Maurício Ramos sobre protestos dos torcedores da Chapecoense: Estão no direito deles

Zagueiro diz que torcida tem direito de protestas, mas também pediu apoio

- Publicidade -
 

Os resultados paralelos ajudaram no último fim de semana, faltou a Chapecoense se ajudar. Com a derrota do Fluminense para o Atlético-MG por 2 a 1, em Belo Horizonte, o clube do Oeste catarinense teria saído da zona de rebaixamento da Série A do futebol brasileiro se tivesse vencido o Ceará no sábado (10), na Arena Castelão, em Fortaleza (CE), mas foi goleado por 4 a 1, pela 14ª rodada.

A Chape caiu uma posição na tabela com o empate do Cruzeiro por 2 a 2 com o Avaí, em Florianópolis, mas este duelo nada influenciaria em caso de vitória verde-branca na capital cearense. Continua com 10 pontos, mas agora em 18º lugar. A Raposa abre o Z4 com 11 pontos. O primeiro time fora da faixa do descenso é o Fluminense, com 12.

A goleada para o Ceará causou revolta. A Arena Condá amanheceu no domingo (11) com quatro faixas de protesto. Uma delas, inclusive, dizia “Fora, Maninho”, em referência ao presidente Plínio David De Nes Filho, o mais cobrado pela torcida. À noite, torcedores foram ao aeroporto de Chapecó para protestar no desembarque da delegação. Um dos gritos era de “time sem vergonha”.

O zagueiro Maurício Ramos disse que a torcida é livre para se manifestar e pediu o apoio na sequência do campeonato. “Eles estão na razão deles. A gente, infelizmente, não conseguiu o resultado que queríamos. É trabalhar, fechar a boca. Estamos nos empenhando, mas o resultado não está vindo. A partir do momento em que a gente tiver a primeira vitória, as coisas vão começar a acontecer. Precisamos do apoio deles para que possamos novamente ter força em casa”, comentou o defensor de 34 anos, à Rádio Chapecó.

Dificuldades financeiras

O revés no Ceará fechou uma semana que havia começado bem, com a boa atuação no empate por 3 a 3 diante do Grêmio, na Arena, em Porto Alegre (RS). Porém, os dias seguintes se tornaram turbulentos após a confirmação de atraso no pagamento dos salários, referentes a julho, aos atletas e funcionários.

A diretoria esperava a entrada de parte do dinheiro da venda do goleiro Jandrei ao Genoa, da Itália. Ele foi negociado por 2,4 milhões de euros em dezembro, com o Verdão tendo direito a 60% deste valor (cerca de R$ 6,4 milhões), montante ainda não quitado. Os funcionários tiveram os seus vencimentos pagos, mas os jogadores continuam sem receber o valor em carteira. Os direitos de imagem também estão atrasados.

Venda de mandos

Outra notícia que deixou muitos torcedores bravos, principalmente os sócios, é a possibilidade da venda dos mandos de campo contra Corinthians e Flamengo, pelo Brasileirão. Nos bastidores, comenta-se que a agremiação lucraria R$ 1 milhão por partida. A negociação ou não será decidida pelos conselheiros – são 200, mais 40 suplentes – por meio de votação, em assembleia na noite da próxima segunda-feira, no hotel Bertaso. Como a contrariedade por parte da torcida foi muito grande, o assunto pode ser retirado da pauta.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Chapecoense fará reunião virtual do conselho deliberativo para prestação de contas de 2019
Chapecoense confirma retorno de Perotti, mas perde Denner temporariamente
Jogo da Chapecoense é cancelado após mais 9 atletas do CSA testarem positivo para covid-19
Lesões e covid-19 atrapalham a Chapecoense no início da Série B do futebol brasileiro
Umberto Louzer valoriza ponto fora, mas diz que a Chape poderia ter vencido
Chapecoense empata contra o Oeste na estreia da Série B
Vivendo momento positivo, Chapecoense começa caminhada na Série B contra o Oeste
Com jogos sem público, Chapecoense lança campanha para vender ingressos virtuais
Em busca do sétimo título do Estadual, Chapecoense faz final contra o Brusque em setembro
Atacante Lucas Tocantins é anunciado pela Chapecoense e valoriza visibilidade do clube