte da Chapecoense e as famílias das vítimas perante a Justiça do Trabalho - o clube informa de maneira oficial, através do seu  vice-presidente jurídico Ilan Bortoluzzi Nazário,  que há negociações em trâmite, conquanto, ressalta ser prudente, ético e respeitoso que somente comente sobre respectivo assunto após concretizado o ato jurídico. Além disso, não são somente as vítimas, mas todos os processos dos quais foram realizados acordos no âmbito da Justiça do Trabalho. Pede-se a compreensão de todos neste momento, e, futuramente caso seja possível trataremos de assunto específico e demais envolvendo matérias jurídicas da Chapecoense”.

 


DEIXE SEU COMENTÁRIO

Louzer faz alerta sobre vantagem da Chapecoense: "Não adianta sentar no resultado"
Chapecoense já está no Sul do Estado para a decisão contra o Criciúma pelo Catarinense
Chape agenda exames de Thiago Ribeiro e Lucas Tocantins e sonha com ex-Corinthians
Chapecoense vence Criciúma e abre vantagem na briga por vaga à final do Catarinense
Atleta Patrícia Maldaner, da Chapecoense, é convocada para a seleção brasileira sub-17
Em confronto entre irmãos, Chapecoense recebe Criciúma pela semifinal do Catarinense
Chapecoense pode chegar à quinta final consecutiva no Campeonato Estadual
Umberto Louzer celebra 100° jogo como treinador com classificação da Chapecoense
Chapecoense empata na capital, elimina Avaí e pega Criciúma na semifinal do Catarinense
Chapecoense defende vantagem em jogo decisivo diante do Avaí na Ressacada