Municípios catarinenses perdem R$ 102 milhões em investimentos públicos

Além da redução de repasses a fundo perdido por parte da União, Fecam se preocupa com a não ampliação do limite de teto financeiro para operações de crédito em favor dos municípios

- Publicidade -
 

A Federação Catarinense de Municípios (Fecam) está há meses mobilizada para que o Conselho Monetário Nacional realize, via resolução, a suplementação do valor limite do endividamento do setor público disponibilizado por meio da garantia do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Em função disso, emitiu documento na quinta-feira (12), que lamenta o descaso do Governo Federal nas tratativas.

Nada avançou até agora e segue a preocupação dos prefeitos catarinenses, considerando que nos últimos anos houve considerável redução de repasse de recursos federais e estaduais. Tal situação obrigou as administrações municipais a procurarem investimentos de capital em operações de crédito.

A Fecam afirma se preocupar com os investimentos no Estado, uma vez que a ampliação dos investimentos nos municípios sempre esteve vinculada aos repasses voluntários da União que, até julho deste ano, apresentou queda de 32% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Essa queda corresponde R$ 102 milhões a menos em investimentos públicos em Santa Catarina.

::: Participe do nosso grupo de WhatsApp :::

Com esses entraves, diversas obras podem ficar apenas no papel em mais de 100 municípios que aguardam a decisão do Conselho, de acordo com o diretor executivo da Fecam, Rui Braun. “Os municípios já demonstraram a sua capacidade de endividamento e pagamento, cumprindo extensa pauta de requisitos legais e burocráticos. Não há motivos para manter este entrave que impede a liberação de recursos, atrasando o desenvolvimento”, frisa Braun.

Sem retorno da União até o momento, a Fecam teme que os investimentos que deveriam ser realizados nos municípios sejam comprometidos uma vez que, sem a ampliação do limite, operações de crédito homologadas não podem ser contratadas. “Os municípios são o último reduto da enfraquecida capacidade de investimento da União e Estados. Os prefeitos querem investir em infraestrutura”, comentou o presidente da Fecam e prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli.

::: Acompanhe as últimas notícias de Chapecó e região :::

“Por isso, a Fecam luta para ampliar o teto de garantia para oportunizar mais investimentos dos gestores em melhorias para a sociedade”, afirma ele, lamentando a não compreensão da administração federal. O valor transitado pelo Ministério da Economia por meio do Pedido de Verificação de Limites e Condições (PVL) é de R$ 12,3 bilhões em operações de crédito interna, porém, o teto definido pelo Governo Federal é de R$ 11 bilhões.

Isso significa que os municípios deixaram de contratar R$ 1,3 bilhão, mesmo com condições de endividamento. No dia 19 de dezembro, acontece a última reunião do ano do Conselho Monetário Nacional (CMN), para a qual a Fecam tem atuado fortemente na tentativa de convencer as autoridades a incluir o assunto na pauta.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Prefeito busca apoio para agenda em Brasília sobre a BR-163
PSC de Chapecó confia na via alternativa para a eleição municipal
Ministério Público passa a monitorar contratação de segundo professor para 2020
Plano de Mobilidade Urbana segue em implementação em Chapecó
Partido NOVO não participará da eleição em Chapecó
Nova regra sobre taxas cobradas nos cartórios em SC entra em vigor em março
Lideranças costuram nova via para a eleição em Chapecó
Prefeito de Concórdia é o novo vice-presidente estadual do PSDB
Governador sanciona leis sobre benefícios fiscais em SC
Comissão Especial se reúne para avaliar Código de Posturas de Chapecó