Mitos e verdades: tudo que você precisa saber sobre intolerância à lactose

Especialista responde dúvidas mais comuns sobre a intolerância à lactose

- Publicidade -
 

A intolerância à lactose é a incapacidade total ou parcial de digestão do açúcar do leite. Essa condição, que pode surgir em qualquer momento da vida, ainda gera muitas dúvidas desde sua origem a como se comportar quando é realmente diagnosticado.

Para responder algumas das dúvidas mais comuns, o gastroenterologista Décio Chinzon  preparou 7 mitos e verdades.

Confira: 

1. Toda pessoa que tem intolerância à lactose sabe? 
MITO. A intolerância pode ter intensidades diferentes de pessoa para pessoa. Muitas pessoas sentem sintomas, como distensão abdominal, cólica, diarreia, náusea ou flatulência após comer alimentos à base de leite e nem percebem que o mal está relacionado ao alimento. Outras toleram quantidades menores de ingestão de leite ou derivados.

2. A lactose está presente em todos os alimentos à base de leite?
MITO. Nem todos os alimentos elaborados a partir do leite possuem lactose.  Em alguns tipos de queijos, por exemplo, a lactose já é degradada durante o processo de fabricação. 

3. Todo leite de origem animal tem lactose?
DEPENDE. Os leites de origem animal possuem naturalmente lactose em sua composição, inclusive o leite materno. No entanto, existem técnicas industriais que reduzem drasticamente o conteúdo de lactose no leite, tornando possível a fabricação de leites de origem animal com “baixo teor de lactose”. Os leites de origem vegetal como os de arroz, soja, coco e amêndoa não possuem lactose na sua composição e podem, em geral, ser consumidos por quem tem intolerância. 

4. Alergia e intolerância à lactose são a mesma coisa?
MITO. A Alergia ao Leite de Vaca (APLV) é uma reação do sistema imunológico às proteínas do leite de vaca e mais comum em bebês e crianças.  Os sintomas são variáveis de caso para caso e podem incluir placas vermelhas e coceira na pele, diarreia, sangue nas fezes, perda de peso e infecções respiratórias de repetição. Já a intolerância à lactose é a incapacidade de digestão do açúcar do leite pelo organismo e é mais comum em adultos e idosos, provocando sintomas como: diarreia, cólica, inchaço abdominal e flatulência. 

5. A quantidade de lactose muda conforme o alimento?
VERDADE. Alguns alimentos contêm menos lactose e podem até ser tolerados. 

6. Pessoas que fazem dieta de restrição aos lácteos necessitam fazer uma suplementação de cálcio.
VERDADE. O leite e seus derivados são as fontes mais comuns e de melhor absorção de cálcio. Quando os alimentos lácteos estão ausentes da dieta, pode ser necessária a suplementação de cálcio para que se alcance a recomendação de ingestão diária desse mineral.  O cálcio de origem vegetal como o presente em brócolis, espinafre e gergelim, em geral, não é suficiente para suprir a necessidade do organismo.

7. Pessoas com intolerância à lactose não devem consumir nenhum alimento lácteo e viver pra sempre sem lactose?
MITO. A condição da intolerância é bastante individualizada. Cada pessoa possui um grau maior ou menor de intolerância, podendo consumir alimentos de baixo teor de lactose sem sofrer mal estar. O fracionamento da dieta que contém lactose pode, também, ajudar. Além disso, existem no mercado os comprimidos de enzima lactase, como Latolise, que ajudam as pessoas a comerem alimentos lácteos e não se privarem da riqueza nutricional desses alimentos e nem das delicias da vida. 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Osteopatia pediátrica: método contribui na qualidade de vida dos recém-nascidos
Entenda a relação entre a asma e o novo coronavírus
7 dicas para cuidar da saúde mental em meio à pandemia
Gestantes e mulheres que deram a luz há pouco tempo precisam ter cuidado com o coronavírus
Profissionais da saúde pública podem receber atendimento gratuito
População deve procurar atendimento médico para outras doenças durante pandemia
Por que o Coronavírus é mais perigoso para os idosos?
No Dia Mundial do Enfermeiro, o nosso muito obrigado!
Campanha de Vacinação contra a gripe é prorrogada até 5 de junho