O que muda na eleição de 2020 com o novo calendário aprovado pelo Congresso Nacional

PEC foi promulgada nesta quinta-feira (2). Confira as novas datas das eleições e as demais mudanças

- Publicidade -
 

O Congresso Nacional promulgou na manhã desta quinta-feira (2) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 18/20, que adia as datas da eleição municipal deste ano devido à pandemia causada pelo novo coronavírus. O texto, de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), foi aprovado pelo Senado Federal em 22 de junho e pela Câmara dos Deputados no dia 1º de julho. Por se tratar de uma PEC, não precisa passar pela sanção do presidente Jair Bolsonaro.

O texto determina que os dois turnos eleitorais, inicialmente previstos para os dias 4 e 25 de outubro, serão realizados nos dias 15 e 29 de novembro. Através de uma emenda de redação, deputados definiram que caberá ao Congresso decidir sobre o adiamento das eleições por um período ainda maior nas cidades com muitos casos da doença. Além de mudar nos dias para a realização dos dois turnos, a proposta aprovada altera outras datas deste processo eleitoral.

Sofreram mudança a data limite do registro das candidaturas e início da propaganda eleitoral gratuita, além da prestação de contas da campanha. Já os prazos para desincompatibilização vencidos não serão reabertos. Apenas a data da posse dos eleitos permanece a mesma, em 1º de janeiro de 2021. Para efetivar as mudanças, a PEC torna sem efeito, somente neste ano, o artigo 16 da Constituição, que proíbe alterações no processo eleitoral no mesmo ano do pleito.

Devido à pandemia, cabe ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) analisar as ações necessárias para garantir a realização das eleições com as seguranças à saúde. Se ficar claro que há necessidade de adiamento maior em determinada cidade, a PEC prevê que, após o pedido do TSE instruído por autoridade sanitária, o Congresso Nacional deve aprovar decreto legislativo para remarcar o pleito eleitoral, tendo como limite o dia 27 de dezembro. Esse ponto alterado pela Câmara.

Na versão do Senado Federal, essa regra se referia a caso de um estado inteiro sem condições sanitárias para realizar os dois turnos em novembro. Para município em particular, a decisão caberia ao TSE. Os deputados optaram por unificar as normas, mantendo a decisão no âmbito do Congresso. Outra alteração aprovada pelo Plenário retirou da PEC determinação para que o TSE promova eventual adequação das resoluções que disciplinam o processo eleitoral de 2020.

As novas datas do calendário eleitoral:

* A partir de 11 de agosto: As emissoras de rádio e televisão ficam proibidas de transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato;

* 31 de agosto a 16 de setembro: Realização das convenções para definições de coligações e escolhas dos candidatos. As convenções poderão ser por meio virtual;

* 26 de setembro: Último dia para registro das candidaturas; Início do prazo para que a Justiça Eleitoral convoque os partidos e as emissoras de rádio e televisão para elaboração do plano de mídia;

* Após 26 de setembro: Início da propaganda eleitoral, inclusive na internet;

* 27 de outubro: Divulgação de relatórios pelos partidos, coligações e candidatos discriminando os recursos recebidos do Fundo Partidário, do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (Fundo Eleitoral) e outras fontes, bem como, os gastos realizados;

* 15 de novembro: primeiro turno das eleições;

* 29 de novembro: segundo turno das eleições;

* Até 15 de dezembro: Encaminhamento à Justiça Eleitoral do conjunto da prestação de contas das campanhas dos candidatos;

* 18 de dezembro: Prazo final para diplomação dos candidatos eleitos, salvo nos casos onde as eleições ainda não tiverem sido realizadas;

* 1º de janeiro: Posse dos candidatos eleitos.

Outros pontos importantes. Os principais são:

* Os prazos de desincompatibilização vencidos não serão reabertos;

* Outros prazos eleitorais que não tenham transcorrido na data da promulgação da PEC deverão ser ajustados pelo TSE considerando-se a nova data das eleições;

* Os atos de propaganda eleitoral não poderão ser limitados pela legislação municipal ou pela Justiça Eleitoral, salvo se a decisão estiver fundamentada em prévio parecer técnico emitido por autoridade sanitária estadual ou nacional;

* A prefeitura e outros órgãos públicos municipais poderão realizar, no segundo semestre deste ano, propagandas institucionais relacionadas ao enfrentamento da pandemia de covid-19, resguardadas a possibilidade de apuração de eventual conduta abusiva, nos termos da legislação eleitoral.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

DEM define pré-candidatura à Prefeitura de Chapecó
Câmara Municipal de Chapecó retoma sessões após um mês de recesso
Prefeitos catarinenses pedem regionalização das ações do combate à covid-19
Deputado catarinense que tenta derrubar restrições da covid-19 tem liminar negada
Sem ajuda federal, salários dos servidores estariam atrasados em Santa Catarina
Leis sobre animais em hospitais e prevenção a acidentes com moto entram em vigor
Sancionada lei que dispensa cumprimento de 200 dias letivos em SC
Justiça levanta sigilo de Operação deflagrada em Major Vieira
Vice-governadora participa de reunião do Centro Empresarial de Chapecó
Mais de R$ 176 milhões são repassados pelo governo de SC para 281 municípios